quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Ares de Setembro na Argentina

Um compromisso social levou-me, semana passada, a Buenos Aires, a bela e aprazível capital da Argentina. Mais de uma vez já manifestei, aqui no Blog, a satisfação que sinto ao retornar àquela cidade e o fato da mesma se constituir num dos melhores destinos que me tocam.
Compromisso à parte, ressalto a chance de observar a cidade em si e o clima reinante no atual momento político-econômico dos hermanos. Gosto sempre de fazer isto. Para tanto, conversei com pessoas comuns – taxistas, balconistas, recepção do hotel, operadores de turismo, garçons, operadores de cambio, recepcionistas em geral, entre outros – buscando reunir opiniões com vistas a um registro neste espaço. Naturalmente que estou falando de subsídios primários, porquanto carente de técnicas apuradas. Contudo, ouvir o cidadão comum é sempre um indicador revelador. 
Vamos lá: a cidade me pareceu muito mais animada, comparando com minha última visita, e, sobretudo, melhor ordenada. Desapareceram aquelas hordas de ambulantes/imigrantes espalhando seus produtos artesanais ou quinquilharias chinesas, sobre mantas, nas ruas do chamado microcentro, que é a área histórica da cidade. Aquilo de antes conferia um aspecto de desarrumação e decadência sem tamanho preciso e justo na zona mais atrativa da metrópole. A famosa Calle Florida era o máximo do desmantelo, quando estive por lá nas últimas vezes. Não faz tempo. Apenas dois ou três anos. Hoje, não. O microcentro foi repaginado, melhor urbanizado, limpo, livre dos camelôs e recuperado na melhor forma, tal como no passado. E aparentemente mais seguro. Conheço Buenos Aires desde os anos setenta e pude acompanhar essas transformações com seus altos e baixos. O quadro atual é, indiscutivelmente, o melhor que já vi. Fiação elétrica e de telefonia, que no passado eram aparentes e enovelados nos postes, desapareceram e, agora, correm em dutos subterrâneos em muitas artérias da cidade.  Dá prazer passear na “nova” Florida e nas ruas do entorno. Entre as boas coisas, é gostoso admirar as vitrines comerciais de bom gosto, as galerias e os Shopping Center.
Acima, vista parcial da elegante Galerias Pacifico, no meio da Calle Florida e
abaixo, vistosa vitrine, na mesma rua.

É verdade que ainda se vê, ali e acolá, um maltrapilho abrigado numa marquise e encoberto com uma manta se protegendo do frio. Mas, muito raro. Nada que se compare com o que se vê nas principais cidades brasileiras. Não há menores carentes nas avenidas, não há limpadores de para-brisas nos semáforos, nem pedintes ostensivos.
Rara imagem da pobreza renitente e sinais da oposição.
Quanto às opiniões colhidas sobre a situação político-econômica posso afirmar que no geral as pessoas consideram estarem vivendo um momento transitório, de muitos sacrifícios, inflação em alta e significativas privações de consumo. Contudo, há um sentimento de que, tudo sendo transitório como parece ser, aponta para momentos de alivio em futuro próximo. Todos sentem os efeitos positivos do Governo Macri, assegurando que foi a melhor saída para a crise gerada pela gestão dos Kirchner. Curioso foi o fato de que alguns interlocutores chamaram a atenção para o fato de que a mesma coisa acorre no Brasil, isto é, o impeachment de Dilma aponta para uma solução econômica para o Brasil e que isso pode ser benéfico para a Argentina, também. O país é um dos nossos melhores parceiros comerciais. Os analistas econômicos da região consideram que aquilo que for bom para o Brasil será bom para a Argentina.
Outro detalhe muito enaltecido pelos portenhos é o fato de que, enquanto governador da Buenos Aires, Mauricio Macri rearrumou a capital e isto serviu de senha para que fosse eleito. A esperança é de que arrume a economia nacional. Naturalmente que, sendo uma democracia, existem os opositores que têm “castigado” o Governo na melhor forma que podem. Faz parte do jogo político. O mesmo que ocorre atualmente no Brasil.
Para nós sul-americanos resta a esperança de que a paz e o progresso reinem nas duas maiores economias do Cone Sul do Continente.  
No mais, o que me tocou foi aproveitar tudo aquilo que Buenos Aires oferece aos visitantes. É admirável como não se observa engarrafamentos de trânsito, nem problemas de estacionamento de veículos e, durante o tempo que lá estive, não vi qualquer tipo de acidente de trânsito.
Uma das maiores atrações argentinas é a qualidade da gastronomia, calcada principalmente na carne bovina. São centenas de restaurantes que servem a famosa parilla que dá água na boca só em pensar. Um bife-chorizo ou um lomo regados a um bom Malbec não tem dinheiro que pague.
Imagem de um assador crioulo preparando um cabrito na brasa, ao chimichuri.
Suculento lomo (Filé mignon) que saboreei, regado com belo Ruttini
A outra grande atração é o tango. No meu humilde ver, um tango bem executado e bem dançado é uma verdadeira magia artística. Melancólico, por vezes, sofrência explicita, apaixonante sempre e sensual. Sim, porque todo tango tem forte dose de sensualidade! Nada mais sensual do que uma bela dançarina, pernas à mostra, arriada, pendurada tal como trancelim ao pescoço do parceiro, que, em troca, geme, carrega como se sustentasse uma pluma, se esfrega, provoca a parceira e, naturalmente, a plateia. E, quando a música para, colhe os aplausos dos espectadores. Longos num claro testemunho de estarem fissurados. Quando numa dessas plateias, não tenho outra saída a não ser clamar: “traz outro Malbec, garçom”. Tá bom! Chega, por hoje.         
          
NOTA: As fotos que ilustram o post são da autoria do Blogueiro

15 comentários:

Celia Labanca disse...

Amigo, parabéns. Seu texto, como sempre, muitíssimo bom. Suas observações, e críticas também. Me encantou você vendo e analisando como eu, que voltei de lá faz menos de um mês. Em Bariloche, o entusiasmo é o mesmo, e a cidade que cresceu muito está ordenada, e programada para receber bem seus turistas. Uma aula de infraestrutura, num país que se propõe a crescer. - Beijos

Sônia Canavarro disse...

Excelente seu texto amigo !!!

Francy Pimentel Gomes Guttierrez disse...

Buenos Aires estará sempre no topo das minhas preferências na América do Sul. .. a minha primeira vez em B.A. foi nos anos 70 e estive lá mais algumas vezes. Na última fiquei triste e decepcionada, mas depois do teu relato muito, de quem sabe o que diz, deu-me vontade de voltar novamente.... Parabéns pelo excelente texto, sobre aquela bela cidade....

Nena Burgos disse...

Parabéns querido amigo, seu texto está formidável, aproveitei e curti seus comentários, recordando da bela Argentina!

Syderia Moreda disse...

Texto muito bom.Porém fiquei curiosa pra saber a solução Macri para os desabrigados

Cabds Domingues da Silva disse...

Vidinha difícil com tantas e lindas viagens

Girley Brazileiro disse...

Amiga Syderia, na America Latina desabrigados é o que não falta. Imigrantes, desocupados e marginais nunca faltam. A Argentina não estaria imune a esta situação, muito embora tenhamos noticias de um programa de acolhimento do governo passado, com as características do que se faz no Brasil. Aliás o Cardeal Bergolio - atual Papa Francisco - manteve e acho que prossegue um programa de assistência às populações desamparadas de BsAs.
Não sei lhe dizer sobre as ações de Macri. Agora, se for inteligente deve dar atenção especial a essa parcela da população. Na Argentina há muito imigrantes bolivianos, peruanos e paraguaios em estado de mendicância.

Fernanda Pires disse...

Verdade Girley.
Lí o seu blog. Vc escreve muito bem.
Para mim e Zélia que vamos viajar também para Buenos Aires, foi maravilhoso!!! Valeu!

Vanja Nunes disse...

👏👏👏👏👏
Parabéns !!!
Boa tarde
É sempre muito bom lê seus textos
Fui agora a tarde à Argentina e assisti a um show de tango rsrsrs
Só não pedi o malbec rsrsrs
Vamos torcer que o nosso pais também consiga melhorar

Zelia Oliveira disse...

Exelente texto , muito informativo . Estou indo agora por lá e fiquei bem curiosa por ver à
Florida limpa , organizada e com todo charme que possui . Realmente há dois anos quando estive lá fazia pena o estado deplóravel que se encontrava .

Anne Elizabeth Valladares disse...

Caro primo,
Seu texto me transporta à querida Buenos Aires. Cidade que sempre descobrimos algo diferente,
que nos marca pela história política, pelos movimentos sociais, culturais, pela música expressiva e única ( o tango e suas milongas) ,
a gastronomia, os bons vinhos que descobrimos de tantas mesclas distintas!!!!
Parabéns pelo bom gosto e de nos manter informados da vida pulsante em B.A❤️
Beijos
Anne

Cristina Carvalho disse...

Adorei o texto. Traz uma descrição sensível de Buenos Aires, com pequenos aportes político -econômicos que não cansam o leitor. Texto leve, agradável de ler. 👏👏👏👏👏 para você!!!! 🌻

Thereza Leal disse...

Que bom Girley a Argentina está voltando a ser o que era,linda, arrumada,quando estivemos em 2010 estava muito suja mas mesmo assim aproveitamos bastante os restaurantes maravilhosos com bife de chorizo e a famosa parrilla olhando as fotos que você enviou ficamos com água na boca o show do Sr tango nos trouxe boas recordações, estávamos festejando 50 anos de casados Bodas de Ouro. OBRIGADA POR NOS FAZER RECORDAR TANTAS COISAS BOAS. Abraços dos amigos Thereza e Umberto

Leony Muniz disse...

Girley
Você sabe da minha paixão por Buenos Aires desde o tempo em que lá vivi e para onde retornei uma dezena de vezes. Quando estava lá e, durante muito tempo, não se deparava com um pedinte e o nível de vida era muito bom. Buenos Aires nos oferecia oportunidade para uma vida intensa sob os aspectos culturais, financeiros, etc. Fiz, ou melhor, fizemos grandes amigos que já nos deixaram.
Lembro da primeira Primavera: Frio, elegante desfile na Sta Fé, vitrines fantásticas com manequins ao vivo, isso sem falar nas flores repentinamente desabrochadas. Buenos aires era uma festa, um país do primeiro mundo, segundo as estatísticas da época. Problemas políticos, ditadura, descontrole na economia fizeram um grande mal a minha gloriosa ARGENTINA. Durante alguns anos fui testemunha das dificuldades das famílias, carentes das coisas mais simples,por exemplo, um Natal sem ceia nem presentes. As lembranças são muitas: Calle Florida, Calle Lavalle( ou beco da lavagem, segundo Margarida),Corrientes e tantas outras percorridas nas noites efervescentes. Como esquecer do Palácio de las papas fritas, La estancia, dos Cafés, dos teatros, do rico folclore, de San Isidro e tantos lugares acolhedores?
Obrigada amigo por saber do caminho de volta, dos passos que "Mi Buenos Aires querido" percorre para recompor a dignidade do seu povo, para orgulho da nossa América Latina. Um grande bijo de Leony

Arthur Carvalho disse...

Amigo Girley,

Não sabia que você era admirador de nosso hermanos.

Abraço,

Arthur Carvalho.