sábado, 26 de dezembro de 2015

Mensagem de Fim de Ano


Lá se foi mais um ano... Infelizmente, não se pode dizer que tivemos um ano bom. Foi conturbado mundo afora e muito difícil para nós brasileiros. Acredito que 2015 foi um ano que não deixará saudades.

 Aqui no Brasil, desde os primeiros dias, as coisas apontavam para muitas dificuldades. O segundo mandato de D. Dilma começou aos “trancos e barrancos”. Logo cedo a Nação viu desabar todas as esperanças por dias melhores, conforme prometidas em campanha. Tudo balela. Artimanhas típicas, de quem quer porque quer, para se manter no poder. Foi um desastre, cujas consequências maléficas se arrastam até agora, no apagar das luzes do ano. Foi um ano que praticamente não começou. O país parou... Ninguém se entende no Planalto Central. A economia mergulhou num “buraco negro” sem fim e, neste momento, está difícil vislumbrar qualquer solução. Ao invés disso o que se enxerga bem, isto sim, é a inflação em alta a cada mês – rompeu a emblemática barreira dos dois dígitos neste final de ano –, o Real desvalorizado, credibilidade do país em franco declínio com os rebaixamentos dos conceitos/notas das agencias internacionais, desemprego cada vez maior, recessão braba e insegurança crescente do cidadão comum. Enfim, há uma expectativa nefasta, que se revela maior quando se projetam tantos rebuliços políticos empurrados para 2016.

O pior de tudo é que, sendo comum a parada obrigatória para o recesso de fim de ano, prolongando-se, conforme cultura nacional, até o carnaval, o cidadão mais atento fica em estado de total perplexidade. No que vai dar tudo isto? O que será do Brasil nos próximos meses? Nos próximos anos? Como enfrentar a crise?

Num faz de conta de que tudo vai bem, o que mais se ouve é Simone cantando “Então é Natal/E o que você fez?, numa versão brasileira do Happy Xtmas de John Lennon, soando como apelo de quem pede paz e amor. Numa espécie de mobilização nacional e como num passe mágico, instala-se um clima de parcimônia nas atitudes e ações do cidadão brasileiro, saturado de tantas controvérsias e incertezas ditadas em Brasília.

Tentando aderir a tal “mobilização” ocorre-me lembrar – algo que rege meus pensamentos positivos – que este nosso país é bem maior do que esses governantes desatinados pensam e, desse modo, alimentar a esperança de que vamos vencer mais uma vez. Eles insistem em desorganizar o país, mas, pensando bem, não têm competência para isto também.  O clima do Natal e as esperanças que se renovam no romper do Ano Novo ajudam nesta linha de pensamento.

Aproveitando o clima instalado quero mais uma vez agradecer aos que me acompanharam semanalmente acessando o Blog, lendo e comentando. A interação com o leitor é fundamental para o sucesso do nosso trabalho. Infelizmente e por motivo superior – problema de saúde do Blogueiro – as postagens do final do ano foram mais escassas.  Recuperado prometo voltar aos encontros semanais, após um período anual de recesso, até que chegue fevereiro.

Aos meus leitores, no Brasil e no exterior, desejo um Feliz Natal e que 2016 venham soprando bons ventos para todos nós neste Mundo tão cheio de desafios e tormentas.