sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Tocaram fogo no circo eleitoral

Será que esse tipo de debate entre os candidatos à Presidência da República agrada aos eleitores?  Será que estão com comportamentos corretos e adequados para quem pretende sentar na cadeira maior da Nação? Tenho conversado com muita gente sobre este assunto, desde o primeiro embate na TV Bandeirante. Depois de ontem, então, diante daquele festival de agressões no SBT o questionamento mais do que nunca ganhou sentido.
Antes do primeiro turno, dia 5 passado, a coisa já se desenhava, no meu ver, de modo inadequado e pouco republicano. O massacre que o PT impôs à candidata Marina Silva, frágil nas suas ideias e no próprio físico, foi de estarrecer qualquer pessoa de são juízo. Ela, a massacrada, numa postura elegante e com ar de vestal, se controlou, não perdeu a linha e decidida a não comprar a briga manteve a linha. Resultado foi que terminou derrotada. Só que o plano dos petistas era de vencer no primeiro turno derrotando marina Silva. A dose foi tão cavalar que esqueceram o outro. A estratégia não vingou e quem ganhou com isso foi o antes tido como derrotado Aécio Neves. E como dizia vovó: “o tiro saiu pela culatra”.  
Agora, o PT agindo com seu costumeiro modo, isto é, desconstruindo a imagem do adversário e seu respectivo partido, com golpes baixos e pouco elegantes para quem pretende dirigir a República encontrou um adversário diferente dos anteriores. Aécio é bem diferente dos seus colegas José Serra e Geraldo Alckmin que não compraram a briga, foram elegantes e comedidos nas respostas aos ataques, intimidados talvez ou com medo de não atingir o populista Lula e a sua discípula Dilma. Resultado foi que perderam as eleições mesmo tendo tido chance de ir para um segundo turno e virar a mesa.       
Nesta eleição de 2014, o PT está encontrando um adversário, digamos, à altura da sua estratégia. Um candidato, que luta com as mesmas armas e vem impondo momentos amargos à candidata Dilma. Aécio tem sido inclemente ao revidar cada ataque, embora se proponha a cada inicio de debate a discutir propostas de Governo. O debate de ontem (16/10/14) na Rede do SBT foi o retrato fiel desse quadro desolador. “Tocaram fogo no circo eleitoral!” Ao vivo e a cores, diante de milhões de espectadores atônitos e incrédulos.
Mas, tentando responder a questão inicial, devo considerar que a grande maioria das pessoas – com as quais converso e troco opiniões para tecer meus comentários semanais – são frontalmente contra essas exibições estúpidas.
Ora, minha gente, o Brasil está atravessando uma conjuntura das mais delicadas. Do domínio social ao econômico, além dos estruturantes relativos à moral, à ética e à política. Uma Nação com tantas fragilidades sociais e morais, como o Brasil de hoje, tem seu futuro ameaçado e a oportunidade de corrigir é quando se elege um novo governante. Sem ética não saberemos discutir progresso social e econômico com lisura e democracia. Aos nossos dois candidatos faltam oportunidades de, nesses necessários debates televisivos, focar nas propostas de governo. Somente assim o eleitor poderá avaliar melhor cada um deles e decidir a quem conferir seu voto. Essa coisa de fuxicar a vida de cada um é coisa de comadres desocupadas, sentadas nas calçadas das cidades do interior mineiro, que deve ser um trem danado de bão prá elas. Mas para candidatos à Presidência da Republica é, no mínimo, indecente.
Propostas candidatos! É isso que estamos esperando porque o país está à beira de um colapso de energia, falta água em muitos lugares, a insegurança é calamitosa, a Educação é um desmantelo, a mobilidade e a logística são o retrato do caos, a Saúde é dramática, o crescimento econômico é pífio e vexatório, a inflação assusta e a falta de vergonha nos políticos envergonha o cidadão brasileiro honesto. Queimem o circo, tem quem curta essa. Mas, não toquem fogo no Brasil!                   


NOTA: A foto que ilustra foi obtida no Google Imagens.

7 comentários:

Susana González disse...

Girley
Me parece q estos debates son un mal mundial, en ellos lo único q hacen es descalificar a los contrarios, y de verdad q esto choca, para la gente pensante no da para un análisis, para el pueblo en general estos no son suficientes para alternancia. Los únicos q toman partido de ello son los medios y sus enemigos q se llenan de material para sus ataques. Es una pena que los candidatos se permitan esas exhibiciones. Los debates como están formulados ahora, no sirven para cambiar la opinión de nadie, nada mas hay q ver los resultados en las experiencias latinoamericanas en especial y porq no hasta en los Estados Unidos en las últimas elecciones.
Susana González (Mexico)

Antonio Lucas disse...

Caro amigo Girley:
Concordo totalmente com o conteúdo de sua mensagem.Estamos vivendo uma
espécie de ditadura da corrupção onde as decisões são tomadas na base do
toma lá dá cá.
Os valores estão distorcidos; infelizmente a maioria dos eleitores não enxergam
essa situação e continuam elegendo candidatos sem qualquer respaldo ético.
Um fraterno abraço de
Antônio Lucas

Anônimo disse...

Amigo Girley,

Como sempre estou de pleno acordo com você. Perdi até a vontade de assistir os debates porque é baixaria demais. O problema é que a estratégia tem dado resultado, como você mesmo disse. E aí, o que fazer?
Li um artigo de um comentarista politico estrangeiro em que afirmava que, mesmo em alguns países bem mais desenvolvidos que nós, esta tática tem dado resultado. Parece que no Brasil foi aperfeiçoada porque além de agredir, as agressões tem sido com mentiras.
Na minha opinião é preciso , sem mais demora, expulsar a PresidentA e seu PT para fora para que se possa continuar educando os brasileiros e então , quem sabe, em 30 anos teremos debates construtivos.

Um forte abraço,

Oscar Rache Ferreira

Adierson Azevedo disse...

Amigo Girley,
Infelizmente, afazeres pessoais e profissionais têm me impedido de participar mais ativamente de seu excelente Blog. Confesso que nada tenho a acrescentar à sua visão mais que perfeita do cenário de debates eleitorais.
Sinceramente, o PT já vem com essa tática de desconstruir todo mundo já faz tempo. Desde 2006, a cada eleição, eles usam dessa tática para desviar a atenção do que realmente interessa. Geraldo Alckmin e Serra caíram nela direitinho em 2002, 2006, e em 2010.

Gastaram um enorme tempo escondendo FHC de seu palanque e ficaram na defensiva mais que ridícula de que não privatizariam a Petrobras.
Vejo que Aécio aprendeu essa lição e tem não somente defendido o presidente FHC como questionado corretamente o tema privatização. Os programas sociais também e Aécio mostrou claramente que foi o Plano Real, e não, o Bolsa Família, que tirou milhões da pobreza extrema, redistribuindo renda através do trabalho e do empreendedorismo.
Arrancados esses temas das mãos dos PETRALHAS, a coisa ficou feia para Dilma que teve apenas a desconstrução pessoal para mostrar. Mas, nisso também, Aécio tem sabido neutralizar com maestria.

O resultado é esse: bateu, levou. Só que os petralhas estão batendo com a mentira e Aécio nem isso precisa. Basta abrir os jornais todos os dias que o material de campanha está lá:
a) desindustrialização;
b) inflação fora de controle,
c) déficits comerciais e fiscais,
d) escândalos de toda ordem.
Dessa forma, creio eu, a toada vai ser essa até o dia da eleição. Dilma não tem outra alternativa que não seja a desconstrução para tentar vencer. Já Aécio, deve ficar na ofensiva para não repetir os erros de Alckmin e Serra.
Com o PT não se brinca. Quanto mais nas cordas do ringue eleitoral eles estiverem, melhor.
Tá mais que na hora de provarem do próprio veneno.
Abraços baianos,
Adierson Azevedo

Giovanni Scandura disse...

Amigo, o ideal é que fosse como você colocou!! "Mas", conforme o "slogan" de um certo uísque "O ideal é que seria o ideal"
O Lula disse tantas vezes: - "nunca na história.." que o povo acreditou e votou... Continuou agredindo com vergonhosas mentiras e foi reeleito!!
Dilma é filha legítima da mentira repetida "trocentas" vezes..Você reconhece a elegância do Serra, do Geraldo, da Marina e deu no quê??
Esquece que foi o grito que levou o Collor a Presidência?? - "Qual é a tua, Presidente Sarney, tem medo de mim?? É pra ter mesmo, seu ladrão incompetente: VOU TE COLOCAR NA CADEIA!!
No debate com Lula, em 17 de dezembro de 1989: - " Lula, que é você que só sabe comer pelas mãos dos outros, para presidir o Brasil??
Você não é competente nem para dirigir uma quitanda, que dirá o Brasil! Além, de que, você não sabe qual a diferença entre uma fatura e uma duplicata!
Pra você vou falar baixinho ATÉ HOJE O COLLOR TAMBÉM NÃO SABE QUAL É A DIFERENÇA...
Lamentavelmente o povão acredita nesses mentirosos de plantão!
O que aconteceu, Girley??
O "barbudo" jogou a toalha..
Sim: o ideal seria debater projetos, "mas"..
Giovanni Scandura

Oscar Rache Ferreira disse...


Amigo Girley,

Como sempre estou de pleno acordo com você. Perdi até a vontade de assistir os debates porque é baixaria demais. O problema é que a estratégia tem dado resultado, como você mesmo disse. E aí, o que fazer?
Li um artigo de um comentarista politico estrangeiro em que afirmava que, mesmo em alguns países bem mais desenvolvidos que nós, esta tática tem dado resultado. Parece que no Brasil foi aperfeiçoada porque além de agredir, as agressões tem sido com mentiras.
Na minha opinião é preciso , sem mais demora, expulsar a PresidentA e seu PT para fora para que se possa continuar educando os brasileiros e então , quem sabe, em 30 anos teremos debates construtivos.

Um forte abraço,

Oscar Rache Ferreira

Jussara Monteiro disse...

Girley Brazileiro li agora seu texto. Não vou considerar que temas deveriam ser colocados para um Debate presidencial, até pq acho impossível q em dois minutos alguém conseguir expor sobre questões importantes, como saúde, educação, transportes , economia, etc. Teria q haver um debate sobre cada tema. E poderiam ser utilizados os vinte minutos diários do GUIA ao vivo prá isso, basta querer e alterar a lei. Mas vamos ao debate do SBT. Sinceramente, com honestidade d'alma, eu pessoalmente quero ver quem aguenta o tranco. Tou nem aí, quem tem condição, educação, jogo de cintura etc. Quer ser Presidente, receber votos tem que ser forte. Quer ser uma pessoa pública, quer ter público? Não tem essa de vida privada. Eu mesma nunca me candidatei nem a síndica de prédio, principalmente pq não queria ser questionada e ser livre dentro do possível. Posso está enganada, mas o povo gosta mesmo é de assistir o confronto, a ironia, a rapidez do raciocínio e a esperteza. Tanto é q é após esse debate quente a campanha ferve.
Jussara Monteiro