quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Sem Controle

Há coisas verdadeiramente incríveis. Hoje, logo cedo, assisti no Bom Dia Brasil (rede Globo de TV) um verdadeiro absurdo: a equipe de reportagem que cobria as enchentes que afogavam a cidade de São Paulo, após intenso temporal, flagrou um cidadão, isto é, um elemento deletério que, em plena luz do dia, roubava a fiação embutida da iluminação pública, numa das pontes sobre a marginal do rio Tietê. Munido de uma picareta, descobria a tubulação, cortava os cabos com um alicate especial, puxava os cabos, enrolava-os e saia lépido e fagueiro, ou seja, sorridente e calmo, além de debochado e cínico. Durante a operação furto percebia a gravação das câmeras da emissora. A policia passava e ele desfarsava. Ao bater retirada, deu uma paradinha e explicou ao repórter "roubo cobre mas, não roubo um pai de familia". Pense nisto. Um escândalo. Ou seja, ele quis justificar o crime defendendo uma idéia de que roubar passou a ter distintas categorias, entre as quais a dos roubos "aceitos" e "dignos". Êita país absurdo!
Os repórteres da Globo, na externa e no estúdio, se mostraram surpresos e escandalizados. Eu, diante do meu espelho matinal, me barbeando, parei e fiquei imaginando na repercussão de uma cena dessas. Logo me veio à mente: será que D. Dilma e Luis Inácio assistiram àquela cena? Vai ver, acharam irrelevante. Um probleminha localizado. Isolado, minha gente!
Fome, desemprego ou malandragem mesmo? O que, na vida, leva um homem do povo, de modo cínico e descontraído, atentar contra o patrimônio publico e ficar por isso mesmo? Pelo visto, ele saiu de mansinho, impune e disposto a operar mais adiante. O cabo elétrico roubado, ele vende no ferro velho, a quilo. Cobre, de fato, tem valor.
O que passará pela cabeça de um sujeito desses? Como viverá esse triste? Tem emprego ou não? Tem família a dar de comer? Ou, será mesmo um malandro?
Sabe de uma coisa? Não tem esquema policial que dê conta de um estado de calamidade social dessa ordem. Até porque a coisa é tão inesperada que fica difícil, mesmo, ter um policial de plantão na hora e no lugar exato. Era preciso que o ladrão tivesse o “cuidado” de avisar seu ataque. Seria surrealismo puro, claro.
Aprofundando minha reflexão, tive que dar tratos a bola tentado entender a possível realidade. Em plena luz do dia? Diante das câmeras da TV?
Durante o dia inteiro não pude esquecer. Achei chocante, é claro. Tanto é que resolvi dividir minha preocupação, com os leitores do Blog.
São fatos concretos, como este, que me levam à descrença quanto ao futuro do Brasil. Criou-se uma cultura espúria de se tirar partido, se virar, de todos as formas possíveis, inclusive as criminosas. Sem punição! É a impunidade que pode levar este país ao caos. Dá medo. Temo pelas próximas gerações.
Falta escola e professores, falta educação cívica, falta meios para se instalar uma cultura decente, falta tudo, meu Deus! Tem emprego sobrando, é o que dizem. Mas falta qualificação. É doloroso! Uma sociedade com uma herança maldita. É isto. Também, quem assiste, todo dia, ao desfilar de ladrões de gravata, impunes, erenices e delúbios, maletas e cuecas recheadas de dólares, não tem dúvidas em achar uma justificativa e avocar o direito a tirar sua casquinha. Como pode se constatar, a coisa está ficando sem controle.

NOTA: Veja o Youtube da reportagem, na coluna ao lado.

10 comentários:

Baiano disse...

Prezado Girley,
Parabens, mais uma vez, por sua lucida e sempre presente visao dos reais problemas que afetam o Brasil, Pernambuco, o Recife, e, por que nao dizer, o mundo.
Amigo, na minha humilde opiniao, nos nao estamos sem controle. Estamos eh num controle automatico quebrado!!! Rsrsrs Digo isso porque criaram controles que nada controlam, padroes inaplicaveis no presente e fracassados no passado.
Amigo, a coisa ta preta e o controle automatico ta quebrado a muito tempo!!! O pais fez uma Constituinte para manter tudo como antes estava. O Decreto-Lei virou Medida Provisoria mas, o estupro do Legislativo e da ordem legal continuou a mesma. O voto proporcional que elege os tiriricas da vida e leva um bando de pouco votados como eleitos, continua em vigor. O Brasil precisa ser repaginado por Deus. Duvido que nossas elites consigam fazer isso.
Abracos Nigerianos....
Baiano

Julio Falbo disse...

Meu amigo, você falou por todos os brasileiros que ainda têm um pouco de vergonha na cara, parabéns.
PS>>> e ainda de quebra a matéria vai dar para publicarmos no nosso boletim da próxima segunda. Valeu Girley.
Abraço,
Júlio Falbo

Edvaldo Arlego disse...

Caro Girley. Esse "fenômeno" é o famoso "efeito cascata" da roubalheira que ha nesse país, que tanto corre de cima para baixo, como de baixo para cima, conforme mostra a Imprensa, como se os nossos recursos fosse inesgotáveis. Um dia "a porca torce o rabo". Abraços, Arlégo.

Angela da Cunha Barreto disse...

Pois é, Girley.
Muito bem abordado o seu "Fora de Controle".
Na manhã de ontem, assisti a reportagem do Bom Dia Brasil, e também me surpreendi com o cinismo do ladrão. Mas, diante de tantos crimes impunes neste pais, no que pese aos ladrões de gravata e colarinho branco, pelo menos este resolveu assumir a sua condição de meliante "por necessidade", exibindo a sua bicicletinha, picareta e cara-de-pau em plena luz do dia e numa avenida da cidade de São Paulo, de grande movimento, ao invés de exibir um luxuoso carro, com motorista e placa do Gabinete Civil da Presidência da República.
Nada é por acaso, amigo Girley.
Fernando Collor, Sarney, Delúbio, Erenice e seus comparsas, devem ter dado boas risadas desse roubo pueril.
Daqui pra frente, crimes como este serão multiplicados. Mais uma vez, amigo, coitado do nosso dinheirinho e das nossas cidades, cada vez mais sujas e esburacadas, por picaretas, acidentais ou não.
Receba meu afeto e admiração
Angela da Cunha Barreto

Danyellle MOnteiro disse...

Bom dia professor,
Realmente é triste uma situação dessas, mas diante de tanta impunidade a gente fica mais perplexo com o sinismo e cara-de-pau do ladrão do que pelo ato do roubo em si, já que os piores ladrões atuam vestidos de terno e gravata.
Um dos problemas principais do Brasil, se não for o pior, é cultural, é essa coisa do "jeitinho brasileiro", de ser mais esperto que todo mundo, de tirar vantagem de tudo e de todos. É óbvio que temos um grave problema educacional à nível nacional com falta e despreparo de professores em toda a rede pública de ensino, mas nesse e em muitos outros casos o problema é ético, moral, pois também sobram exemplos de pessoas que vieram de parcelas excluídas da sociedade mas que venceram com seu próprio esforço e competência como é o caso do nosso querido Alcides, filho de uma catadora de lixo que passou em primeiro lugar no vestibular da Universidade Federal de Pernambuco e que foi confundido com um bandido e brutalmente assassinado no barraco onde vivia.
Então a pergunta que me faço é um tanto naturalista... o homem é produto do meio ou o meio é produto do homem? Ou vice e versa? O que diferencia pessoas que foram socialmente excluídas e se sobressaíram pelo próprio esforço daquelas excluídas ou não pelo sistema e que agem de forma ilícita? Será mesmo uma questão educacional ou esse quesito é apenas mais uma variável? Porque o que a gente vê são vários exemplos também de pessoas que tiveram todos os seus direitos satisfeitos como educação, saúde e etc e que mesmo assim roubam, traficam e participam de todo tipo de esquema.
Será que é um problema genético? Espiritual?
Somos uma nação altamente miscigenada, filhos de brancos, negros, índios, europeus, asiáticos e etc., todos nós independentemente da cor exterior da nossa pele; então o que nos diferencia? O que diferencia os honestos dos desonestos? Até onde vai a honestidade e a desonestidade? O que é ético e o que não é? Quais os limites?
Será que teremos todos nós que virar psicólogos para entender um pouco da mente humana e não nos chocarmos mais com esse tipo de coisa?
Danyelle Monteiro

D. Andreotti disse...

Caro amigo Girley
O falecido ministro Dilson Funaro já dizia que o problema do Brasil é a certeza da impunidade,coisa que deve ter deduzido pela desenvoltura com que familia Sarney
transita nessa área.Durante esses últimos oito anos essa certeza foi elevada ao cubo.
Fraternal abraço
D.Andreotti

Anônimo disse...

Prezado Girley:

Ao final deste comentário farei umas perguntas a todos os que lêm seu blog e obviamente ao amigo:

Esta semana aqui em Curitiba, assistimos pela TV em noticiario local uma cena em que uma Procuradora Judicial ao entrar numa contramão, embriagada, atropelou uma senhora, emprensando-a em uma árvore, a qual por sorte não sofreu consequencias mais graves, porém a Exma. Procuradora além de não aceitar fazer o teste do bafômetro, após ser conduzida à delegacia, foi liberada pelo fato de acupar um cargo que lhe dá imunidade.

Ano passado, vimos alguns juízes condenados por venderem sentenças, serem aposentados compulsoriamente com poupudos vencimentos.

Diante do exposto eu pergundo a todos, até quando vamos assitir a esses absurdos em silêncio? Até quando vamos continuar elegendo esses legisladores? Será que tudo isto não é também culpa nossa?

Obrigado amigo Girley por fazer a sua parte e nos proporcionar a oportunidade de nos manifestarmos.

Um grande abraço a todos

Orlando Chalegre

Orlando Chalegre disse...

Prezado Girley:
Ao final deste comentário farei umas perguntas a todos os que lêm seu blog e obviamente ao amigo:
Esta semana aqui em Curitiba, assistimos pela TV em noticiario local uma cena em que uma Procuradora Judicial ao entrar numa contramão, embriagada, atropelou uma senhora, emprensando-a em uma árvore, a qual por sorte não sofreu consequencias mais graves, porém a Exma. Procuradora além de não aceitar fazer o teste do bafômetro, após ser conduzida à delegacia, foi liberada pelo fato de acupar um cargo que lhe dá imunidade.
Ano passado, vimos alguns juízes condenados por venderem sentenças, serem aposentados compulsoriamente com poupudos vencimentos.
Diante do exposto eu pergundo a todos, até quando vamos assitir a esses absurdos em silêncio? Até quando vamos continuar elegendo esses legisladores? Será que tudo isto não é também culpa nossa?
Obrigado amigo Girley por fazer a sua parte e nos proporcionar a oportunidade de nos manifestarmos.
Um grande abraço a todos
Orlando Chalegre

Geraldo Casado disse...

MEU CARO GIRLEY,
REALMENTE ESTAMOS SEM CONTROLE. DEVO IMAGINAR COMO SE SENTEM PESSOAS COMO NÓS, VENDO AQUELE HOMEM ROUBANDO À LUZ DO DIA. REALMENTE LAMENTAVEL.
CONTINUE DENUNCIANDO COM SUA
ESCRITA BÔA E CORAJOSA.
O ABRAÇO DE SEMPRE.
GERALDO CASADO.

Corumbá disse...

Caro Girley:
Também fiquei estupefato com a cena. Pior, não consegui dizer nem escrever nada, só divulguei.
E fiquei a me perguntar, isso é causa ou consequência dos políticos corrutos, desonestos, aéticos e ladrões que temos aos magotes?
Grande abraço