quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

No reino de Mandela

A caminho da Austrália, fizemos uma “parada técnica” de quatro dias na África do Sul, precisamente em Johanesburgo. Estou acompanhado da minha esposa e meu caçula. Para mim, pessoalmente, é a segunda visita a este singular país africano. Estive aqui há quinze anos, na época em que Mandela havia assumido o Governo. Colorido, ensolarado – aqui o sol parece mais brilhante – e lugar de uma gente alegre e gentil com o estrangeiro. O sul-africano recebe o brasileiro com o maior carinho. Ao primeiro sinal da nossa nacionalidade, logo se fala de futebol e dos atuais e famosos craques brasileiros e por aí vai surgindo uma conversa sem fim. Isto ocorre com recepcionistas, taxistas, atendentes de lojas e restaurantes.
Encontrei um país mais organizado e com aparente progresso. Logo na chegada um impacto agradável, dada a estrutura do aeroporto, antes bem mais acanhado. A Copa do Mundo do ano passado impôs uma repaginação do país, particularmente aqui em Joburgo, como eles preferem abreviar o nome da cidade. É uma imensa metrópole. O centro, mais deteriorado, não pode se considerar como exemplo de beleza urbana. È tomado pela população na grande maioria de negros, num tremendo fervilhar e com um comércio ambulante disseminado, embora que, hoje, mais organizado do que antes. Passamos por lá de automóvel e, como há quinze anos, não tivemos coragem de circular a pé. Fala-se de alguma insegurança.
Em contraste disto, pode-se andar com tranqüilidade e à vontade, pelas cidades da região metropolitana, como, por exemplo, Sandton, onde ficamos e curtimos um clima de muito charme, elegância e segurança. Ruas e avenidas lindíssimas, prédios suntuosos, condomínios horizontais de altíssimo padrão, carros de luxo em profusão, restaurantes e galerias de artes simplesmente surpreendentes, shoppings centers impressionantemente luxuosos, supermercados de primeiro mundo e hotéis monumentais. Ali, a limpeza das ruas chama a atenção de um brasileiro, sobretudo um recifense, que só anda por ruas e avenidas imundas. Nessas cidades, turistas do mundo inteiro fazem a festa das casas de pasto e de comércio.
Nesse cenário, um detalhe salta aos olhos que a veneração que essa gente tem à figura de Nelson Mandela. Tudo, por aqui, se refere ao herói nacional. Do que há de mais formal, até as coisas mais simples do dia-a-dia. Um ícone para todos os tempos. Na praça central de Sandton que recebe o nome do próprio – Nelson Mandela Square – a estátua monumental do herói pontifica em cima dos seus, mais ou menos, dez metros de altura e dá o tom da veneração dessa gente a essa figura impar e de prestigio mundial.Uma atração para os turistas. Todo mundo quer ter um foto debaixo do mandelão (vide foto).
O Homem, agora, aos 93 anos de idade, padece de um câncer mortal e não durará muito mais. Há uma consternação nacional. O sul-africano comum se emociona ao comentar o fato. Faço idéia do funeral que o mundo vai assistir daqui a pouco tempo.
A África do Sul é um país construído a base econômica de muito ouro e diamantes. Dominada pelos senhores do mundo antigo – holandeses e ingleses – o país atingiu a independência depois de muita luta e combate a uma das mais cruéis tiranias colonizadoras que se tem noticia, em meados do século passado. Pensando bem, o continente africano, como um todo, foi onde se cometeu as mais tenebrosas explorações econômicas e humanas até reventemente.
Em 1652, um século e meio após a descoberta da rota marítima contornando o continente, a caminho das Indias , a Companhia Holandesa das Índias Orientais fundou uma estação de abastecimento que mais tarde viria ser a Cidade do Cabo, tomada pelos ingleses e se tornando uma colônia britânica em 1806. A colonização européia expandiu-se na decada de 1820 com os Bôeres (colonos de origem holandesa, flamenga, francesa e alemã, enquanto os colonos britânicos se assentaram no norte e no leste do país. Nessa epoca os dois maiores grupos etnicos locais eram os Xhosa e os Zulus. Imensos conflitos foram travados entre esses colonizadores e os aborigenes pela conquista da terra. Os nativos foram sempre esmagados. A coisa durou até o passado recente culminado com a abominável politica do apartheid, somente derrubada por ação patriotica de Mandela. Soweto é a cidade simbolo da separação racial que reinou ali.
Hoje a coisa é outra, pelo menos oficalmente: os negros transitam livremente por toda parte e vivem, aparentemente, interagindo com os poucos brancos que ali vivem, tão sul-africanos como eles.
Visitar o “reino” de Mandela foi um imenso prazer que renovei este ano. E pela frente tenho a Austrália.
FOTO: Arquivo particular do Blogueiro

10 comentários:

Carla disse...

Olá amigos! Fiquei feliz com as notícias e espero que curtam bastante e continuem acessados conosco. É maravilhoso viver a distância a história maravilhosa da AFRICA,como também apreciar a beleza das cidades.

Fiquem com Deus.
Um grande abraço, Amusa

João Passos disse...

Girley,nunca estive na Africa do Sul porém ja estive visitando a Australia por 15 dias, realmente um a país avançado e atraente.
Como sempre digo: Não exite paises de primeiro mundo, existe pessoas de primeiro mundo.
Parabéns!!!
João Passos
Rotary Distrito 4480

silvana disse...

Que viagem maravilhosa! Imagino a consternação do povo com a saúde de Mandela. Também sou tiete e vibro pelos discípulos de sua guerra pelos direitos negros na África do Sul. Quem assistiu o filme A Luta Pela Liberdade deve ter sentido o gostinho de quero mais... Bom, boa Autrália pra vosmicês Dr. Girley, abraços!

Lucila Nastassia disse...

Girley, tive a oportunidade de conhecer a África do Sul em 2009 e fiquei também encantada com a cidade de Joanesburgo, a "capital cultural" do país africano... Que cidade limpa, linda, organizada, agitada, colorida, multicultural... Me fascinou e, confesso, tenho muita vontade de voltar pra curtir mais, já que fui a trabalho! Me impressionou também as construções luxuosas, os shoppings maravilhosos (apesar de não gostar muito de shopping), as estradas impecáveis e a simpatia do povo com o brasileiro nas ruas... Lembro que num passeio que a gente fez, cheguei a ver na rua 3 africanos com a camisa da seleção do Brasil de futebol!! Eles adoram o nosso futebol, falam de Ronaldinho e de Pelé com a maior alegria do mundo e que sorriso eles têm ao nos ver e ao falar com a gente, realmente encantador! Também adorei os restaurantes e a noite da África do Sul, Sun City... Que saudade!! Cape Town é linda também, adorei!! Bom, divirta-se muito e já estou ansiosa para o próximo post da Austrália. Bjs.

Isabel Badillo disse...

Mi querido Antonio,
En español se dice que vago…. Osea que andas viajando por todo el mundo, te felicito….manda mas fotos de Africa
Isabel Badillo (México)

Danyelle Monteiro disse...

Boa noite professor,
Lembrei de um filme (O jardineiro fiel) que denunciava o poderio dos laboratórios multinacionais, os quais utilizavam africanos miseráveis como cobaias para testar novos medicamentos e pior, há evidências de que a cura para muitas doenças já foram a muito tempo descobertas e encobertas até hoje... trágeis especulações se é que podemos assim chamar... copa do mundo, claro, tudo para atender a "nata" mundial e suas necessidades futebolísticas, agora imaginemos o que acontecerá na copa do mundo aqui do Brasil, como não ficará a cidade da copa aqui em São Lourenço da Mata, o que não vai surgir não é mesmo? Igual como quando o papa recentemente veio ao Brasil, expulsaram os mendigos, pintaram muros que faziam parte do percurso que o mesmo iria fazer... o mundo é assim professor, ou viramos existencialistas ou hedonistas, pois é realmente difícil manter um equilíbrio num mundo desequilibrado.
Grande abraço,
Danyelle Monteiro

Roberto Moraes disse...

Caro Girley,

Muito bom. Tenha uma boa estada na Austrália e
um bom regresso ao Recife.

Um abraço, Roberto Moraes

Wirson Santana disse...

É isso aí amigo Girley
Como é bom viver e fazer o que gosta
Como conheço você há 38 anos
E desde aquela época já viajava muito
Volto a dizer: Viva e faça o que gosta
Wirson Santana

Amusa Freitas disse...

Olá amigos! Fiquei feliz com as notícias e espero que curtam bastante e continuem acessados conosco. É maravilhoso viver a distância a história maravilhosa da AFRICA,como também apreciar a beleza das cidades.
Fiquem com Deus.
Um grande abraço, Amusa

Fernando disse...

Girley amigo o classifico como Cidadão do Mundo. Não só pelas suas constantes viagens, mas pelo seu interesse, e mais ainda, em nos transmitir suas impressões e abalizadas opiniões.Mesmo em viagem nos matém informado de tudo,proporcionando assim que mesmo permanencendo em nosso habitat caminhemos juntos...Fico entusiasmado com suas novas e alvissareiras noticias, e em especial, pelo desenvolvimento deste sofrido e esquecido Continente, principalmente da Africa do Sul.Feliz um Pais que tem um Lider do nível e da honradês de um Nelson Mandela. E o mais Importante que o seu Povo o estima, admira e respeita.Espero que um dia !!! cheguemos a um patamar se não igual, pelo menos aproximado.Boa Viagem com a Familia em direção a este outro grande Pais, a Austrália. Depois da saúde e da Paz interior nada melhor e mais confortante do que uma Viagem, seja a onde for. Transmita a todos meus cumprimentos e para você um fraterno e forte abraço,Fernando da Costa Carvalho