sábado, 28 de setembro de 2013

Missão Abortada

Era 14 de Novembro de 2009 quando, cheio de entusiasmo, escrevi um post para este mesmo Blog referindo-me à reportagem semanal da respeitada revista britânica The Economist falando sobre a grande fase de expansão da economia brasileira. Na capa uma fotomontagem que correu o mundo mostrava o Cristo Redentor decolando como um foguete, simbolizando a ascensão estratosférica que a nossa economia projetava naquele momento. Aquilo teve uma repercussão fantástica nos meios econômicos do mundo inteiro. (leia a referida postagem clicando em http://gbrazileiro.blogspot.com/2009/11/brasil-potencia-economica.html ). Recordo que, logo em seguida, estive em viagem de negócios por alguns países da Europa e os comentários a respeito do ambiente econômico brasileiro era lembrado e enaltecido, com especial entusiasmo, por nossos interlocutores. Foi um tempo de muita euforia e grandes oportunidades de negócios desenhadas, num Continente onde crise, indústrias paradas, desemprego e incapacidade de investir faziam parte da ordem do dia em qualquer rodada de negócios. Foi um tal de querer vir para o Brasil, como nunca antes. Aqui estava a “salvação da lavoura”, era a voz geral. Alguns até que conseguiram.
O tempo passou e, infelizmente, as coisas não se revelaram tão satisfatórias quanto se imaginava e a mesma revista britânica, que não relaxou no monitoramento da economia brasileira, começou a perceber o desandar das coisas. Chegou até a aconselhar D. Dilma a demitir o Ministro Guido Mantega, antes que ele entornasse o caldo que restava. A Presidente revoltou-se com a “intromissão” e disse: “Fica Guido, porque aqui quem manda sou eu!” Recentemente a revista insistiu e classificou de medíocre o desempenho do país desde 2011. Claro! De quebra, em tom de ironia aconselhou a permanência do Ministro Guido no cargo.
Hoje a The Economist publica outra grande matéria de capa deletando a aura auspiciosa que criou em 2009 sobre o Brasil, mostrando as falhas e desmando do atual Governo. Também, pudera porque não faltam razões. Basta que nos lembremos dos caminhos tortuosos que um investidor enfrenta para empreender no país, a burocracia emperrada e a carga tributária descomunal, o quadro de corrupção renitente, as falhas da política econômica, a incompetência e inchaço do setor público, os riscos políticos, a volta da inflação, o assustador processo de desindustrialização, o protecionismo no setor de petróleo e gás, a falta de infraestrutura adequada e seu baixo coeficiente de investimento para que dê suporte às atividades econômicas, entre muitos outros pontos fracos e ameaçadores, que, tudo junto, pode bem ser traduzido pelo PIBinho  que vem sendo  registrado nos anos recentes.
Ironicamente a ideia da capa da revista em 2009 com o Cristo decolando volta com outra fotomontagem, dessa vez, porém, no sentido contrário: a suposta nave espacial que decolava, retorna ao ponto de origem num zig-zag desgovernado. Tal qual o Brasil, aliás... Vide a reprodução das capas, a seguir.
A imagem vem acompanhada da chamada: “O Brasil estragou tudo?” tradução livre de Has Brazil blown it?
Pois é, o que mais dói é perceber que corre-se o risco de descambar ladeira abaixo perdendo o controle, depois de tantos anos de sacrifícios. Mais do que nunca sentir-se-á falta das tão propaladas reformas: fiscal, previdenciária, política etc.
O que mais se pode lastimar é que o ambiente foi preparado para isso, mas, os que estão no poder e vêm se locupletando das regalias oportunistas e mamando nas “têtas da viúva”, não têm competência, visão de estado e nem conseguem enxergar essas carências. Só mudando para ver se dá certo. A Missão da nossa nave redentora foi abortada.

NOTA: A Foto é uma reprodução da capa da própria revista The Economist 

2 comentários:

Wirson Bento de Santana disse...

Como estudante de economia, 5 anos e professor de Economia, há 38 anos, na PUCGOIÁS, mais um ano de especialização na USP, são 44 anos de minha vida, militando nessa área, Venho desde então, sonhando e esperando que o gigante deitado eternamente acorde. Chegamos até ter uma propaganda durante a propalada vez do Brasil, dizendo que o gigante acordou.
Não importa a ideologia se mais a direita ou mais a esquerda, todos querem isso. Ver o seu país, sua pátria, como uma potência econômica de primeira grandeza. É isso, que faz a diferença para todos nós. Mais quando a realidade é outra paramos para pensar e analisar o que deu errado para se ainda tivermos força corrigir, consertar, colocar a economia nos trilhos.
Ao parar para pensar deparamos com o seguinte cenário, a nossa geração foi massacrada pela revolução. Mais tudo bem, superamos isso. Foi massacrada pelas crises econômicas, crise do petróleo na década de 70, inflação e crise sistêmica na década de 80 e 90, superamos também. Inicia o século XXI. Chegou a nossa vez. Agora é a hora. Vai da certo e passamos a acreditar novamente.
De repente, voltamos a tratar dos mesmos temas que já foi explorado amplamente nesse mesmo BLOG, amigo Girley.
Como ficamos? Teremos força para acreditar que um dia chegará a nossa vez? Quando será isso? Provavelmente a nossa geração não mais verá esse novo tempo. Fico como você indignado pela nova oportunidade perdida.
Mais sinto-me impotente para arregimentar forças para a mudança que se faz necessária.
Principalmente, porque as grandes verdades só circulam para uma pequena parte da população. Os esclarecidos. Há outra parte não estão nem aí pelo que está acontecendo. Enquanto tiver bolsa família, renda cidadã, uma série de benefícios sócias que os transformem, que os integre na sociedade de consumo, eles estarão satisfeitos e continuam votando nas mesmas pessoas indesejáveis, nos mesmos partidos dominantes, nas mesmas oligarquias, nos coronéis que ainda dominam esse país de forma disfarçadas. Não precisamos citar os nomes todos já sabem quem são.
Parabéns amigo pelo seu BLOG, pelos assuntos aqui discutidos, que infelizmente só atinge um infinitésimo daqueles que precisavam conhecer e formar opinião, para que juntos possamos fazer a verdadeira revolução econômica desse Brasil que amamos.

Adierson Azevedo disse...

Girley amigo,

Infelizmente, como dizem por aí, o gigante acordou, foi ao banheiro, e voltou a dormir....kkkkkkk
Adierson Azevedo