terça-feira, 9 de agosto de 2016

Uma Olimpíada à Brasileira



Assisti atento ao desenrolar da abertura da Olimpíada do Rio, na última sexta feira (05.08.16). Com um misto de expectativa e curiosidade a cada movimento, postei-me diante da TV e não perdi nenhum lance. Meu estado de espírito, naquela hora, deveu-se muito às inúmeras e muitas controversas  opiniões nas mídias locais e internacionais. Mais criticas ácidas do que otimistas. O descrédito acumulado pelo Brasil e, particularmente, pela cidade do Rio de Janeiro nos principais setores relacionados ao evento foi o que não faltou. Para cada “alerta” emitido, aqui e acolá, era motivo de pauta bombástica para a imprensa do mundo inteiro. Os principais meios norte-americanos e europeus não pouparam o Brasil. Fomos taxados de irresponsáveis, incapazes de realizar um evento de tamanha envergadura, ocorrendo momentos em que se sugeriu mudar de local, ocasionando o aparecimento de apressadas cidades aspirantes. Internamente, as correntes contrárias seguiram pelo mesmo caminho de oposição. Confesso que até concordei com a tese de que não estávamos em condições econômicas e, muito menos, clima político-social para assumir esse encargo. Mas, no final das contas, entendi que a coisa foi típico caso de “caminho sem volta”. Compromisso firmado e obras saindo do papel, não havia como retroceder. Aliás, acho até que desistir no meio do processo, como muitos defenderam, poderia ser uma atitude extremamente prejudicial à imagem do Brasil e da América do Sul, porquanto esta é a primeira vez que o certame ocorre no Continente.
Mas, muito bem... Com temores de ações terroristas, monumental esquema de segurança, repelentes contra o aedes-aegypti, com problemas de última hora na Vila Olímpica e, ainda, várias criticas das delegações mais exigentes, o evento começa naquela bela noite carioca e com um Maracanã recebendo uma das maiores assistências já vistas. O espetáculo começou e em poucos minutos o Brasil já mostrava ao Mundo a melhor forma de se fazer uma monumental festa, como só acontece no neste país. O Planeta passou a conferir o que é uma Olimpíada à Brasileira! Não foram poucos os elogios deflagrados, de pronto, nas redes mundiais de noticias. Repentinamente acabaram-se as críticas ácidas e como num mea-culpa vi sites estrangeiros reformulando suas opiniões de modo pálido a principio e, a seguir, com formas justas e adequadas como manda à boa imprensa. A repercussão positiva foi imediata. Pudera, ficou cristalino que fizemos um trabalho de imensa grandiosidade técnica (tecnologias de ponta), belo conteúdo plástico e cultural, além da participação retumbante do público presente e das delegações estrangeiras. Quase um delírio coletivo.
Mosaico de cenas da festa de abertura da Rio 2016
Aos poucos meus temores e minhas expectativas foram se esvaindo diante de uma demonstração de poder mostrar ao mundo – fala-se em 4 Bilhões de espectadores pela TV – o vibrar de uma Nação unida pelos laços do esporte. E quando digo Nação, falo do povo brasileiro! Excluo Governo ou instituições formalmente existentes. O vibrar daquele público ao cantar o Hino Nacional, as canções brasileiras mais populares e a aplaudir os representantes de outras nações a desfilar, numa contagiante ginga ao som das baterias do samba, ficarão inscritos na história das Olimpíadas.
Outro registro especial, também, para a História dos jogos olímpicos e que se constituiu numa lição de política ambiental para o Mundo foi a bela ideia de fazer com que todos os atletas presentes plantassem sementes de árvores a serem levadas para formação de uma nova floresta denominada, desde já, de Floresta dos Atletas Olímpicos. Pode ter sido um ato a mais naquela apoteótica noite, mas, tenho certeza, será sempre lembrado pelos grandes atletas do Planeta que por lá passaram, dado o forte simbolismo que encerra.
À parte disso e lembrando que nem tudo é perfeito, notei e ouvi comentários críticos a respeito da forma tímida e quase nula da representação das manifestações culturais e folclóricas  das demais regiões brasileiras naquele show de abertura. O que de fato foi passado para o público mundial é que o samba vem a ser o único ritmo popular brasileiro. Uma pena que tenham pecado nessa parte. Imaginemos o que teria sido o rasgar de um bom frevo pernambucano naquela ambiente tão gigantesco e eclético. São coisas de um país de dimensões continentais e com uma tremenda falta de integração social e regional. Apesar dos “esforços governamentais”, do imenso avanço das comunicações e das modernas facilidades de locomoção, o Brasil ainda não conseguiu romper a cultura de se comportar como sendo um grande arquipélago político-administrativo-social. As macrorregiões são sempre vistas como “ilhas” com traços próprios, culturas diferentes e separadas por muitos preconceitos inadmissíveis em pleno século 21.
A representação brasileira pilotada pela porta-bandeira pernambucana Yane Marques
Tudo bem e críticas à margem, o importante agora é capitalizar a exposição planetária que estamos tendo, não somente com o grandioso espetáculo de abertura oferecido, mas, sobretudo no desenrolar das competições que vêm ocorrendo nestes dias, num clima de sucesso indiscutível e numa vibração que a gente brasileira sabe propor e executar. É neste clima que espero pela consolidação de uma Nação de garra, que alimenta a esperança do progresso e da paz. E, por fim, como reza alguns versos do nosso hino nacional: somos um país “gigante pela própria natureza” e de um povo “que não foge à luta”.
Caros leitores e amigos desculpem meu ufanismo, mas, entendam que certas horas isto é preciso. Tenho orgulho de ser brasileiro. Inclusive no nome.       


Nota: Fotos obtidas no Google Imagens.

5 comentários:

restony ribeiro disse...

Amigo Girley, guardadas as devidas proporções e nossas idiossincrasias temos que de fato reverberar nossos feitos, aos trancos, mazelas mas existem virtudes e valores nacionais e patrióticos que devemos exaltar, pessoas, profissionais, atletas e empresas que estão acima dos problemas nacionais, o Rio vai ficar para a História ainda mais assim como o Brasil, abaixo o complexo de vira lata como já dizia o Pernambucano Nelson Rodrigues. Parabéns Rio

Marco Petkovc disse...

Amigo Girley. A principal sensação que tenho é a de que precisamos nos reencontrar com o orgulho de sermos brasileiros. E queremos ser mais do que grandes promotores de festas. Queremos ser verdadeiramente uma nação de 200 milhões de cidadãos participando efetivamente de nossa sociedade, com desejo e capacidade para buscar um país com qualidade de vida para todos.

Ernani Brasil disse...

Às vezes a variável política é insana, por pouco essa questão, que vem sendo usada de forma irresponsável, denigre nossa imagem, causa prejuízos econômicos monumentais, desestabilizam o governo, implanta um regime de insegurança tal, ao ponto de se pensar, de última hora em transferir um evento desse porte, para outra cidade. Imaginemos que se isso fosse definido de última hora. Que imenso problema iríamos ter que enfrentar.
Acho uma irresponsabilidade infinita, o que fazem hoje, por meras questões político-eleitorais, com o nosso querido Brasil.
Brasil este que, com muito orgulho carrego ok meu nome é no meu coração.
Ernani Brasil

Antonio Barbosa disse...

Suas comunicações são sempre benvindas, não só pelo conteúdo diversional, mas também e principalmente, pelo cultural

um abração

Antonio Barbosa

Silvio Leimig disse...

Excelente, Girley. Abraço forte
Silvio Leimig