domingo, 9 de março de 2014

Chile, uma varanda sobre o Pacífico

Estive no Chile, nesse recente período carnavalesco, fugindo da folia. É sempre muito prazeroso voltar àquele país. Desde os primeiros momentos dá para sentir a pujança econômica e a qualidade de vida superior que se experimenta por aquelas bandas. Santiago, a capital, está cada vez mais moderna e, sobretudo, acolhedora ao visitante. A infraestrutura é invejável. O cuidado com o cidadão é notável. Um exemplo são os banheiros públicos de primeiro mundo, disponíveis em pontos estratégicos da cidade. Vide a foto abaixo.  
Notável, também, o cuidado que se dá ao item mobilidade. É uma magnífica metrópole, sem dificuldades de trânsito. Transporte coletivo de primeiro mundo e artérias latejando de veículos e gente, muita gente, sem que se observem retenções ou estresses. Senti uma inveja...  Há estacionamentos subterrâneos por todo lado e quem quiser usar seu próprio veiculo, nunca “quebra a cabeça” procurado vagas. Tudo muito bem sinalizado. E, digo com a razão de quem locou um veiculo e saiu pelo país afora. 
Já andei pelo Chile em varias ocasiões, inclusive desde os tempos da ditadura de Pinochet. Percebo a evolução que ocorre e o quanto se avançou nesse país, no passado recente. Vê-se bem, e de cara, que não se trata de uma republica bolivariana populista. Podem existir descontentes, certamente. Mas, isso faz parte da democracia que reina por lá.
Revi Santiago em pouco tempo, porque meu foco dessa vez foi conhecer melhor a região dos lagos, no sul do país, Patagônia chilena, onde permaneci durante cinco dias. Dias inesquecíveis, tanto pela beleza natural, quanto pelos sabores e clima que se respira naquela porção chilena. De Santiago voei para Puerto Montt situada a, aproximadamente, 1.000 km ao sul. Lá centrei minha estada na região. O cenário é marcante. Um verdadeiro “planeta água”, devido ao mar, baias, enseadas, lagos e rios que predominam no ambiente.
É sabido que o Oceano Pacífico é famoso pela sua profícua fauna marinha e Puerto Montt está situada num ponto estratégico abrigando um importante porto, um sem número de pescadores reunidos em cooperativas e empresas pesqueiras, proporcionando uma base econômica sólida, internacional e propícia a oferecer ao visitante, como foi meu caso, uma verdadeira orgia gastronômica à base de frutos do mar. Com um especial detalhe: a diversidade dessa produção e as formas de degustação, que resultam na transformação do paladar e o conhecer do visitante. Como esquecer o sabor de uma centolla, de um chupe de jaiba, locos e côngrio (primeira foto a seguir), ou de um ouriço cru temperado com limão e azeite? Fotos abaixo. Isto sem falar que o salmão da região é o mais famoso de toda a produção local e é preparado das mais diversas e saborosas formas.


Próximo a Puerto Montt (16 km de distancia) está Puerto Varas, uma cidade de colonização alemã, super simpática e acolhedora, com excelentes hotéis, restaurantes, bares e cafés e estação de turismo famosa. Por lá circulam muitos europeus e norte-americanos. O Chile , aliás, está na rota dessas correntes turísticas e isso se nota no desembarque em Santiago, dadas as filas para o controle de imigração. Puerto Varas fica na beira do Lago de Todos Los Santos e bem defronte ao vulcão Osorno. O cenário é fantástico. O vulcão lembra o Monte Fuji no Japão e está sempre encimado de neve. O pôr de sol a beira do lago e diante do Osorno é um cartão postal para se guardar na memória, para o resto da vida. O lago é imenso, navegável no seu todo, repleto de barcos de turismo, num dos quais fiz um minicruzeiro que, no meu ver, “não pede homenagem” a qualquer outro, de qualquer lugar, inclusive os suíços, que já tive oportunidade de fazer. Meu barco, um grande catamarã, que partiu do ancoradouro de Petrohué, (60km após Varas) navegou até o pequeno porto da localidade de Peulla – um povoado com 125 habitantes, apenas. Um lugar que parece um cenário de produção teatral. Vide a foto a seguir – quase na fronteira com a
Argentina, próximo a Bariloche, levando os mais de cem passageiros por uma rota cinematográfica. Sim, houve momentos em que me senti num filme. Tem coisas assim, não é? As visões do Osorno, bem de próximo, e a passagem pelo ponto em que se pode vislumbrar a gigante Montanha Tronador (lado argentino) são momentos culminantes do passeio. Veja as fotos a seguir.

Mas, não foi apenas de lagos e montanhas que fiz meu passeio. De Puerto Montt fui (na verdade, fomos, porque estive acompanhado dos meus filhos e nora) até a cidade de Párgua, de onde atravessamos para a belíssima ilha de Chiloé.  A travessia é feita num ferry onde embarquei com meu próprio veiculo locado. Desembarcado em Chiloé  e depois de percorrer algo em torno de 60 km, de rara beleza natural, cheguei a uma praia, uma baia, com muitas ilhotas, onde os pinguins da Antártida se refugiam no verão, para o acasalamento, desova e consequente reprodução. Fui lá para vê-los de perto. Para se aproximar das ilhotas usam-se lanchas especiais que se são oferecidas aos visitantes. Não se desembarca nessas ilhotas. Fotos a seguir: a primeira com meus dois "marmanjos" e a segunda dos pinguins.
  

Acho que uma boa imagem que se pode fazer do Chile, e devido inclusive seu formato geográfico, é vê-lo como uma privilegiada varanda da América do Sul, sobre o Pacifico. É bonito demais. Fiz bem em fugir da famigerada folia multicultural/petista que transformaram o carnaval do Recife.

NOTA: O Blogueiro viajou com os filhos João Paulo e José Antonio e a nora Cleide. As fotos que ilustram a postagem são da sua própria autoria, a exceção, claro, a que aparece, feita por Cleide.

10 comentários:

Alfrizio Mello disse...



Mestre Girley,

Fiquei encantado com seu roteiro.

Abs,
Alfrizio Mello

maria helena disse...

Que dizer, senão agradecida por mais esta viagem?!!!Sensacional sua generosidade em partilhar conosco suas visitas ao mundo!!Se não conheço, como é o caso do Chile, agradeço a "passagem grátis", se conheço, "checo" a minha opinião com a sua, que é sempre enriquecedora E portanto, sempre muito bom!! Um abraço agradecido Maaria Helena

Girley Brazileiro disse...

Amigos Maria Helena e Alfrísio,
É uma alegria compartilhar esses meus conhecimentos com pessoas como vocês. Fico muito feliz por isso. Voltem sempre ao Blog. É uma honra tê-los como meus leitores.
Abraços,
GB

Federico Schlamp disse...




Today at 11:37 AM

Excelentes comentários e fotos

Quanta saudade de visitar o sul!!!

Eu nasci na patagônia argentina (Comodoro Rivadavia-Chubut).
Federico Schlamp

Susana Gonzalez disse...

Gracias por compartir tu experiencia tan bien descrita que nos hace vivir e invitar a ese hermoso viaje. Besos
Susana González (Mexico)

Danyelle Monteiro disse...

Lindas fotos
Danyelle Monteiro

Paulo de Tarso de Moraes Souza disse...

Vi e li.Gostei muito.Parabéns pelo tino jornalistico que tem dentro de voçe e que possibilita descrição tão perfeita do que viram.
Paulo de Tarso de Moraes Souza

Unknown disse...

Caro amigo

Vc está se transformando num blogueiro incentivador de viagens maravilhosas. Lindas fotos e lindas descrições. Abçs.

Sonia Chalegre disse...

Girley
Bom dia!Gostei muito do seu blog, dos passeios no Chile com fotos lindas.
Sonia Chalegre

Edineusa Nery disse...

Olá Girley,nunca fui ao Chile, você me fez chegar lá.
Descrevendo passeios maravilhoso, contando claro com a culinária fantastica, incluindo frutos do mar.

Aqui no Brasil se podia explorar mais nosso mar, de uma belesa espetacular, nossos rios com passeios, com uma programaçao direcionada a todos nóis.

Enfim o Brasil tem tudo de bom!!!

edineusanery.nery@ gmail.com