sexta-feira, 6 de junho de 2014

Recife além da Copa

Continuo encasquetado com o evento da Copa do Mundo. Talvez preocupado com o desenrolar das coisas e sob influência das análises e comentários que são publicados no âmbito doméstico ou no internacional. Vou torcer pelo Brasil, isto sim. Mas ficarei com um olho na bola e outro nas ruas.
No fim de semana passado resolvi andar por aí, digo por alguns pontos de atração turística da minha cidade, tentando olhar como olharia um visitante estrangeiro. Embora sabendo que as praias poderão ser os pontos mais atrativos, escolhi o Bairro do Recife Antigo como meu destino, naquela tarde, entendendo ser outro ponto em evidencia. Ali, onde o Porto do Recife, por exemplo, vai atracar um navio de grande porte que servirá, inclusive, de hotel para aproximadamente 800 mexicanos, que chegarão em 13 aviões da Aeroméxico, segundo noticiário da imprensa. A seleção mexicana jogará na Arena Pernambuco.  Imagine o que isso vai provocar naquela localidade recifense. Esse navio vai ficar ancorado por dias no Recife e, por ocasião de uma partida dos mexicanos com a Seleção Brasileira, no Castelão, em Fortaleza (CE), se desloca até lá, retornando em seguida ao nosso Porto. Fico imaginando o que esses torcedores mexicanos vão aprontar nas redondezas do Marco Zero. E vejam que estou falando apenas de uma torcida. Outras virão por terra e por via aérea. É muita gente de uma só vez e isto me sugere uma dúvida: será que nossa gente faz ideia adequada do tamanho desse movimento? Vai haver cerveja, caipirinhas  e tira-gosto suficientes? A situação tem que ser vista como extraordinária e, como o turismo no Brasil é muito tênue, particularmente, aqui no Recife, tenho dúvidas. Nossa gente não está habituado a receber grandes contingentes de estrangeiros. Português não é uma língua muito difundida e por aí vai. Baita experiência.
Sem me alongar mais nessas considerações, volto ao meu passeio pela região do Marco Zero. Aquilo lá, indiscutivelmente, é um belo espaço da nossa cidade.
O conjunto arquitetônico neoclássico, acredito que de influencia francesa, do Bairro do Recife Antigo confere à região um ambiente de beleza impar, formando um cenário que enche as vistas de qualquer visitante. Eu, sendo um desses estrangeiros, ficaria admirado com aqueles prédios de fachadas esmeradamente decoradas, muitos dos quais restaurados. As avenidas radiais e as ruas transversais são bem traçadas, fruto de uma urbanização bem planejada que data do inicio do século 20. A brisa atlântica sopra sem parar e se os dias de Copa forem sem chuvas Recife vai oferecer belos cenários. Os catamarãs não vão parar de circular pelos canais da Veneza Brasileira e sob as pontes seculares.  
Mas, cenários à parte, imagino o agito que se produzirá nos comerciantes que por ali estão estabelecidos e que fazem da região seu melhor espaço de negócios. Refiro-me aos mais mais populares – vendedores ambulantes, tapioqueiras, espetinhos e acarajés, vendedor de bugigangas,
incluindo adereços pessoais alusivos à Copa, barraqueiros, vendedores de água de coco, cervejas e correlatos – aos donos de bares e restaurantes, cafés, shopping e livraria. Vai ser o maior auê. Vi gente preparando apressadamente uma Arena/Bar para receber os fregueses. (Vide foto a seguir)
Além de observar, parei para conversar com alguns e levantar expectativas sobre o evento. Mara Maravilha uma baiana espevitada (Vide foto a seguir)  me disse que não vê a hora de empanturrar os torcedores gringos com seu famoso acarajé. Posou para minha câmara e afirmou com segurança: “pode botar  minha cara na internet, para quando chegarem aqui  já saibam  onde parar pra comer.”   Garantiu que vai trabalhar que só a “murrinha”. Ri muito, desejei boa sorte e fiquei pensando na “murrinha”. Como será essa figura? Só ela pode explicar...
A tapioqueira na Avenida Marques de Olinda nem me deu atenção. Fiz a foto, está aí abaixo, e ela nem se abalou. Não quis conversa. Estava de olho na fila de espera e pondo mais uma na frigideira. Acho que durante a Copa ela vai precisar de ajudante, porque a fila deverá ser maior. Espero que a tapioca “bombe” e ganhe fama internacional. Tomara que os gringos, saboreando nossa popular iguaria, rejeitem comer os internacionais hot-dogs. A FIFA já aprovou.
Diante do churrasquinho no espeto, no meio da fumaceira gordurosa, vi-me numa China tropical. Igualzinho! Em Pequim a estratégia é a mesma. Veja as fotos a seguir com as duas faces da coisa: Brasil x China. Gosto muito de fotografar o popular. Observando as duas figuras fico pensando que se trata de seres humanos de culturas totalmente distintas sobrevivendo com formas idênticas. Nos dois, identifico um traço comum: são comprometidos com o viver, de preferencia com amor, felicidade e prazer, três coisas essenciais na vida, aqui no Ocidente, ou ali, no Oriente.
X 
Só sei que, com prós ou contras, a Copa está aí. E o Recife está esperando os torcedores.

NOTA: Fotos da autoria do Blogueiro, no Recife e na China. Observe o churrasqueiro chinês oferecendo camarões. Mas, pra quem preferir tem uma cobrinha maneira. Está lá na grelha. Viu?

                   

8 comentários:

Regina Dubeux disse...

Oww, Girley! Gostei do seu comentário, agora. Bem ameno. Mas realista. Um observador da cidade e seus ritmos. Ultimamente, tenho lido tantas críticas que, por vezes, dá um certo sabor enjoativo. Há exageros. Há procedências em algumas críticas. Contudo, acho que não convém esquecer: Eventos dessa amplitude traz problemas em qualquer lugar do mundo. Lembra-se daquele caso nas arquibancadas de uma cidade alemã, uma bomba, se não me engano, detonada por antisemitas? Se fosse aqui... ahahaha, todos diriam: Isso só no Brasil! Que nada! E, como estamos em vésperas de eleições, certamente vão politizar o evento. Esperemos pra ver.

Girley Brazileiro disse...

Claro que me lembro Regina Dubeux. Aquilo foi durante as Olimpíadas de Munique em 197..Estive por lá em 1975 e pude visitar a Vila Olímpica, famosa pelo atentado.
Armaria, se fosse aqui o mundo viria abaixo e até hoje seria noticia de primeira página.
GB

Danyelle Monteiro disse...

"O Recife antigo é muito bonito mesmo professor Girley Brazileiro e as fotos só melhoraram seu texto; impressionante suas análises, eu mesma não estava nem aí pra Copa e agora fiquei pensando no volume de gente que vai circular por aqui e como o Sr. ficarei com um olho na Copa e o outro nas ruas. Abraço!"
Danyelle MOnteiro

Susana González (México) disse...

Como mexicana te digo que van a quedar fascinados, pero te advierto que el mexicano es muy ruidoso y festivo, en todos lados se hace notar, hubo muchos eventos para ganar viajes para ver la selección, el más notorio es el de la cerveza Corona que premio a mil mexicanos con boletos dobles, supe de algunos que pagaron 50,000 pesos por esos premios. Son cuatro amigos.
Susana González

Vera Lucia Lucena disse...

Adorei essa sua postagem. Como sempre tenho falado para pessoas amigas, confesso que estou entre feliz e apreensiva, entretanto, na esperança que tudo possa acontecer na mais perfeita tranquilidade e para isso... vou rezar e muuuiiiiiiiiitoooooooooo.
Adorei essa sua postagem. Como sempre tenho falado para pessoas amigas, confesso que estou entre feliz e apreensiva, entretanto, na esperança que tudo possa acontecer na mais perfeita tranquilidade e para isso... vou rezar e muuuiiiiiiiiitoooooooooo.
Vera Lucia Lucena

Wilma Clélia Reis disse...

Com certeza,o Recife antigo é um ponto turístico que vai atrair e encantar muitos dos nossos visitantes. Vamos esperar que saibamos recepcionar a todos com o carinho e a hospitalidade que nos é peculiar,pois ELES, os visitantes, nada têm haver com a revolta do nosso povo por estarmos sediando a copa.
Wilma Clelia Reis

Adierson Azevedo disse...

Amigo Girley,
Francamente, gostaria de ser tão generoso como você ao olhar o Recife pelos olhos de um turista europeu ou americano. Mas, não consigo!!! Simplesmente, por mais que todos saibam tratar-se país em desenvolvimento, o Recife não oferece atrativos especiais que o identifiquem para o turista de lazer.
Como você conhece o mundo, sabe que cidades com New York, Londres, Paris, Moscou, Lisboa, Madri, Praga, Bratslava, Los Angeles, Miami, São Francisco, Las Vegas, etc, oferecem dezenas de atrativos permanentes com torres, estátuas, brinquedos (London Eye por exemplo), oceanários, museus, etc.
O Recife tem algumas dessas coisa mas em estado paupérrimo de conservação e nos quais a cidade não se identifica. O Bairro do Recife, na minha juventude, já foi um canto de boemia, com muita cachaça e puta para todos os gostos!*:D sorrisão O Chanteclair continua em obras e tem muita atividade ali que descaracteriza aquilo que deveria ser o Bairro Holandês do Recife.
Boa Viagem perdeu os bares da orla como o Veleiro e o Barril e se encheu de espigões residenciais, atraindo os ricos e os ladrões para aquelas bandas. Não faz muito tempo que a esposa de um dos membros do Guns & Roses foi assaltada próximo ao hotel onde a banda está hospeda.
Pra terminar, a cidade está travada no seu trânsito ao ponto de um radialista esportivo dizer que colisão de moscas, hoje em dia, dependendo de onde seja, pode causar engarrafamento no trânsito. E, isso nada tem a ver com a Copa. Graças a Deus, a Via Mangue vai ser aberta depois de quase 20 anos de sua primeira iniciativa. Agora me diga, como pode uma cidade esperar 20 anos para fazer uma obra necessária (sem dúvida) de 4,5 KM???
Assim sendo, eu espero que o Brasil consiga, ao menos, o HEXA. Mas, francamente, acho um prêmio de consolação para uma cidade repleta de necessidades não atendidas que, espero, os turistas a vejam de forma tão generosa quanto você!!!
Abraços Baianos
Adierson Azevedo

Girley Brazileiro disse...

Registrei, inadvertidamente,um informação errada: não são 800 mexicanos nesse navio ancorado no Recife e sim, 3.000! A fonte são as mais diversas, entre as quais os jornais da cidade e o serviço de apoio oficial do Porto do Recife.
É muito mais gente do que eu considerei ao redigir o post. Ou seja, a preocupação é bem maior.