sexta-feira, 29 de julho de 2011

Parece que foi pior...

Eu até que alimentei alguma esperança com as modificações prometidas pela Prefeitura do Recife, para o trânsito da cidade. Mas, qual nada... Tá na cara que ficou pior. Meu percurso diário compreende corredores particularmente prejudicados pelas mudanças operadas. Falo de ruas do bairro do Espinheiro, que tem suas principais artérias desembocando na Agamenon Magalhães, principal via da intervenção. Se antes era ruim percorrer essas ruas, agora piorou consideravelmente. Tudo represado até o ponto de atingir a Agamenon. Perde-se muito mais tempo. Curiosamente, notei que fechando os acessos ou saídas das pistas internas da Agamenon, restou um fluxo fluido na principal, três vezes mais larga, e fluxo pesado nas pistas locais. Um total contra-senso. Como não sou de perder o controle das coisas, principalmente em trânsito, passei a contemplar a paisagem bucólica/urbana do bairro do Espinheiro que tem ruas super arborizadas – mostro-as, cheio de bairrismo, a todo visitante – verdadeiros túneis de altos e centenários oitizeiros. Acredite, caro leitor ou cara leitora, havia muito tempo que não tinha a oportunidade de admirá-los como fi-lo nesta semana. Foi meu único consolo dentro do carro, retido nos engarrafamentos da região. Taco uma música clássica, no som do veiculo e fico lá... Possesso da vida, claro, perdendo a hora de um compromisso. Só quero ver como vai ser na próxima semana, com o inicio das aulas. A coisa vai feder, mesmo antes do Canal. Deus que nos acuda. Quem optar pela Avenida Rui Barbosa, vai urrar. fora...
Sabe minha gente, esta coisa não tem solução assim, num abrir e fechar vias à direita ou à esquerda. Quanta ingenuidade desses nossos mandantes e técnicos municipais. Será que essa gente não percebe os erros antes cometidos? A falta de planejamento urbano? Ou de transporte urbano de massa, numa cidade com estrutura antiga e de condições desfavoráveis, que virou Metrópole no século 21? A falta de ordem e responsabilidade na ocupação do solo e, por fim, a selvagem especulação imobiliária? Será que não percebem erros vergonhosos do tipo “modernização” da Avenida Conde da Boa Vista. Aquilo foi, ou melhor, é um dos maiores absurdos em termos de intervenção urbana. Burrice total. Dinheiro do contribuinte jogado no lixo. Ou, provavelmente, nos bolsos dos mandantes.
A verdade é que o Recife está diante de um colossal desafio: modernizar-se e oferecer aos seus habitantes condições dignas de viver, ir e vir sem percalços. E quando falo de percalços lembro-me dos buracos, da falta de vias inteligentes, da limpeza urbana, habitação popular, entre outros aspectos de carências. E o que é fundamental: gestão honesta e competente.
Agora, tem uma coisa: o que se observa no Recife não é muito diferente de outras grandes cidades brasileiras. A crescente urbanização da população é uma delas. Ninguém quer mais viver no campo. È incrível! Outra coisa é a facilidade que se tem, hoje em dia, de se comprar um carro, com financiamentos a perder de vista, entupindo as ruas e complicando o transito.
Faltam políticas urbanas e planejamento sério, embora haja ministérios e secretarias especificas, infelizmente entregues a quem não tem conhecimento ou consciência do papel a cumprir. O atual escândalo do Ministério dos Transportes é bom exemplo.
E o Recife, coitado, cada vez pior.

Nota: Foto obtida no Google imagens

10 comentários:

H. Romeu E. Shupp disse...

Em Recife não existe planejamento de TrÂnsito.
A presidente da CTU (engenheira elétricista) entende tanto de trânsito, quanto um médico entende de paisagismo.
Qualquer pessoa saberia, desde o ínicio do alarde das "mudanças inivadoras" que tais providências na Agamenom - criar um giro de quadra - nada mais é que varrer o lixo pra debaixo do tapete.
Só que esqueceram que tem muito lixo e o tapete é pequeno.
Com essa manobra "magistral" os gestores municipais apenas atestaram sua completa e total incompetência.
O resultado disso tudo? O paciente agora está na UTI! Essa operação de ponte de safena no trânsito pode ter desobstruído a artéria principal, mas jogou diversos coágulos para as artérias secundárias, causando uma embolia geral no paciente.

Romeu disse...

Em Recife não existe planejamento de TrÂnsito.
A presidente da CTU (engenheira elétricista) entende tanto de trânsito, quanto um médico entende de paisagismo.
Qualquer pessoa saberia, desde o ínicio do alarde das "mudanças inivadoras" que tais providências na Agamenom - criar um giro de quadra - nada mais é que varrer o lixo pra debaixo do tapete.
Só que esqueceram que tem muito lixo e o tapete é pequeno.
Com essa manobra "magistral" os gestores municipais apenas atestaram sua completa e total incompetência.
O resultado disso tudo? O paciente agora está na UTI! Essa operação de ponte de safena no trânsito pode ter desobstruído a artéria principal, mas jogou diversos coágulos para as artérias secundárias, causando uma embolia geral no paciente.
Romeu Shupp

Baiano disse...

Acabo de ler mais uma excelente postagem sua sobre as mudanças no trânsito do Recife. Francamente, ficou pior e, na minha visão, vai ficar pior a cada dia que passa. Não culpo a prefeitura atual por mais de 50 anos de falta de planejamento urbano.


Não adianta culparmos a evolução material das pessoas e o crédito disponível para a aquisição de carros, nosso maior sonho de consumo desde quando somos crianças. Qual o pai ou mãe que não dá um carrinho ao seu filho ou filha? Antigamente, os machistas davam carros pros meninos e bonecas pras meninas. Hoje em dia, pode olhar, existem bonecos de heróis pros meninos e carros da Barbie pras meninas....



Vai ficar pior ainda pois estamos brincando de fazer política urbana. Por exemplo, nesse inverno atual, já caíram várias árvores sobre muros e carros no Recife. Talvez, no início do século passado, isso fosse uma atração turística. Porém, hoje, trata-se de uma crônica de uma morte anunciada. Voce que é um homem viajado, verifique se existem arvores nas calçadas de Londres, Paris, New York, ou em Tókio. As arvores ficam em parques ou dentro de propriedades. Da forma que estão no Recife e em várias cidades brasileiras, elas se entrelaçam com a rede aérea de eletricidade e telefônica, causando desastres absurdamente evitáveis. Do jeito que está, elas ocupam o lugar dos pedestres, impedem a expansão (alargamento) de ruas, e ainda oferecem risco de desabamento. Alem disso, suas raízes acabam disputando espaço com a calçada, fraturando a infraestrutura subterranea.


Alguem já se preocupou com isso? Claro que não!! Se voce publicar isso, vão meter o pau em mim, dizendo, no mínimo, que não tenho consciência ecológica!!!


Outra coisa, prá que serve o Canal Derby-Tacaruna? Prá mim, é um esgoto a céu aberto, transmissor de doenças, e um risco desnecessário em caso de acidentes ou inundação. Na minha opinião, suas aguas deveriam ser desviadas e o local aterrado para dar lugar a mais vias de transito ou a passagem de uma linha (subterranea ou aéra) de metrô.


O negócio é simples: não adianta culparem os egoístas capitalistas que saem de casa com seus carros novos. A cidade precisa de mais ruas e vias de escoamento de transito. É para isso que se paga impostos. A infraestrutura precisa evoluir e, não, ficar represada!!! Pode????



Por fim, até quando vão fazer de conta que o estacionamento em rua, tipo Zona Azul, pode existir nesta cidade. Rudolph Giuliani acabou com isso em New York a mais de 20 anos atrás!! Foi quando a cidade passou a ter estacionamentos inteligentes para que quisesse tirar o carro de casa. Caso contrario, uma competente rede de transporte publico está disponível lá, em Londres, em Paris.;;;
Baiano

Umberto Leal disse...

Umberto escreveu: "Girley amigo estou com você, pode ter ficado melhor no que se refere as faixas centrais mas as locais ficaram pessimas."
Umberto Leal

Dulce Diniz Nadruz disse...

Muito pertinente o seu comentário sôbre o nosso caótico transito.Os comentários tb
de seus amigos e leitores tb esclarecedores.Acho que estamos num grande dilema,ou
O Governo de Estado juntamente,com a Prefeitura se unem num grande projeto de infra-
estrutura urbana, com a construação de viadutos que evitem os cruzamentos em breve.
muito breve mesmo .estaremos impossibilitados de sair de casa Eu moradora de Boa
Viagemn levo 1 hora e muitas vezes 1 hora e meia para chegar em casa.Olha que isto
está acontecendo sempre que me locomovo para além do viatudo.Para evitar que nos
estressemos sempre é preciso fazer um trabalho de paciência e colocar uma boa músi-
ca para suportar tanta demora.Um grande abraço Já organizei um kit de músicas para
enfrentar o horror do trânsito.
Dulce Diniz Naduz

Adilson Carneiro disse...

GIRLEY
MUITO BOA SUA COLABORAÇÃO COM O TRANSITO. FAÇA ENTÃO O PEDIDO DE QUEM POSSA APRESENTAR SUGESTÕES PARA MELHORIA E VOCE COLOCA NO BLOG.
POE EM VOTAÇÃO E AS EMELHORES LEVA PARA O PREFEITO. É O GERENCIAMENTO DO TRANSITO PARTICIPATIVO JA QUE SOMOS NÓS QUE SOFREMOS.
ADILSON CARNEIRO

Francisco Cunha disse...

O problema é complexo e as propostas de solução estapafúrdias ainda...
O fato é que há décadas que planejamento urbano no Recife não passa de lenda.

Mauro Gomes disse...

Girley, imagine como será segunda-feira com a voltas as aulas. Vamos nos peparar (psicologicamente, pois não há muito o que se fazer além disso).

Mauro Gomes

Regina Pinto Ferreira disse...

Olá Girley!
É isso ai, estou com você.
A matemática adotada está mesmo errada. As pistas locais não podem dar conta do nosso trânsito e da multiplicação dos carros na nossa cidade. O número dos carros aumentam a cada dia. Penso que parte da população dirige um carro com uma ou no máximo duas pessoas dentro do carro. Quem sabe placa impar ou par, para o dia a dia? E o tranporte público? Ele funciona? Para mim ele é terrível. Tem muita coisa errada. Agora, consertar essa confusão via pista local, penso que foi demais. Bjos, Regina Pinto Ferreira.

ORLANDO CHALEGRE disse...

Caro Girley:

Há quase dois anos residindo em Curitiba, vc pode imaginar com o me sinto ao ver o Curitibano reclamando do trânsito desta cidade. Quando tenho a oportunidade sugiro que conheçam o Recife.

Não obstante as consequencias oriundas do crescimento do número de veículos e daqueles deseducados, que encontramos em qualquer parte deste planeta, vemos de forma clara os efeitos de um planejamento feito há anos, para funcionar durante anos.

Bem falou o Francisco Cunha em sua poucas, breves e acertadas palavras. Para mim todas essas medidas são paliativos sem qualquer efeito a longo prazo.

Em outra oportunidade, neste mesmo espaço, fiz referências ao desprezo que os nossos governantes dão aos nossos tecnicos, quando procuram nomear seus assessores em função dos partidos aos quais pertencem, sem qualquer avaliação de competência.

Fica aí minha pergunta: ATÉ QUANDO MEU DEUS?