sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Desordem no Vale do São Francisco

Que a atividade econômica do Vale do São Francisco, baseada na fruticultura irrigada, é um dos negócios mais bem sucedido do Brasil moderno, todo mundo já sabe. Este tema, que já foi assunto deste Blog noutras ocasiões, testemunha meu entusiasmo por tudo que acontece naquela região cortada pelo velho Chico, no trecho de fronteira entre os estados de Pernambuco e da Bahia,  tendo os municípios de Petrolina (PE) e Juazeiro (BA) formando o maior aglomerado urbano. Como não admirar o progresso e o aproveitamento agrícola de uma área fincada no meio do inóspito semiárido nordestino? Como não encher os olhos de alegria ao divisar a verdura dos perímetros irrigados gerando riqueza e sustento para uma população que antes só experimentava agruras e miséria, geradas pelo sol causticante e abrasador? Como não se deliciar com a doçura e a qualidade superior das frutas cultivadas naquela região? São perguntas, entre muitas outras, que recebem sempre respostas positivas.
Posso me considerar um razoável conhecedor da região, tanto pelo interesse pessoal, como em decorrência das minhas atividades profissionais. Perdi a conta das vezes que adentrei naqueles campos de cultivo e em que, particularmente, visitei as adegas produtoras de vinhos tirados das uvas do vale. Ou seja, acompanhei de perto a construção de uma atividade econômica que levou os nomes de Pernambuco e da Bahia, Nordeste enfim, aos quatro cantos do mundo.
Ultimamente, porém, um movimento pouco animador vem despertando a preocupação de todos que conhecem , admiram e defendem aquela região: fazendas produtoras de frutas tropicais e vinhos de qualidade superior estão sendo invadidas pelos militantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), sob duvidosas alegações – dizem que as terras são improdutivas! – e pondo em risco uma economia indiscutivelmente bem sucedida. Primeiro foi a Fazenda Milano que, além de frutas tropicais, produz vinhos finos, com a consagrada marca Botticelli, invadida em 12 de outubro passado. Depois, na semana que passou, foi a vez da vinícola Bianchetti, que existe de 1998. Observadores locais garantem que nenhuma das terras invadidas é improdutiva, dado que se acham a pleno funcionamento, plantando, colhendo, exportando e produzindo vinhos. A briga rola na justiça e autoridades já foram chamadas para atestar a verdade. Processo para reintegração de posse, aliás, já foi emitido a favor da Milano, que aguarda execução sob o lento e magnânimo compasso do comando da policia local.
A Milano, meus amigos e amigas, tem uma invejável trajetória de 43 anos, produzindo em cerca de 300 hectares frutas e uvas para exportação, além de vinhos. É uma empresa pioneira e serve de modelo para essas atividades no Vale. De lá saem regularmente uvas, mangas, goiaba, maracujá, feijão, milho, leite e queijos em escala comercial. Falo de uma empresa cidadã, com mais de trezentas famílias vivendo com qualidade de vida e que, neste momento, estão impedidas de produzir, devido a desordem instalada pelos invasores. Além de invadir quebraram tudo, provocando um imenso prejuízo econômico, afora outro, de natureza emocional, segundo o Administrador da Fazenda, José Gualberto de Almeida, à medida que sequer pode sair de casa, na sede da Fazenda.
No caso da Bianchetti, são 100 invasores que chegaram em carros, vans, motos e, vejam só, protegidos pela policia. Garantem que vão ficar por lá e se preparam para plantar e sobreviver.
Quem conhece aquilo lá, sabe que o governo promoveu assentamentos para famílias de baixa renda da região no entorno desses grandes empreendimentos invadidos, e que por falta de assistência técnica e social essa gente vem abandonando as terras recebidas legalmente, indo atrás daquelas já bem estruturadas e com produtividades garantidas. Francamente! Que país é este? Onde estão nossos governantes?
Contudo, lamentando o que vem sendo registrado e por dever tento um olhar neutro, digo, na ótica dos invasores e imagino que algumas empresas podem, mesmo, estar atravessando dificuldades num ou noutro aspecto legal, coisa mais do que comum, neste Brasil! As invadidas podem ser exemplos. Mas, e daí? Será que isso é motivo para que sejam invadidas? Tudo leva a crer que vem ocorrendo puro oportunismo desse MST.
Infelizmente ser empresário no Brasil vem se transformando num ato de bravura. As dificuldades são imensas. Problemas com impostos escorchantes, custo da mão de obra, luz, água e telecomunicações, logística precária, baixas produtividades, concorrência estrangeira, etc, etc. E bote etc. nisso!
Para as empresas do Vale do São Francisco acredito que a situação é ainda mais séria porque vivem das exportações, atualmente abaladas pela apreciação do Real, combinada com a retração do consumo num mercado mundial em crise.
Precisamos salvar a economia do Vale do São Francisco! Fim urgente à desordem que ali se instalou!

NOTA: As fotos que ilustram o post foram colhidas no Google Imagens 
      


5 comentários:

Regina Dubeux disse...

Esse eu vou publica na minha página do Face. Nada justifica tais invasões. Oportunismo mesmo, sem dúvida alguma! PT gosta dessas coisas.

Danyelle Monteiro disse...

Um absurdo isso, segundo o direito agrário, terras só devem ser desapropriadas quando não estão cumprindo seu papel social, o que não é o caso; realmente preocupante a situação.
Danyelle Monteiro

Leonardo Sampaio disse...

Preclaro e mui prezado Irmão Girley,
Mais uma vez, parabéns pelo instrutivo blog !
O assunto tratado neste último é muito importante para que formemos uma consciência das alternativas cidadãs para 2014.
Assim sendo, não mereceria uma continuidade dos tópicos abordados nessa linha ?
Gde abraço irmão !
Leonardo Sampaio

Jose Carlos Lucena disse...

Caríssimo primo Girley Brazileiro. Só posso fazer coro à sua indignação. Estamos na verdade nas mãos de bandidos que se instalaram no poder: nas mais altas instituições (Executivo, Legislativo, Judiciário, autarquias, estatais, etc.) até nestes movimentos que se dizem sociais, mas nada de sociais têm. Um desespero! Ficamos impotentes diante desta organização criminosa. Quiçá, com vozes como a sua (uma abelha fazendo a sua parte) consigamos reunir cabeças pensantes (para o bem), para mudarmos o curso desta triste história. Meu abraço.
José Carlos Lucena

Regina Dubeux disse...

Girley, autorizada por minha amiga Nathalie, publico aqui o comentário dela na minha página do Face. Nathalie me explicou, in box, que foi convidada para uma das reuniões a que ela se refere. Ela, a cunhada e uma amiga. A cunhada chegou a participar de uma dessas invasões. Não aguentou as barbaridades. Arrependeu-se e a bolsa-universidade concedida ao filho dela foi cancelada.
Trata-se de suborno e lavagem cerebral. A coisa é mais grave do que se supõe. Leia aí:

"Regi Dubeux, você sabia que o MST convoca pessoas para participar de reuniões e invasões de assentamentos? Pessoas que não fazem parte do movimento, pessoas que têm casa própria, carros e tudo mais de uma vida estruturada. Eles têm uma lista de presença e oferecem bolsa de estudos em universidades particulares, caso a pessoa cumpra as "metas". MST é um braço partidário e cheio de corrupção. Não gosto do movimento e discordo de qualquer argumentação deles de que lutam por reforma agrária."
15 de novembro às 22:27 · Curtir · 1

Regi Dubeux Não, não sabia disso nesses detalhes não, Nathalie. Agradeço pela informação, bastante elucidativa. Agora, está tudo explicado. Se me permite, publico seu comentário no blog do Girley.
15 de novembro às 22:30 · Curtir · 1

Nathalie "Pode colocar sim, sem problemas."
Mandei uma mensagem privada para você.
15 de novembro às 22:38 · Curtir (desfazer) · 1