quinta-feira, 12 de setembro de 2013

Vontade de Voltar

Outro compromisso social tirou-me do Recife, no fim de semana passado. Dessa vez, para um pouco mais distante. Estive novamente na Argentina. O destino, porém, não foi Buenos Aires e sim a aprazível cidade de Rosário, que provocou uma bela surpresa. Às margens do rio Paraná, que nasce no Brasil, entre os estados de São Paulo, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul, dá nome a um estado brasileiro, demarca a fronteira do Brasil como o Paraguai, entra pela Argentina e vai desaguar no rio da Prata. Caudaloso e largo à altura das Províncias de Santa Fé, onde se encontra Rosário, e Entre Rios, esse rio, além de transformar as cidades ribeirinhas em localidades com especiais atrativos, serve de importante via navegável (para grandes navios) da Argentina por onde escoa muitas das suas riquezas agrícolas. Vide mapa, a seguir.
Mas, não é sobre o rio Paraná que quero focar este papo semanal e sim na cidade onde estive, com minha família, durante três dias. Confesso que foi uma surpresa. Ocorre que nós brasileiros geralmente enxergamos, somente, duas cidades dos “hermanos” – Buenos Aires e Bariloche – o que pode ser um equivoco. Muitas outras cidades argentinas merecem ser vistas e Rosário de Santa Fé é uma dessas.
A chegada, por via aérea, não é das mais animadoras. O aeroporto não causa uma boa impressão. Meio acanhado e pouco acolhedor. O acesso à cidade tampouco anima muito, até que se alcança a zona urbana mais central. Ali, o perfil arquitetônico surpreende e faz lembrar em tudo a metrópole bonaerense. Sim, Rosário se parece muito com Buenos Aires, no traçado urbano, nas construções senhoriais, no bom estilo neoclássico, nas ruas de pedestres, nos cafés em vias públicas (vide foto a seguir) e casas comerciais, parques e avenidas. Muitos museus temáticos. Restaurantes magníficos e casas noturnas sofisticadas. Com a vantagem de não ter o clima trepidante como na Capital Federal e não estar sujeita à insegurança. 
A cidade conta com 1,5 milhão de habitantes. Não vi engarrafamentos, barulho de buzinas ou pedintes como em Buenos Aires. A qualidade de vida é visivelmente boa. E, mais do que isso, observei que lá as pessoas circulam livremente e a pé, altas horas, sem medo de assaltos ou qualquer tipo de insegurança. Assim, pelo menos, me pareceu.   
Depois de curtir uma sexta-feira inteira caminhando pelas peatonales (calçadões de pedestres) Córdoba e San Martin, parando diante das vitrines, sentando num café, entrando numa livraria  e observando o povo passar, partimos para visitar os pontos referenciais de turismo: o primeiro foi o Monumento à bandeira Nacional, imponente torre disposta numa praça cuidadosamente arquitetado e situada num parque a beira do rio. Além da torre, há no mesmo sitio outra construção com uma pira ardente, dia e noite, em homenagem aos heróis desconhecidos, com bela escadaria que leva a um grande espelho d´água, do qual belas esculturas  emergem com ares triunfantes. Sem dúvida, trata-se de um parque monumental. A cédula de 10 Pesos Argentinos traz imagem desse parque. À noite a visão é reluzente graças à uma moderna iluminação com as cores branco e celeste, lembrando a bandeira do país.
Outro orgulho da cidade de Rosário é o fato de ser cidade natal do guerrilheiro/revolucionário Che Guevara.  Dizem que a mãe do Che, grávida de nove meses, passava por Rosário quando entrou em trabalho de parto e deu á luz ao garoto Ernesto. O pai, um diplomata de carreira, instalou a família num apartamento do edifício 480, da Rua Entre Rios e ali ficaram até que o Che completasse quatro anos, quando se mudaram para a Província de Córdoba. Cresceu ali e de lá partiu para cumprir sua saga. O resto da história o mundo conhece bem e hoje, ele é lembrado em praças e monumentos do lugar onde veio ao mundo. Um herói nacional. Vimos o prédio e fomos ao parque (meio distante e semi abandonado) onde uma estátua de bronze pontifica. Interessante que o bronze foi fundido com doações de peças sucateadas dos rosarinos, principalmente chaves inúteis que viviam guardadas. É grandiosa e pesa centos toneladas. (Vide fotos da imagem e um detalhe revelando parte das chaves usadas) .


Outra coisa que chama a atenção, nessa cidade, são os belíssimos parques. Uma riqueza natural. Os Parques de España e Independência são os destaques. Dedicamos nosso domingo a percorrê-los. No Parque de España uma festa de ciclistas, pic-nics, feira de artesanatos, artistas e um povo alegre gozando do ar puro da natureza. Fiquei com uma inveja...
Nunca vi tantos bares e restaurantes à beira-rio! Provocaria inveja à muitas cidades do mundo que têm rios e não aproveitam suas orlas. Recife é uma dessas.
No mais, um especial registro para os restaurantes magníficos que a cidade tem. Carnes supremas e vinhos generosos. Taí um lugar que dá vontade de voltar.

NOTA: Excetuando o mapa, retirado do Wikipedia, as demais fotos são da autoria do Blogueiro

6 comentários:

alejandra belen Bomben disse...

Prezado Girley,

Adorei sua materia sobre Rosario. Morei sete anos nessa cidade e ainda sinto saudade dela. Boas lembranças voltaram a minha memória. Muito obrigada pelas suas palavras. Alejandra Bomben

Jorge Morandi disse...

Caro Girley:

Celebro que la estadía en Rosario con tu familia haya sido agradable y provechosa. Es cierto, hay muchos lugares y ciudades en Argentina que aunque no están en los circuitos turísticos internacionales ofrecen atracciones y bellos paisajes como los que disfrutaste en Rosario ese fin de semana. Lamento no haber podido llegar hasta allí para reencontrarme con ustedes. Espero que pueda ser en otra oportunidad, sea en las tierras del Plata o el el Nordeste de Brasil.
¡Felicitaciones por el Blog!.
Abrazos y saudades.

Jorge

Sonia Chalegre disse...

Girley
Você com vontade de voltar e eu com
vontade de conhecer. Realmente quando falamos na Argentina só pensamos Buenos Aires e Bariloche, já fui quatro vezes, mas depois de sua matéria,já falei com minha filha para irmos à Rosario na próxima viagem.
Parabéns pela materia.
Sônia Chalegre

Regina Dubeux disse...

Caro Girley,
Sem ser guia turístico, você acaba nos dando dicas imperdíveis, às quais não teríamos acesso (eu, pelo menos) se não fosse seu blog. Apreciei bastante as informações sobre essa encantadora cidade argentina.
Abraço.

Girley Brazileiro disse...

Aos meus amigos argentinos a Alejandra Bomben (Consul argentina no Recife) e Jorge Morandi meus agradecimentos por visitar o Blog e comentar. Admiro muito esse país de vocês. Não me canso de visitá-lo.
Girley Brazileiro

Girley Brazileiro disse...

Quem quiser saber mais sobre Rosário, acesse o link: http://br.noticias.yahoo.com/rosario-capital-soja-modelo-econômico-único-195752233--finance.html