sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Apreensão Global

Há oito anos, quando os norte-americanos elegeram Barack Obama presidente da república, uma onda de otimismo e esperança varreu o mundo, mergulhado, naquela ocasião, numa tremenda crise econômica, provocada pelo próprio país que ele governaria dali pra frente. Com proposta democráticas e didaticamente bem postas foi tudo quanto se desejava naquela época de incerteza. E, como fato emblemático, o inusitado de se tratar de um negro ocupando a Casa Branca e se tornando o homem mais forte do planeta. Em se tratando de Estados Unidos isto foi um espetacular tento social. De fato, está se completando um tempo de governo relativamente tranqüilo e bem avaliado e que já começa a deixar saudade. Governando com minoria nas casas do Congresso, Obama foi político o suficiente para se sair bem no filme. O Mundo, a estas horas, tira o chapéu para esse negro bonachão e carismático que com uma família bonita e bem estruturada encerra, neste momento, um período de governo bem sucedida. Se não conseguiu tirar, totalmente, o país da ressaca da crise de 2008, pode se considerar que apontou estratégias para esse alcance. Já há sinais de recuperação, a taxa de desemprego tende a cair e o crescimento econômico vem sendo alcançado passo a passo. No âmbito externo teve atuação louvável, sendo bem recebido por todos os lados, não obstante haver de lidar com os conflitos devidos a onda de terrorismo, ao famigerado Exército Islâmico e as ações beligerantes no Oriente Médio. 
A bem estruturada Família Obama
Ao contrario do panorama acima descrito, o que se vive no momento é uma apreensão global diante do recente resultado das eleições com vistas à escolha de um novo “inquilino” para a Casa Branca. A inesperada vitória do magnata Donald Trump, abalou o mundo e, se a explosiva bateria de propostas de campanha desse eleito vier a ser implementada, o mundo que se prepare para um tempo de turbulência político-econômica pouco desejada neste inicio de século 21.
Empresário de sucesso, capitalista visceral, perfil exacerbado de extrema direita, sem qualquer experiência política e exercitando um discurso populista do anti-político e nacionalista, esse cidadão driblou meio mundo, começando pela força da situação do Partido Democrata, os analistas políticos internacionais, os Institutos de Pesquisas e até boa parte do seu partido Republicano e conquistou a vitória.

É quase inacreditável que os Estados Unidos possa a vir a se fechar para o mundo como Trump prega. Será um surpreendente retrocesso do tradicional modelo político Yankee. Abandonar o Tratado do Atlântico Norte, se aliar aos russos de Putin e construir muros divisórios na fronteira com o México, para impedir a entrada de imigrantes, além de deportar os milhões de estrangeiros espalhados pelo seu território e perseguir os mulçumanos impiedosamente são outros planos de seu governo.
No âmbito econômico, o Senhor Trump ameaça dar tiro mortal em tudo quanto contribua para a globalização econômica que se instaurou no passado recente –  com ativa participação dos States – ao querer suspender a participação do país nos acordos de livre comércio (odeia a ALCA), cancelar acordos de comércio internacional assumidos por seus antecessores e impor restrições a importações de produtos que venham prejudicar a produção estadunidense. A ordem de Trump é construir um país mais forte e para os norte-americanos. Esse discurso, inclusive, fez sucesso nas camadas de desempregados, que ainda são muitas, e nos setores empresariais desbancados pela concorrência competente de produtos importados. A China que se cuide.
Ah! Outra coisa: sem acreditar na tese do aquecimento global, fez promessas – em tom irônico – de que vai se afastar das cúpulas que discutam o clima e vai retirar os Estados Unidos do Acordo de Paris. Pense que “lapa de doido”. Coisa de quem nunca atuou no campo político.
Esse inesperado quadro não passava pela cabeça de qualquer cidadão de são juízo. Vive-se, portanto, uma apreensão global.
A expectativa agora é que essas idéias tresloucadas encontrem fortes barreiras nos meios políticos internacionais e doméstico, a começar pelo próprio Congresso Americano, ainda que composto por maioria do partido dele. Aliás, o povo já vem protestando nas ruas das grandes metrópoles norte-americanas.
Bom, coisas como esta não passam em branco em determinados setores da comunidade internacional e essa onda nacionalista de Trump, confere fôlego no meio do mundo, haja vista a saída do Reino Unido da União Européia, com o resultado do recente Brexit e a intenção velada de outros países de seguir o mesmo caminho. Já ouvi rumores de movimentos na França e na Itália. Isto sem falar na Grécia que já esteve bem balançada.

Aguardemos para ver a História acontecendo.     

NOTA: Fotos colhidas no Google Imagens

9 comentários:

Valery Vieira disse...

Falou muito bem primo.
A situacao ainda e bem pior pelo que estamos presenciando.
É uma caixa de Pandora tenha a certeza.
Bj😘💜

Elda Galvão Diniz disse...

Pelo pouco de conhecimento que tenho, ele quer brincar de presidente e aterrorizar o mundo... Que se cuide com o EI... pode ser mais um presidente assassinado...
Elda Galvão Diniz

Ana Maria Miranda disse...

Também acho esse Trump um irresponsável ao disser essas coisas cunhado, li seu blog e concordo plenamente , será um caos se tudo se efetivar .
Ana Maria Miranda

Almir Reis disse...

Caro Girley,
Como estive no EE.UU. bem próximo das eleições, estou é muito surpreso com a eleição de Trump. Para mim ele é um louco. Abraço - ALMIR REIS

Marco Petkovic disse...

Trump confirma uma tendência de posicionamento. Não é um fato isolado.

Adierson Azevedo disse...

Grande Guru e Amigo Girley,

Acabou de beber de sua sabedoria incomparável no post Apreensão Global acerca do inquilino que deixa a Casa Branca; assim como o que a ocupará a partir do dia 20/01/2017. Eu mesmo estou escrevendo um artigo sobre o mesmo tema para o meu blog AAConsulting (http://www.aaconsulting.adm.br/). Mas o mesmo ainda está em fase de rascunho pois estou em fase de comemoração do resultado acontecido.
Inicialmente, peço desculpas por fazer parte da maioria silenciosa que votou em Trump. Desde 2015, quando se lançou candidato, que venho defendendo sua candidatura.
.............

Mas porque Trump assusta o mundo? Eu não sei. Durante toda minha vida, vi manifestantes gritando e bradando FORA GRINGOS, FORA FMI, FORA EUA, e coisas do gênero. Do Brasil ao Oriente Médio, esses gritos eram os mesmos. Quando fazia Mestrado na Inglaterra, vi duas colegas americanas sendo humilhadas por serem americanas, num PUB em Birmingham. Estavam assistindo o presidente do grupo Disney tentando ler um discurso em francês. Não viram que o sujeito estava tentando ser simpático, e o chamaram de burro, e de como os americanos eram todos uns idiotas. Foi quando cheguei e disse a todo o grupo: "Vocês sabem de uma coisa, o americanos são realmente burros. E pode colocar os brasileiros no mesmo grupo. Nós nos sacrificamos e morremos aqui na Europa pra libertar um monte de gente que só queria, no final das contas, falar alemão".....kkkkkkkkkkkkkkkk Peguei minhas amigas americanas e caímos fora daquele PUB.

Pois bem, depois de uns 50 anos de FORA GRINGOS, agora que surge alguém que quer cair fora do mundo e olhar para dentro do próprio país, eis que isso é chamado de isolacionismo, xenofobia, preconceito, misoginia, etc.....kkkkkkkkkkkkkkkk Ora, não foi isso o que pediram? Agora, todos aguentem!! Trump vai dar aquilo que todos queriam faz tempo. Os EUA vão voltar-se para dentro e vão sair de todos os acordos onde o interesse nacional não esteja em primeiro lugar, algo que todos os chefes de estado deveriam ter em mente. Ou será que nós brasileiros devemos louvar as doações do Sr. Lula de patrimônio nacional??

Viva Trump!! Go Trump!!
Adierson Azevedo

Susana Gonzalez disse...

Esta el barco en el mar, en este momento sin nadie en el timón, a medida q se va conociendo la tripulación empezaremos a ver el rumbo y entonces, quizás, nuestros gobernantes y todos los interesados tomen sus propias medidas. Sin embargo, el q sea, no es un mundo mejor, debería ser el momento q todos nos detuviéramos a pensar q se ha hecho mal.
Susana Gonzalez

Miguel Abage Neto disse...

Brasil, China ,Oriente médio ,alguns países da Europa ,bastante apreensivos !
Miguel Abage Neto

Miguel Abage Neto disse...

Rússia e Israel ,adorando
Miguel Abage Neto