segunda-feira, 1 de setembro de 2008

CONCERTO NA SERRA

Uma das boas coisas de Pernambuco se chama Gravatá. Pertinho do Recife (pouco menos de 80 Kms.), 45 minutos de boa rodovia, depois dos quais já se respira ar puro de montanha. Situada no alto da Serra das Russas, em pleno Planalto da Borborema, a cidade se encontra a uma altitude próxima de 500 metros, ocorrendo alguns pontos, no seu entorno, com até 700 metros. Estive por lá neste fim de semana.
Sábado passado algo deixou o local mais atraente do que o normal, por ocasião de um concerto de música erudita, a cargo da Orquestra Jovem de Pernambuco, sob a batuta do talentoso maestro Rafael Garcia, chileno de nascimento e pernambucano de coração e de direito, tendo o suporte da sua consorte, a pianista pernambucana, Ana Lucia Altino Garcia.
O local não poderia ter sido melhor: o Centro de Convenção do excelente Hotel Portal de Gravatá, dirigido, competentemente, pelos irmãos Cavalcanti, um deles, o Eduardo, amante da música clássica e um dos responsáveis pelo concerto deste fim-de-semana. Que, aliás, é bom lembrar teve apoio cultural e decisivo da Petrobrás. Bravo!
Imaginem uma noitada, na qual se juntam fatores que resulta, inevitavelmente, em sucesso: clima de montanha, música deslumbrante, conforto de instalações e, no final, uma boa fondue regada a um bom vinho. E “papos cabeça”!
Essa Orquestra Jovem de Pernambuco merece um especial destaque nesta conversa de hoje. A origem do Grupo data de meados dos anos 80, por iniciativa do casal Garcia e formado com jovens, na sua maioria, originários de vários projetos de assistência social à comunidades pobres da cidade e, consequentemente, de famílias de baixa ou baixíssima renda que, estrategicamente encaminhados, encontraram na música uma razão de viver, abandonando a rua e a marginalidade. Eis aí, de cara, uma razão para admiração e aplausos. Muitos já se tornaram músicos profissionais, inclusive contratados por grandes orquestras, noutras praças. Bravo, outra vez!
O projeto foi interrompido algum tempo, porque os Garcia tiveram que se afastar, por bom período, para os Estados Unidos. Retomaram a idéia no ano de 2005. Pois bem, apesar de tão pouco tempo dessa reativação, a moçada que compõe a orquestra atual reagiu de modo extraordinário e hoje, como diz o emocionado Rafael Garcia, se constitui na melhor orquestra de câmara do estado de Pernambuco. Trata-se de um projeto digno de admiração que, para minha surpresa, não recebe apoio de nenhum nível de governo, o que é lamentável.
No programa de sábado, em Gravatá, a seleta platéia foi brindada com obras de Mozart, Bach, Clóvis Peixoto e Astor Piazzola. Um programa, que eu diria, escolhido a dedo, para agradar a uma assistência muitas vezes carentes desse tipo de musica e numa cidade que raras as vezes tem a oportunidade de assistir a um concerto de música erudita. Foi de “lavar a alma”...
Aliás, por falar em lavar a alma, vale à pena um destaque, dentro deste maior: a garota Karolyne Santos, que, com 9 aninhos de idade, deu um verdadeiro show, tipo gente grande, executando ao violino o Concerto para Violino e Orquestra em Lá Menor, de Bach. (Foto ao lado) Para este caso, da menina, vou usar um termo antigo: mimoso. Essa menina aprende violino desde os 5 anos de idade. Tímida, séria, acredito que tensa diante da platéia, reagia aos aplausos sem mover um só músculo da face. Para agradecer os aplausos curvava-se solenemente, como uma japonesa diante do publico. No final, perguntei: “minha filha quantas horas, por dia, você exercita seu violino?” Escutei, num tom bem baixinho, com uma boquinha bem apertadinha, “2 a 3 horas durante a semana e 5 ou 6 horas nos finais de semana...” Para quem já criou três filhos, irrequietos, fiquei pensando como pode ser essa criança... sim, porque ela é uma criança, ficar presa ao violino tantas horas da semana? Sem brincar de “pula-pula” ou de “pega”. Nem de boneca? Será? Incrível. Se essa garota conseguir progredir na musica, como eu imagino, recomendo aos amantes da boa música, que guardem esse nome, misto de estrangeirismo e brasileiro comum.
Belo, meu fim-de-semana na Serra das Russas. Aplausos aos Garcia pelo belo trabalho que desenvolvem.

Nota: Foto da autoria do Blogueiro

6 comentários:

Anônimo disse...

Mais um PARABENS.

Marletti

Ana Lucia Altino disse...

Meu caro,
obrigadíssima pela linda crônica. Muito boa mesmo. Muito gentil de sua parte. Rafael também gostou muito e pediu para lhe agradecer.
Bjos
Ana Lúcia Garcia

Carlos Castelletti disse...

ôôôôô girley!!!
nao me faça inveja!
quando tiver um programa desses "me avisa" - sao tao poucas essas oportunidades...
essa orquestra é de fato muito boa, vale cada noite do festival de inverno, quando se apresenta na igreja matriz
vejo os garcia como uns abnegados pela musica classica
abracos
Carlos Castelletti (Garanhuns)

Anônimo disse...

Gravatá é tudo de bom. Clima, comida, vinhos, ar puro. E tudo pertinho.

Eduardo Cavalcanti (Portal) disse...

Girleynão só vie , como já passei para muita gente que convidamos e não apareceram,só para fazer inveja.seria possivel usar aquele texto maravilhoso no site do portal?neste ultimo mes de agosto , foi de musicas de qualidade em Gravatá, pois veja só : orquestra criança cidadã,orquestra filarminica da Limeira (Gravatá),orquestra de camara de Granada (Espanha) e orquestra jovem de Pernambuco,já estou trabalhando para trazer uma outra e fazer o festival de Jazz em outubro ou novembro.
abraços
eduardo e familia portal

Cris - criss.ferraz@hotmail.com disse...

Parabéns Girley! Com certeza um blog interessantíssimo.