quarta-feira, 19 de junho de 2013

Foi danado, visse!

Fui ao primeiro jogo da Copa das Confederações aqui no Recife. Espanha contra Uruguai. Jogão com a vitória da campeã do mundo de 2010. O estádio Arena Pernambuco, que me manifestei contra desde o primeiro momento em que foi anunciada, e não mudei de opinião, é de fato uma beleza. Por fora nem tanto. Tem linhas arquitetônicas bem comuns e não me agradou. Mas isto é uma questão de visão pessoal. Tudo bem, porque, lá dentro me pareceu próxima à perfeição. Um belo cenário aos olhos de quem está acostumado aos estádios “chiqueiros” da cidade, construídos à base de arranjos pobres e remendados com puxadinhos inseguros.
Se como estádio de primeiro mundo nossa Arena agrada, o mesmo não posso dizer sobre a logística complicada que tive de enfrentar para chegar até lá. Passei exatas quatro horas para aboletar-me na cadeira que comprei. Cheguei exausto, aborrecido e prometendo não voltar. Enfrentei filas descomunais. Na primeira, no Shopping Riomar – para comprar uma passagem de ônibus que me levasse à estação central do Metrô – calculo que havia pelo menos 500 pessoas na minha frente. Foram 50 minutos de espera. Outra fila para entrar no tal ônibus, que recebeu o charmoso titulo, em inglês de shuttle service. No Metrô, finalmente, embora a avalanche de gente, pensei que estaria quase lá. Que nada! Foi um longo percurso de 13 estações. Locomoção lenta devido ao excesso de trens em circulação e lá se foram mais 50 minutos. A 13ª parece um arranjo malengembrado e construído de última hora. Um corredor apertado no qual os maledicentes aproveitaram para uma infregação tipo semquererquerendo. (Vide foto a seguir).
Depois do metrô, outro ônibus! Tive vontade de desistir. Para coroar a jornada, quando pensei que seria deixado na porta da Arena, tive que caminhar por aproximadamente 900 metros, no meio de um descampado, lamacento, escuro, cheio de metralhas deixadas pelas construtoras, lixo espalhado pelo caminho e numa espécie de maratona correndo para chegar na hora da partida. Parecia um bando de loucos pelo futebol, com ares de que o mundo iria se acabar dentro de vinte minutos e o estádio seria o abrigo seguro. Nem vou falar sobre a volta. Sai antes do gol do Uruguai, pelo qual torci. Foi danado, visse!
O que vi naquele domingo passado (16.06.13) não se constituiu em surpresa para mim. Quando falei anteriormente sobre o projeto, (leia isto em http://gbrazileiro.blogspot.com/2009/09/megalomania-pernambucana.html ) imaginei que coisas como as que pude conferir seria bem possíveis. Um estádio implantado no meio do mato, com vias precárias, ambiente rural por excelência – vi vacaria à margem do caminho – exigiria uma infraestrutura grandiosa, compatível com a envergadura da praça de esportes desenhada e de altíssimo custo. Dizem que na conta final vai somar R$ 700, 0 Milhões. Pernambuco não tem condições para tanto. Para completar, a pressa de concluir o projeto para colocar o estado no calendário da Copa das Confederações só fez expor mais ainda a dificuldade de preparar a região do entorno. O que vimos, portanto é uma obra inacabada no seu conjunto e uma imensa dificuldade para quem deseja assistir ao certame. Melhor teria sido “passar batido” nessa Copinha, concluir o projeto no seu todo e fazer bonito na Copa do Mundo.  Bairrismo ridículo de pernambucano...
Para completar o quadro, fiquei desolado com a falta de lixeiras, trazidas depois de muito descartes em qualquer lugar (Vide a foto a seguir), a falha ridícula do projeto dos banheiros masculinos – o cidadão tira a “água do joelho” e molha os próprios pés – a incapacidade de atendimento das lanchonetes com filas intermináveis, a falta de água mineral, a cerveja quente, o hot-dog era gelado e sem aditivos e até o sal do pipoqueiro acabou antes do primeiro tempo. Ora, meu Deus, depois e quatro horas sofrendo numa logística deplorável e gastando a energia reserva, todo mundo quer se restaurar. Mas, cadê restaurantes?

É nesta oportunidade que volto a aplaudir as inteligentes soluções dos baianos, cearenses, mineiros e cariocas, onde prevaleceu o bom senso e reformaram ou reconstruíram estádios tão modernos e dignos quanto o de Pernambuco e contaram com a infra pré-existente. Isso sim que foram decisões de juízo. No caso da Fonte Nova, em Salvador, implodiram o velho estádio e levantaram um novo no mesmo sitio. O Castelão (Fortaleza) e o Mineirão (Belo Horizonte) foram remodelados e estão fazendo bonito. O Maracanã foi revisto. Por que não reformaram o Mundão do Arruda ou a Ilha do Retiro? A desculpa foi de que não havia espaço, exigido por Dona Fifa, para estacionamento de veículos. Parece uma ironia, porque esta mesma “Senhora” proibiu estacionamento no entorno da Arena Pernambuco. Dá revolta de ver um espaço fantástico vazio e isolado. Brasileiro é idiota mesmo. O resultado dessa “doideira” foi um repercussão negativa para Pernambuco, nos jornais nacionais e internacionais. Tem uruguaio ou espanhol que jura não voltar ao Recife.  E, assim sendo, o projeto de fomentar o turismo local vai prubrejo.Governo megalomaníaco só faz besteira.
Adoro o futebol. Sou vidrado em Copa do Mundo. Mas, assim, vou preferir acompanhar pela TV.

Nota: Fotos de Tico Brazileiro

 

4 comentários:

José Carlos Lucena disse...

Grande, meu primo Girley Brazileiro. Faltam vozes como a sua para mostrar o descalabro deste (des)governo. Parabéns. Abraço.
José Carlos Lucena

Wirson Bento de Santana disse...

Amigo Girley Brasileiro. É por essas e outras razões que a população brasileira está indignada com o Governo. São obras como essa que faz com que o povo que não é burro, vê onde o dinheiro dos impostos estão sendo jogado fora. Embora as arenas seja exatamente para se jogar. Manipularam a paixão do brasileiro por futebol, para encher a burras, para não dizer bruaca de dinheiro. Lembrando aqui, a história de Pernambuco com o comércio de açúcar. É por isso, que devemos apoiar o movimento, enquanto é tempo, antes de vir nova eleição. Quem sabe outro pernambucano poderá salvar esse País.
Wirson Bento de Santana
Prof. PUCGOIÁS

Simone Amorim disse...

E o enviando da sky italiana aí em Recife falando ao vivo disse q a Arena Pernambuco fica na floresta kkkkk ninguém merece! Ainda acrescentou q é de difícil acesso. Olha aí Girley Brazileiro o q vc escreveu no blog!Kkkkkkk mas se tivesse sido no meio da cidade e c o caos do trânsito GB n sei se seria melhor, igual ou pior! Basta apenas ter um temporal para os túneis virarem piscina c direito a jacarés kkkk
Terminou acrescentando que o trânsito em Recife ta D+. Para percorrer 11km leva-le 2:30 hs!!!!
Simone Amorim (Bolonha- Italia)

Sonia Teixeira disse...

Na realidade não sei onde está a inteligência de quem governa esse país, acredito que a ambição para não falar de outras coisinhas maiores e mais pérfidas tenham bloqueado a inteligência deles. A arena Pernambuco é simplesmente um acinte ao povo, um acinte à falta de segurança, de educação, de saúde quando se espera 4 horas ou mais para se ser atendido numa emergência ou encontra-se uma fechada por não ter médico e equipamentos ou medicamentos para os casos mais simples, avalie os complexos que levam à morte. A arena Pernambuco me dói a alma de ver em parte o meu dinheirinho suado e conseguido com meu trabalho não tenha sido empregado em algo que realmente valesse a pena. Penso e penso muito como será o país dos meus netos, que tipo de cidadãos esses governos acéfalos estão formando, penso como falar de moral, de caráter, de dignidade. de generosidade e justiça se isso não se vê nesse país!