terça-feira, 5 de fevereiro de 2008

RECIFE MANDOU ME CHAMAR...

Quase nunca assisto aos desfiles de escolas de samba do Rio de Janeiro, pela TV. Acho que são sempre repetitivas. Plumas, paetês, mulheres (bonitas, claro!) sob os holofotes e depois virando celebridades nacionais. Coisa pré-fabricada. Uma coisa batida e chata, no final de contas.

Este ano, porém, movido pela propaganda do desfile da Estação Primeira de Mangueira, trazendo como tema uma homenagem ao centenário do frevo e ao Recife, resolvi segurar o sono e fiquei até as 3 horas da manhã ligado na TV, para conferir. Tive que aturar outras quatro escolas, incluindo Salgueiro e Portela, esta última excelente.

Arrependido, não fiquei. Mas, decepcionado sim. Não entendo de desfiles de escolas de samba. Não sei criticar baterias, evolução e alegorias. Esta não é minha praia. Mas, como leigo e conhecedor das coisas da minha terra, tenho minha opinião. Vamos lá.

A impressão inicial foi de ver 4.000 pessoas, quase aos empurrões, tentando cadenciar um samba, com gritos de frevo, em alguns momentos. Tudo bem, a letra do samba enredo levava a isto. Era boa e chegou a levantar a arquibancada. Ainda que sob chuva forte.

Mas, o que mais me impressionou, razão da decepção, foram as explicações dadas para as alegorias, feitas pelos repórteres da emissora de TV, baseadas, com toda certeza, em releases fornecidos pelos que fazem a Escola. Fizeram uma salada danada das coisas recifenses. Licença poética? Talvez. Mas, podia ter sido um pouco mais fiel à realidade. Acho que faltou assessoria ou o carnavalesco é mesmo voluntarioso.

O Zé Pereira apareceu de frente, causando imensa surpresa aos críticos cariocas convidados a dar pitacos, durante a reportagem. “Não entendo como o Zé Pereira, que é uma característica do carnaval carioca, foi bater lá em cima, no Recife”, disse um deles. Pobre coitado, precisa saber que essa figura é tradição do carnaval brasileiro, como um todo, e Recife é no Brasil!

Logo a seguir, num dos carros alegóricos resolveram, para minha surpresa, reproduzir um famoso bloco recifense, denominando de Dragões do Carnaval que, segundo eles, sai todo ano anunciando a folia. Era uma alegoria de efeito, mas pura invenção do carnavalesco da Mangueira. Andei perguntando, hoje, a um e a outro, de onde esse bloco sai. Ninguém soube me dizer. Taí uma nova idéia para o próximo carnaval.

O Teatro de Santa Isabel foi mostrado de uma forma que não lembrava nossa tradicional sala de espetáculo. Tudo bem. Era, apenas, uma alegoria. Pior foi ser apresentado como palco do famoso baile do Bal Masqué, o mais antigo de carnaval do Brasil, que, na verdade, é promovido pelo Clube Internacional do Recife.

Os bonecos gigantes de Olinda, que poderiam ter sido mais bem explorados, apareceram en passant, atrás do carro do Zé Pereira e no fim do desfile, com figuras mal feitas, nada comparável com que se encontra no carnaval de Olinda. Eram poucos e traziam figuras desconhecidas. Apenas o Homem da Meia Noite e talvez Capiba.

Mais adiante, cometeram um falha imperdoável, ao negar a existência dos blocos líricos, incluindo numa ala figuras fantasiadas, portando guirlandas de flores, para lembrar o Bloco das Flores, como sendo um tipo de bloco que não existe mais, afirmando inclusive que era uma coisa dos anos 20, do século passado. Francamente. O que dirão os componentes de blocos como o Bloco de Saudade, Um Bloco em Poesia, o próprio Bloco das Flores, Bloco das Ilusões, Pierrôs de São José, Cordas e Retalhos, entre outros.

O carro que pretendeu mostrar o maracatu foi muito fraco. Não convenceu. E os caboclos de lança, do maracatu rural, foram postos timidamente. Quase não apareceram. São coisas interessantes e fáceis de serem exibidas e que, terminaram à margem do desfile. Uma ala de muitos caboclos de lança, com seu colorido e chocalhos teria sido de uma plasticidade inesquecível.

Por fim, o ícone do moderno carnaval do Recife, que é o Galo da Madrugada, por pouco ficou fora do desfile. Apareceu, digamos numa menção pouco honrosa, no final de tudo, depois do último carro, em homenagem a Cartola (que faria 100 anos, se vivo fosse). A idéia foi a de encenar uma visita do carnaval recifense ao Morro da Mangueira. Era um galo mixuruca e sem graça alguma. O carnavalesco perdeu a chance de colocar na avenida um gigantesco galo - a exemplo do que se coloca todo ano na ponte Duarte Coelho - e uma ala com componentes fantasiados de galo. Acredito que teria sido sensacional. Que falta de imaginação! Que falta de assessoramento, repito.

Mas, como toda regra tem sua exceção e para salvar a pátria, um elogio seja feito à chamada comissão de frente, formada por crianças da periferia do Recife, da Escola de Frevo Fernando Borges, que preparada pelo coreógrafo Carlinhos de Jesus, fizeram bonito na Sapucaí. Trata-se de um feito, porque não é fácil dirigir jovens, crianças até, que certamente nunca haviam saído do Recife, jogá-los diante de uma monumental platéia, para fazer o que fizeram.

E pensar que, para tudo isto, saiu dos cofres da Prefeitura do Recife a bagatela de R$ 3 Milhões. Francamente. Por 80 minutos na mídia, alta madrugada. Sei não. Queria saber qual foi o índice de audiência registrado, naquela hora.

Para encerrar, devo frisar que fiquei mais tranqüilo com minha avaliação, após a divulgação da pesquisa interativa com o telespectador feita pela emissora de TV. A nota não foi nada agradável. A Mangueira ficou entre as duas de mais baixas medias na noite. Vamos ver que o acontece na quarta-feira de cinzas, afinal tem gosto para tudo.

Mangueira mandou chamar o Recife. Muita gente foi, sambou, tomou um banho de chuva e não deve ter percebido essas falhas. Ainda bem que eu não fui.

6 comentários:

Celina Hutzler disse...

Girley,
Concordo com suas avaliaçoes sobre o desfile de Mangueira, Com toda minha pernambucaneidade, o da Portela é que estava lindo.
Continue avisando qdo saem os blogs.
Celina

Leo disse...

Girley. Faço minhas as suas palavras. O quê dizer do Teatro Sta Isabel? Os tais dragões nunca ouvi falar. Os bonecos, melhor teria sido levá-los de Olinda, assim como um grupo do maracatu de caboclos de lança. Iam dar um show. Quanto aos comentários, sem comentário.Finalmente, um belo fracasso.Melhor ficar comemorando aqui mesmo os 100 anos e doar os milhões às agremiações locais. É isso aí. Leony

Brayner disse...

Girley,
Por certo com muita educação você viu um Recife descaracerizado no samba televisivo, um "criolo quase doido" inventado pelos que comandam sem sensibilidade a Prefeitura do Recife.
Fiquei triste creia, fiz a mesma coisa, interrompendo meu sono, ví um Recife se espatifando em informações mal divulgadas e até equivocadas como vc registrou em seu blog. A chuva "chorou" pelos Pernambucanos em pleno Rio de Janeiro no canhestro espetáculo.
Ninguém por certo assumirá os erros cometidos e tudo bem, será assim. Já passou, apaga a vergonha e o que gastamos, nenhuma autoridade Brasileira é presa por desmandos ou por qualquer bobagem feita.
Esse será mais um caso a ser analisado mais tarde.
Não faltou nem faltará quem dará tapinhas de parabéns ao Chefe João Paulo e seus Secretários Recifense, pior, ainda acharão que; se alguém vier falar mal uma patrulha se encarregará de calar a voz solitária. Creiam.
O dinheiro empregado terá por certo uma pequena montanha de desculpas e depois o esquecimento da população na "chanchada" que assistimos.
Não gostei! Depois perguntei a algumas pessoas se o Recife merecia ser mostrado daquela forma.
A Rede Globo foi falha e mais, na chamada da TV o nome do Recife sequer apareceu, por certo avaliaram que se havia dinheiro para Escola de Samba, deveria ter algum "cachet" para veicular no GLOBELEZA.
Entretanto, Rede Globo tem sido um grande e inestimável aliado de Pernambuco. Mas, falhou também!
Aparentemente tudo passou dasapercebido.
Entretanto, questões mais políticas podem ser cobradas com mais ênfase da Administração petista caótica em que assistimos diariamente.
O "valor do metro quadrado" do nosso "calçadão" em Boa Viagem, será motivo de denúncias e reportagens, para um jornalista sério. Não agora, e sim mais tarde, é assim que agimos infelizmente. Erradamente.
Os remédios estão faltando em nossos hospitais para a população que necessita tê-los para continuar vivendo. Um escárnio.
O pagamento de grandes artistas absurdos para cantar no Carnaval o FREVO de Pernambuco, sem nada ter com as nossas raízes, sequer cantam Frevo. Veja quantos.
As verbas para nossos carnavalescos mirradas e sofridas para serem conseguidas, é um desaforo de planejamento cometido contra nós mesmos Pernambucanos/Recifenses.
Não bastasse lembrar, Sandy e Junior. Um outro escandalo abafado, o "DJ" que ganhou uma fortuna da Prefeitura para se apresentar pondo música eletrônica no Marco Zero.
O valor do projeto do Parque Dona Lindú.
É uma ofensa o que será perpetrada pela Prefeitura a Vultos como Frei Caneca por exemplo e aos nossos arquitetos e artistas capazes.
Para aqui em seu Blog Girley, ter pouca coisa para falar e chamar a responsabilidade de que as tem.
O PT e sua administração precisa ter noção de que Pernambuco não é um reduto caótico e de fácil "lavagem das suas memórias" ao ponto de merecer um "calar" dos homens preocupados com este Estado.
Pernambuco é o Leão do Norte, enquanto há projetos e fatores de desenvolvimento a ser construídos, não se deve aceitar o comando denunciável de autoridades politiqueiras, sem que o povo seja ouvido.
Façamos os cálculos: onde empregar R$ 3 000 000,00 em obras sociais.Onde? O povo e as nossas praças por exemplo, se fossem melhor tratadas.
Para ter uma pequena idéia, se investissimos R$ 8 000,00/cada em moradia super-popular
o dinheiro aplicado numa escola de samba do Rio de Janeiro dariam para ser construídas 375 casas, ou sejam: abrigariam se em média houvesse 4 pessoas por casa 1 500 pessoas num município que tem uma população de 1,5 milhão significaria 0.1 % de pessoas assistidas.
A escola de samba do RJ apenas ampliou as denúncias de trafêgo de drogas e o dinheiro do RECIFE pode não ter tido essa serventia, claro, mas também não ajudou no Recife a quem votou no PT com certeza absoluta.
O Prefeito João Paulo poderá dar explicações? Claro!
O Carnaval do Recife foi um fiasco no sambrodomo do Rio de Janeiro com seus três milhões de reais.
Diz também que pagamos alto, muito alto nossos IPTUs, Tapa buracos, Iss e outras taxas "malassombradas" que perseguem o cidadão Recifense e Pernambucano, incluindo as multas de Trânsito que agora tanto colaboram com a vergonha dos Pernambucanos.
Estamos tão enchovalhados quanto descrentes de ter o Recife uma Administração que todos poderiam esperar como de melhor direcionamento. Não o é!
E quem votou neles, estará arrependido? Vamos refletir!
Brayner

Mauro Gomes disse...

É lamentável que o dinheiro dos recifenses seja tão mal empregado. João Paulo segue de perto os passos do seu companheiro Lula que financiou a ida do astronauta brasileiro para o espaço como forma de promover o seu governo. A Mangueira por pouco não foi rebaixada, isso mostra a coerência do seu artigo.

Ana Maria disse...

Girley, eu tenho certeza que você daria um bom jurado de qualquer escola de samba, de frevo ou do que quer que seja. Você além de inteligente tem discernimento. Esses 3 milhões gastos ficaram entalados na garganta de muita gente, inclusive a minha, porque votei nesse metido a sabido.
ana maria

Lapa disse...

Amigo Girley, tive a mesma impressão. Faltou estudo sobre o tema carnaval do Recife, faltou tudo. Sobrou dinheiro. Somos ricos. Puro delírio do prefeito. Teve o que sempre procura, seus 15 segundos de fama. JLapa.