domingo, 13 de abril de 2014

Violência Mapeada

A violência é endêmica em muitas regiões do mundo. E o Brasil entra de modo lamentável nesse doloroso mapa-múndi, num grupo que inclui México, Nigéria e Congo.   Um levantamento feito pela Organização das Nações Unidas, através do seu Escritório Sobre Drogas e Crime (UNODC), e publicado nesta semana que termina, trouxe uma informação dolorosa: 11 das 30 cidades mais violentas do mundo estão no Brasil.
Além de lamentável, algumas curiosas surpresas são trazidas pela referida Pesquisa. Por exemplo: a primeira coisa que se imagina é que as cidades do Rio de Janeiro e de São Paulo deviam vir na dianteira da lista. Mas, não. Sequer estão entre as trinta. Como pode? Diante da maciça divulgação pela mídia, diariamente e ao vivo e a cores, outra coisa não se pode imaginar. Ao contrario disso, cidades menores e, provavelmente com pouca cobertura do grande jornalismo, como Maceió, João Pessoa e Fortaleza, aparecem entre as dez mais. Uma surpresa, das grandes, para um simples mortal quem nem eu. Mais surpreendido quando – por felicidade, aliás – não vejo entre as listadas, nesse mapa da violência, a minha cidade do Recife, que já foi no passado recente uma das mais violentas do país. Parece que o Programa Pacto pela Vida, do atual Governo local, vem surtindo efeitos positivos.
Sinceramente, fico perplexo imaginando o nível de violência que vem ocorrendo nessas cidades listadas, principalmente nas menores. Pensando que alimento meus temores em andar à vontade no Recife e se, a cada dia, me assusto com as atrocidades que a imprensa e a TV nos mostra, na grande maioria ocorrida no Rio de Janeiro ou em São Paulo, minha surpresa é compreensível. Cá entre nós, fico temeroso de fazer visitas à Maceió – a mais violenta do Brasil – João Pessoa e Fortaleza. Não tenho como não me surpreender. Afinal são cidades para as quais sempre fui sem temor e de peito aberto.
Segundo a ONU, 437 Mil pessoas foram assassinadas no Mundo, em 2012. Quase meio milhão de vidas tiradas, em atos violentos intencionais. Mata-se mais do que nos conflitos armados em qualquer lugar. 36% dessas mortes ocorreram nas Américas, sobretudo Central e do Sul. A pequena Honduras é a “campeã” da lista, com duas cidades mais violentas do Mundo: San Pedro Sula e a Capital Tegucigalpa. Naquele país, ocorrem 90,4 homicídios intencionais entre cada 100 Mil habitantes. A Venezuela vem em seguida com uma taxa de 53,7 por 100 Mil e El Salvador, com 41,2. A taxa verificada no Brasil foi de 25 homicídios para cada 100 Mil Habitantes. São taxas endêmicas para o padrão mundial, que tolera no máximo 20.
Das 30 cidades que encabeçam a lista da violência no mundo, quase todas estão nas Américas. A única exceção é a Cidade do Cabo (20º lugar em violência) na África do Sul. Duas são norte-americanas: Detroit e Nova Orleans. Agora, para tristeza nossa, 11 são brasileiras. O restante é de cidades latino-americanas. Além das brasileiras já citadas, ainda estão, entre as 30 mais violentas: Natal (12ª), Salvador (13ª), Vitoria (14ª), São Luiz (15ª), Belém (23ª), Campina Grande (25ª), Goiânia (28ª) e Cuiabá (29ª). E muita coisa, minha gente.

Por curiosidade, fui examinar a outra ponta e descobri que nos principados de Mônaco e Liechtenstein, as taxas observadas foram de zero homicídios em 2012. Na mesma ponta destacam-se Cingapura, com 0,2 por 100.000 e o Japão com 0,3. O Iraque, vejam só, emergindo de um conflito armado sangrento apresentou uma taxa de assassinatos de 8% por 100 mil habitantes. Não é uma surpresa? Para mim, pelo menos, é. As taxas encontradas na Europa e Oceania foram, respectivamente, de 5% e 0,3%.
Esses dados alarmantes chegam com muita oportunidade neste tempo de eleições no Brasil. Tomara que nossos candidatos, seja qual for o nível de disputa, estejam atentos e com as informações às mãos na hora de compor seus planos de governo. E que o eleitorado tome conhecimento, aliás, consciência desta situação para cobrar de modo enfático e responsável nos debates e nas urnas.
Precisamos lutar por um país mais decente e livre das violentas atrocidades registradas nos últimos tempos, acabando, por exemplo, com a impunidade, que tem sido um dos maiores incentivos à pratica de crimes. Segundo o mesmo escritório da ONU, apenas 24 de cada 100 homicídios recebem sentença condenatória! Nessa mesma esteira de atitudes, precisamos dar um basta aos cartéis da droga, que imperam nas periferias urbanas brasileiras e sustentam as ações do crime organizado. Ah! Combater de modo severo e decidido com a violência contra as mulheres e o tráfico de pessoas... E, naturalmente, educar essa gente, para que possam conquistar um mundo adequadamente civilizado. Tristemente conclamo: Acorda Brasil!

NOTA: Ilustração obtida no Google Imagens

  

5 comentários:

maria helena disse...

Girley, as suas surpresas foram também as minhas, mas...João Pessoa???Cidade que eu sonhava morar, voltando prao nordeste???Foi tão surpreendente, que a tentação foi questionar: A pesquisa, ou os meios de comunicação que focam sempre seus "olhos no sudeste do Brasil???Sei não... tá difícil.... "Tô chocada"!!!


Álvaro Moreira disse...

Caro amigo, era de se esperar, apesar de não conhecer a metodologia utilizada, não estou admirado da inclusão do Brasil. Volto a bater na tecla da brutal exclusão social, principalmente, nas áreas urbanas das grandes cidades. Este ajuntamento de seres humanos vivem entre a pobreza incluindo a miséria e o encanto das demonstrações absurdas de riquezas da nossa ELITE. Este é o caldo explosivo que alcança em média 60% da população. Todos nós assistimos, passivelmente, a construção desta violência que nos mata e despedaça famílias. Resta saber quantas gerações serão sacrificadas nesta guerra quente.
Álvaro Moreira

Susana González disse...

Una epidemia terrible y q te puedo decir desde México, primero q no hay q lacerarse porq tenemos un ingrediente en común y es los Estados Unidos, ya q al no tener donde vender sus armas lo hacen hacia los países q consideran q puedan ser sus principales obstáculos, con sus programas "Rápido y furioso", Brasil estaba creciendo demasiado y ya lo veían como un verdadero rival y que hacer pues darles armas para q se destruyan y se culpen unos a otros. México es difícil q se libré de la violencia pues ellos la fomentan lo más q pueden y nosotros como gobierno y sociedad nada más vemos. Las grandes organizaciones internacionales q se dedican a analizar la violencia, no los advierten y nuestro gobierno q hace ser su cómplice y la sociedad, nada. No se q pienses de esto pero es mi punto de vista y de muchos analistas q ven el caso mexicano, centroamericano y el Brasil, además por supuesto Venezuela.
Susana González (Mexico)

Ana Celi Ramos disse...

Muito boa a sua iniciativa! A violência, a cada dia torna-se impactante.Trabalho, com uma clientela a margem da sociedade.Adolescentes infratores.
Ana Celi Ramos

Vera Lucia Lucena Moura disse...

Fiquei bastante surpresa com o resultado dessa pesquisa, pois quando ouvimos nos telejornais as violências ocorridas em São Paulo, Rio de Janeiro e mesmo aqui em Recife, é claro que nos surpreende, mas vamos acreditar é claro. Abraços para você.
Fiquei bastante surpresa com o resultado dessa pesquisa, pois quando ouvimos nos telejornais as violências ocorridas em São Paulo, Rio de Janeiro e mesmo aqui em Recife, é claro que nos surpreende, mas vamos acreditar é claro. Abraços para você.
Vera Lucia Lucena