domingo, 4 de dezembro de 2016

Uma semana pra não ser esquecida

A semana começou com a notícia da morte do ex-ditador de Cuba, Fidel Castro. Naturalmente que com repercussão mundial, afinal – bem ou mal – ele foi uma figura que ocupou espaço no panorama político mundial, no século 20. Andei me preparando para fazer uma página inteira a respeito desse cidadão odiado por muitos e aclamado por outros. Um mito é verdade. Teve tudo às mãos para fazer de Cuba uma democracia autêntica, depois de livrar a ilha caribenha da zona de jogo e prostituição dos norte-americanos na primeira metade do século passado, em detrimento da população esmagada por outro cruel ditador, Fulgêncio Batista. Idealista e perseverante Castro empreendeu uma cruzada de “libertação” do seu povo e foi aclamado como mandatário, no remoto 1959. Manteve-se no poder até o recente 2008, passando o comando da ilha ao irmão Raul Castro. Embora prometendo um mundo de sonhos, se perdeu no meio do caminho (no começo, pensando bem) ao romper com os Estados Unidos e cair nas mãos de tiranos parceiros soviéticos, da fracassada União Soviética, e se tornou um cruel e sanguinário ditador, levando ao paredón e fuzilando centenas de opositores ao regime esmagador que implantou. Com idéias brilhantes, justiça se faça, nas áreas sociais, implantadas com sucesso, sujou seu nome e perdeu ótima oportunidade de ser lembrado como um verdadeiro estadista, devido sua “mão de ferro” e, ao contrário do que prometeu, fundador de uma sociedade pouco democrática. A História vai julgá-lo, como ele próprio disse. A Cuba de hoje não passa de uma nação atrasada economicamente, com um povo pobre e incapaz de entender o que seja liberdade. Há uma população jovem que nem tem idéia do que seja ter vontade própria e empreender. É Interessante quando lembro que Castro ascendeu ao poder, quando eu ainda era um meninote  adolescente e, logo depois, quando universitário, teve em mim um admirador. No ambiente da Academia era, junto com o Che Guevara, o mentor da transformação histórica sonhada para o mundo. Dois ícones da minha geração! Tudo isso foi por terra, com o passar dos anos. Hoje perdi minha admiração por esses tipos e sinto-me aliviado com o fim dessa era retrógrada e infeliz para muitos. Seus discípulos – Chávez, Maduro, Lula, Dilma, os Kirchner, Evo Morales e outros insignificantes no Continente –, aos poucos, estão sendo postos à margem e tendem a desaparecer. A morte de Castro sinceramente não me causou nenhum lamento. Pelo contrário, senti alívio. Odeio ditadores de esquerda ou de direita. E, depois, diante do que o Brasil viu no decorrer da semana, esse fato é coisa para ser esquecida de pronto. Página virada na História da América Latina. Pobre Latinamérica! Soy loco por ti (pobre) América.
Pois bem, o pior da semana estava por vir. E este, sim, o motivo para que esta semana não seja esquecida! Foram bem difíceis estes sete dias desta semana que hoje finda. E tudo no cenário da mesma América, atingindo em cheio, o coração do Brasil. Sobretudo, os aficionados no  futebol do Brasil.
Este garoto virou ícone da tristeza de um povo sofrendo pela morte dos seus atletas
Não encontro um termo exato para classificar minha revolta com um individuo irresponsável dono e comandante de uma aeronave de uma desconhecida empresa de aviação – aliás, empresa de um único avião – que levou à morte dezenas de jovens atletas da Associação Atlética Chapecoense, seus dirigentes e admiradores e jornalistas num acidente aéreo de grande proporção nas encostas dos Andes colombianos. Um time de futebol em ascensão no cenário esportivo do país e do continente é criminosamente eliminado num episódio dantesco que, por fim, expõe de modo claro o tipo de empresas e profissionais descomprometidos e irresponsáveis aos quais – muitas vezes – somos submetidos. Acidentes são acidentes e são coisas comuns da vida, é verdade. Mas, acidentes devidos à falha ou negligencia humana é imperdoável. Inaceitável e revoltante. Esse tal de Miguel Quiroga, proprietário e piloto da aeronave, tinha consciência quando levantou vôo com insuficiente combustível para percorrer a distancia entre o ponto de partida em Santa Cruz de La Sierra (Bolívia) e Medellín (Colombia). Ele morreu no acidente. A Chapecoense iria disputar uma final da Copa Sulamericana contra o Nacional de Medellín, na quarta feira. Este acidente, o maior envolvendo um time de futebol brasileiro, apanhou o país de surpresa e perplexidade na manhã da última terça feira (29.11.16). O desenrolar da história o Brasil e o Mundo já sabe e não preciso relatar. A manifestação de solidariedade dos colombianos no estádio onde se daria o confronto das duas equipes e a cerimônia de velório coletivo, em Chapecó (Santa Catarina), neste sábado demonstraram a dor vivida por um povo solidário e uma nação em luto. Foram 71 mortos. Vidas ceifadas por irresponsabilidade sem limites.
Manifestação do povo colombiano em Medellín no estadio onde se daria a partida de futebol.
Mas a semana não ficou por aí. A outra surpresa ruim veio de Brasília. Nas caladas da noite e aproveitando a consternação geral do país, a Câmara Federal fez serão e, numa jogada traiçoeira, aprovou com indecentes emendas/cortes o chamado Pacote Anti-Corrupção, projeto de lei de iniciativa popular. Os tais cortes foram, na prática, objetivando anular ações da Operação Lavajato, que é hoje a maior esperança de moralização e de ordem na estrutura de Governo deste país. Agora, resta a esperança de que no Senado essa indecência seja derrotada, embora que o próprio presidente da Casa, Renan Calheiros, seja um dos mais proeminentes réus das ações anti-corrupção. Teme-se que ele se defendendo em causa própria manobre para aprovação da sujeira. dos deputados. Precisamos voltar às ruas para exigir uma Nação honrada e livre dos ladrões do poder, como sonhamos.  

NOTA: Fotos obtidas no Google Imagens.

6 comentários:

Suzana Gonzalez disse...

En verdad, una semana muy triste, con respecto a Castro para mi un hombre extraordinario q tienes razón se convirtió en dictador, pero no hay q olvidar q tuvo el bloqueo económico más cruel de la historia, pues aún hoy persiste, pero en sus comienzos cuando un país salía de una guerra interna, cómo salir avante, solo con el apoyo de quién si quizo dárselo. Y en muchas cosas ha sido destacado, todo su pueblo come, se educa y tiene salud. Por otro lado, la causa de la caída del avión, porq no es accidente, en verdad como decimos en México, no tiene madre. Por último, el tema de la aprobación de ley de encubrimiento a la corrupcion creo q es ya la decadencia más grave de la clase política en cuestión y por lo tanto de esa sociedad q tanto cariño le tengo y q quisiera verla en otra posición.
Susana Gonzalez

Gilberto Linhares disse...

Companheiro, foi uma semana de muita tensão. Esperamos que a próxima seja bem melhor. Forte abraço

restony ribeiro disse...

Caríssimo Girley, não obstante o controvertido Ditador e suas obsessões ou visão obtusa, os sonhos e ideais com a máxima " os fins justificam os meios" daria um debate sem fim, mas para apimentar a discussão compartilho o artigo do economista Francês expoente abaixo:
economista francês Thomas Piketty, em “O capital no século XXI”, livro que se tornou best-seller mundial, alerta que o grande desafio a ser enfrentado é como desatar o nó que, hoje, permite a acumulação privada da riqueza em mãos de poucos. Favorecida pelo direito de herança, essa concentração aprofunda a desigualdade no cassino global, no qual a renda resultante da especulação supera a da produção.

Outrora, o poder e a riqueza (que sempre andam de mãos dadas) se concentravam em mãos da nobreza. Os vínculos sanguíneos garantiam o privilégio da hereditariedade. Ao nobre não convinha trabalhar, atividade reservada à plebe. O nobre se ocupava em desfrutar...

A ascensão da burguesia deslocou o privilégio do “sangue azul” para a posse de propriedades. A linhagem da nobreza foi destronada pela riqueza da burguesia. Mais importante do que ser filho do príncipe é ser filho do banqueiro ou do empresário. Aquele tem “berço”; este tem uma gorda conta bancária.."

Vanja Nunes disse...

Girley
É sempre muito bom lê seus textos
Cada vez mais me sinto lisonjeada de receber as suas mensagens
Esse resumo sobre Fidel Castro está magnífico ,
Portanto só quero parabeniza-lo
👏👏👏👏👏👏
Desejo uma semana de bênçãos e alegrias 💐💐💐
Vanja Nunes

Jorge Morandi disse...

.Caro amigo: concuerdo con tu reporte del accidente que enluto al Chapecoense y al país entero. Pero disiento de la calificacion de
ex dictador del Comandante Fidel, ejemplo de dignidad y soberania para toda A. Latina. Dictador es el Imperio norteamericano que aun hoy mantiene un bloqueo criminal contra el pueblo cubano. Abrazo
Jorge Morandi

Girley Brazileiro disse...

Estimado Hermano Coqui Morandi
Gracias por tu comentário. Respecto siempre tus opiniones. Democracia es asi! Fraterno
Gracias por comentário. Voy poner en el Blog. Respecto siempre tus opiniones. Democracia es asi! Fraterno abrazo.
GB