quinta-feira, 16 de maio de 2013

Mosaico Desajustado

Por motivo de ordem técnica o Blog do GB não saiu, semana passada. Nessas horas fico me perguntando como chegamos a este tempo de intensa tecnologia da informação. Sem essas ferramentas o mundo pára. Quando enveredei pelo projeto do meu Blog do GB e ele virou minha “cachaça” logo percebi que sem ela sinto-me incompleto.
O tema da semana seria ainda sobre uma Argentina mergulhada em novos episódios preocupantes, que de algum modo refletem na economia do Brasil. Mas, deixei prá lá... Quem lê jornais e semanárias fica inteirado de tudo.
Ainda no plano internacional, pergunto: tem coisa mais prosaica e ridícula do que a ampla divulgação jornalística que estão dando sobre a falta de papel higiênico, na Venezuela? Coitados! Virou assunto de Estado. O Presidente Maduro, preocupado com a situação, vai comprar seis milhões de rolos, no Brasil. Urgentemente! Vide foto abaixo. A que ponto chegaram! Eu já tinha ouvido noticias da falta de outros itens mais notáveis, da cesta básica bolivariana, mas, até o utilíssimo papel higiênico? Imagino como esteja este pobre povo já tão sofrido. Li um comentário hilário sobre a situação: “se antes os jornais venezuelanos não serviam nem para limpar o @#%s, agora tem destino certo. Por sorte, porque tem sido a valia da população venezuelana”. Ri muito e, ao mesmo tempo, lamentei pensando nos amigos que tenho por lá. Lembrei de uma amiga chamada Flor, esposa do famoso guitarista Lucho Quintero. O que será dessa flor, nas atuais circunstâncias?

Chocante, mesmo, é a história daquele monstro que manteve três jovens em cativeiro, durante dez anos, numa casa aparentemente frágil, Vide foto, em Cleveland, nos Estados Unidos. Que horror! Que falha elementar do FBI.

Por outro lado, fico impressionado com episódios absurdos do cotidiano brasileiro, como, por exemplo, o fato do menor que assumiu a autoria do crime de queimar viva, num assalto, a dentista Cinthya de Souza, no ABC paulista. Foto a seguir. Um crime hediondo. O motivo: ter somente R$ 30,00 na bolsa! É espantoso! Absurdo maior é concluir que estão terceirizando o crime! Estamos cada vez mais afundando moralmente falando, neste Brasil velho. A coisa parece funcionar assim: um menor assume o assassinato, recebe uma “recompensa” qualquer do verdadeiro criminoso, cumpre uma pena de passar dois anos numa casa de ressocialização, enquanto o verdadeiro criminoso, em liberdade, sai repetindo a atrocidade, sem medo, com prazer e certo de que nunca vai ser condenado de verdade.
Da mesma região paulista, veio a noticia do caso da garota pernambucana, que de tão estressada pelo bulling que sofria na Escola, “perdeu a cabeça” e terminou agredindo com uma arma branca o colega de classe? O garoto não suportava o sotaque nordestino da menina. Francamente. Preconceito e revolta mixados.
Como ninguém está livre das atrocidades sociais, deste mundo informatizado, tive o maior trabalho para corrigir três ataques que me fizeram em poucos dias: clonaram dois dos meus cartões de crédito e um talão de cheque, inteiro! Três episódios independentes, bom regsitrar. Gastaram adoidado, pelo Brasil afora. Num dos cartões, compraram uma passagem na executiva da TAM, trecho São Paulo/Nova York/São Paulo.
É duro dizer, mas, nosso mosaico social está todo desajustado.

NOTA: Fotos obtidas no Google Imagens.

6 comentários:

Regina Dubeux disse...

Caro Girley! De tudo que você falou, lamentei de forma mais direta, digamos assim, os três furtos de que você foi vítima, ultimamente. Não há Seguro para essas coisas?
O caso da garota pernambucana me chocou, de forma também pessoal, como você já sabe, sobretudo pela forma capciosa como foi veiculado pela imprensa. E mais ainda pela decisão da juíza de trancafiar a moça, a qual, mesmo que lhe seja concedido "habeas corpus" para responder a processo em liberdade, pode ser condenada a ficar na instituição "corretiva" paulista até completar 18 anos. Tudo pelo "mal" de ter nascido em Pernambuco. Certo, no seu desespero, e diante da omissão da escola, ela errou, mas a juíza não tomou nenhuma providência para punir o suposto 'colega', um jovem altamente periculoso, pelo visto, que cometeu crime de racismo duplo: Contra a cor negra e contra a origem (pernambucana) da estudante, denegrindo-lhe a honra e a família.
Esperemos boas notícias no próximo blog. Mas se não for possível, não fujamos do que é real.

Regina Dubeux disse...

Ah, Girley! No tocante à falta de papel higiênico na Venezuela, a oposição de lá comenta que não havia papel higiênico suficiente para limpar todas as kHdas do ex chefão. Não sou eu quem o diz, é a oposição, certo? Se quiser, não divulgue este comentário.

Celso Cavalcanti disse...

Caro Girley,
Se é para rir para não chorar, ver um cartão de crédito clonado usado na compra de passagens aéreas em classe executiva p/NY, é sinal de que até os bandidos estão mudando seus hábitos de consumo. Afinal de contas, bandido também é gente. Se morássemos em um país sério, facilmente se identificaria o beneficiário deste golpe e daí chegaria-se rapidamente ao golpista. Para as empresas de cartão de crédito é mais fácil arbitrar um percentual de perdas e fazer-nos todos pagar por elas, via juros e tarifas fraternais.
Um abraço,
Celso Cavalcanti


Girley Brazileiro disse...

REgina,
Tem seguro, sim e pago na futura mensal. Por sorte, não é mesmo?
Eram cartões sem o chip de segurança. Agora já me mandaram novos com a segurança devida.
Mas, lasqueira foi o talão de cheque. Quando levantei a hipotese de ter sido gente do proprio Banco, meu gerente ficou todo ofendido. E por que não pode ser. Eu com meu talão intacto e alguém assinado os cheques clonados. Pedi copias para ver e conferir a minha assinatura e, até agora, nada!
Dá para desconfiar. Não dá?
Girley

Cristina Henriques disse...

Caro Girley:
Sou bancária aposentada,mas sou.Tenho conta em 2 bancos federais,por ser aparentemente mais seguro de operar.Inda assim,quando invadiram minha conta do BB uma atendente da agência em Boa Viagem onde detectei o surrupio me perguntouse eu não poderia ter esquecido e sacado.Tiraran 3 mil de empréstimo,e eu ia tirar 70 reais.Como não lembrar?Também perguntam para o cliente,e damos por escrito se alguémde nossa familia ou proximidade(empregado-a/faxineiro,etc)teria acesso a nossos dados e cartão.Então,manda o gerente se colocar no seu lugar.A pergunta que vale para o c liente vale para o banco.O procedimento IMEDIATO pe pedir o formuláriod e ocntestação de saques,exigir que o dinheiro seja depositado de novo e eles e a seguradora que procurem o larápio internético.Fizeram com 1)Banco do Brasil(Conta-corrente)/CAIXA(Conta-corrente 2 vezes,agências diferentes)/Cartão de crédito.No BB clonaram e tiraram em Fortaleza/CE.CAIXA - MG e Taquaritinga do Norte/PE.Cartão de Crédito-interior de MG numa unidade Lojas Americanas.Já se vão 3/4 anos de tranquilidade.Aprendi uns macetes.

Flor Oquendo disse...

Queridísimo Girley: Que bello que te acuerdes de mi !! Tu eres así.... demasiado especial !!! Si, estamos viviendo en Venezuela un gran desabastecimiento de los principales productos básicos: no solo papel toilet, sino de pollo, carne, harina de trigo y de maíz, huevos, azúcar, leche y pare de contar ......es muy triste la situación de los venezolanos....Para conseguir los diferentes productos tenemos que ir como a 5 Supermercados diferentes y las cantidades que puedes comprar están controladas....Gracias por pensar en mi y por favor envíale a tu bella esposa Sonia de mi parte un gran abrazo y la bendición para tus hijos !! Tu amiga, Flor