sexta-feira, 28 de novembro de 2014

O Novo Recife Antigo

Por várias ocasiões andei criticando, aqui no Blog, o abandono que o governo municipal do PT deu ao centro histórico do Recife Antigo. Foram doze anos de desprezo e marginalização da fundamental área de atração turística da cidade. Nosso cartão de visita mergulhou numa profunda escuridão naquele período!  Na esteira do abandono agregue-se um mal maior que foi a falta de cuidado com o patrimônio arquitetônico e a falência do polo turístico antes ali instalado desde na década de 90 e centrado na Rua do Bom Jesus.
Mas agora as coisas mudaram. A atual administração municipal, com o decisivo apoio do Governo Estadual, desde que assumiu, em 2012, cuidou de recuperar a vida do Bairro histórico e trazer de volta a luz e a alegria devida. Surge um Novo Recife Antigo.
Tenho por aquela área da cidade a minha melhor admiração. Vejo ali o ambiente ideal para mostrar ao visitante, ou ao nativo, as origens da cultura e dos hábitos do recifense. É a história ao vivo, de um dos berços da civilização brasileira. O próprio cenário neoclássico formado pelas bem traçadas avenidas e ruas revelam uma urbe de características históricas bem definidas e que contam muito da grandeza do povo pernambucano. Abandonar aquilo beira as raias da loucura e da ignorância. Parabenizo a atual administração municipal pelo resgate que pode se considerar histórico.
Domingo passado tive a alegria de voltar ao Bairro. Encontrei um ambiente de festa e um povo esbanjando alegria e, o melhor, orgulho da sua cidade. Gosto muito de conversar com as pessoas, e fiz isto por onde passei e de forma aleatória. O ambulante, a tapioqueira, o varredor de rua, um garçom, o engraxate, o guarda municipal e, depois, pessoas que, como eu, curtem o local. A alegria está sempre estampada e o reconhecimento pela melhoria dada pela nova Prefeitura. Todos muito orgulhosos do que fazem, oferecem e como sentem por contribuir com o movimento. O varredor de rua me confessou que fica ansioso por ser destinado para limpar aquela área. “É mais animado, Doutor. O selviço fica mais leve!” Achei essa declaração emblemática. Em minha opinião, um povo tem que, necessariamente, ter orgulho da sua cidade. Há mais vida e mais equilíbrio social quando isto acontece. Sinto que pode estar acontecendo aqui no Recife, embora que ainda haja muito a ser feito, sobretudo nos subúrbios.  
Uma vez no Recife Antigo, fiz questão de circular na recuperada região portuária. Experimentei uma fantástica sensação de bem-estar e, claro, ufania pala minha cidade. Sempre achei que aquela faixa marítima devia ser transformada num dos points mais atrativos da cidade. Vejo que agora as autoridades acertaram no alvo. Restaurantes, bares, cervejarias, cafés e pontos comerciais começam a surgir daquilo que, dois anos atrás, eram pardieiros, antro de drogados, habitantes de rua ou simples escombros legados de um porto inviabilizado e condenados ao abandono, embora que numa área nobre. Os antigos armazéns estão transformados. O padrão é internacional e lembram os píers, molhes ou cais que podem ser vistos em cidades como Miami, Buenos Aires, Belém (PA), Cidade do Cabo, Lisboa, Auckland, Sydney, entre outras.
Essas novas instalações vieram se somar à Central de Artesanato e seu complexo de bar e restaurante, ao Museu Cais do Sertão e ao Paço do Frevo que já fazem sucesso, desde antes da Copa do Mundo. Bom lembrar, ainda, que vão implantar um hotel de luxo e uma marina na mesma área portuária. Como se diz, popularmente, “vai ficar o dez!”
Parei num café e recebendo a brisa do mar, que não para de soprar, admirei ao longe o Parque das Esculturas de Francisco Brennand montado nos arrecifes e o ir e vir dos catamarãs lotados de turistas em busca de um novo olhar sobre a cidade dos rios e das pontes.
Você que ainda não andou por lá, vá correndo porque este Novo é motivo de festa. 

NOTA: Imagens obtidas no Google Imagens

 

5 comentários:

Regina Dubeux disse...

Estivemos lá, Anita e eu, mas acho que foi no domingo retrasado. Tinha feirinha japonesa. Vimos a exposição de Miró - grande Miró! - no espaço cultural da Caixa Econômica e, muito bom mesmo, foi ir ao Museu do Sertão. Recomendo, aos que ainda não viram o museu do Sertão, que, antes de entrar no espaço propriamente dito do museu, passem antes pelo portal de entrada e assistam à preparação para ingressar no salão do Museu. Essa prévia significa um vídeo de uns 15 minutos onde, numa sala em formato de meio-ovo, com paredes de pés direito bem elevados, adentra-se virtualmente pelo Sertão, através de telas gigantescas, ouvindo o linguajar dos povos locais, suas histórias, músicas etc. Aparece, como não poderia deixar de ser, o município de Exu, como se os presentes estivessem lá. Muito bom.

Vanja Nunes disse...

Girley

Já disse a você que gosto como você escreve, e neste eu compartilho da mesma opinião tão bem demonstrada, com a emoção de um bom escritor, que escreve com o coração.
Um bom final de semana

Vanja

Girley Brazileiro disse...

Bondade sua amiga Vanja.Fico honrado tendo vc como leitora. Volte sempre ao Blog do GB.

Danyelle Monteiro disse...

Os olhos se voltam ao centro do Recife e é facilmente perceptível pelos investimentos que estão sendo realizados não só no Recife antigo, mas na rua da Aurora, Conde da Boa Vista... a caminho e proximidades da UFRPE também podemos visualizar alguns investimentos e sim, ainda há terrenos em Recife, em bairros valorizados, inclusive nas proximidades dos bairros contidos na Lei dos 12 bairros...

Susana Gonzalez (Mexico) disse...

Es una belleza, comodice mi hijo el espíritu del buen vivir, y desde luego que eso se convertirá en beneficios, pues hará de la ciudad un lugar estratégico de turismo, tienen una oportunidad mas para hacerla más popular en el mundo, en las próximas olimpiadas. Felicidades y yo tengo que ser una de las próximas visitantes.
Susana Gonzalez