quinta-feira, 31 de janeiro de 2008

UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA - Carnaval em Olinda

Temos acompanhado pela imprensa as notícias sobre a preocupação que vem tendo a Prefeitura de Olinda, com relação aos “mijões” que circulam na cidade alta, durante os dias de carnaval.

Conhecemos bem a situação deplorável que ficam algumas artérias da nossa cidade monumento nessas ocasiões. Naturalmente que se trata de uma séria questão sanitária e, pelas proporções que assume, uma questão de saúde pública. Não tem quem agüente a fedentina que se instala, porque, como se sabe, urina é cruel.

Por outro lado, ficamos constrangidos quanto ao atentado ao pudor que se verifica a luz do dia. É preciso ter cuidado – quando acompanhado da esposa, filha ou namorada – em escolher por onde transitar, para não se deparar com cenas de pura descontração e exibicionismo dos grupos de marmanjos, ao “tirar a água do joelho”. Não são dois ou três! São muitos de uma só vez.

Fala-se até que existem locais que já são consagrados pelos “apertados na bexiga” e recebem denominações do tipo Ladeira do Mijo. Não sei onde fica a tal ladeira, mas certamente deve ser uma artéria que, na realidade, tem um nome muito mais digno da nossa bela Olinda, patrimônio cultural da humanidade. Imaginamos as dificuldades dos moradores locais.

Numa recente visita que fizemos a Holanda, vimos, em Amsterdan, a solução que foi dada, no Red Light District, a zona do baixo meretrício local.

Atraídos pela forma de exposição – as famosas vitrines – e pelas facilidades oferecidas pelo “mercado”, levas de turistas circulam sem parar, sobretudo homens, tomando cervejas aos borbotões e, por isto mesmo, necessitando de urinar a toda hora. Como no carnaval de Olinda. A crescente corrente de visitantes levou o local a um verdadeiro caos. A solução encontrada, pelas autoridades sanitárias holandesas, foi de instalar espécies de mictórios públicos extremamente funcionais e devidamente ligados à rede sanitária da cidade. O aparato é simples e, sobretudo, prático.

Moldado em fiber-glass, em módulos de três postos, lembram muros – coisa que todo mijão procura – e, por isso mesmo, segredo do sucesso. De fácil higienização, com e irrigação e drenagem próprias, nem se compara com os tais de banheiros químicos usados aqui no Brasil, que são, de cara, fétidos e um atentado à saúde do usuário. Bilhões de bactérias, das mais “cabeludas”, vagam em cada um desses cubículos, inevitavelmente abafados pelo calor dos trópicos. Quando muito, e com restrições severas, poderiam continuar para usuárias do sexo feminino. Enquanto, é claro, não apareça alguma coisa mais funcional, segura e higiênica.

Outra vantagem desses mictórios holandeses é que, embora ao ar livre, pela sua conformação plástica, não expõem as genitálias dos mijões às senhoras e senhoritas que transitam na redondeza.

Vale à pena copiar este modelo. É uma idéia. Claro que depende da viabilidade econômica e da vantagem ou necessidade de instalá-los de forma permanente, como na Holanda. Lá, a estrutura urbana é outra, o nível educacional também e o fluxo de turista é durante o ano inteiro... Aqui é por temporada. Mas, reforçamos que, em termos de higiene e saúde pública não se compara com o que se usa atualmente, por aqui. Não custa nada tentar. Afinal, precisamos de coisas mais civilizadas.

Nota: A foto que ilustra a matéria é da nossa autoria e foi captada em Amsterdan, em 03/11/2007.

5 comentários:

Anônimo disse...

Interessante sua sugestao para atender aos mijoes de Olinda!!!!!
Celina

Anônimo disse...

Caro Girley,
Aqui e ali, tenho lido seu blog. Parabens. Além de apoiar sua sugestão quanto à instalação de banheiros públicos em Olinda no Carnaval, dei boas gargalhadas com o jeito engraçado como você aborda o problema. Um abraço.
Aldemir do Vale

Anônimo disse...

Caro Girley,
Aqui e ali, tenho lido seu blog. Parabens. Além de apoiar sua sugestão quanto à instalação de banheiros públicos em Olinda no Carnaval, dei boas gargalhadas com o jeito engraçado como você aborda o problema. Um abraço.
Aldemir do Vale

GP disse...

Girley - Hombre de Dios

O seu Blog está crescendo em audiência. Você deve estar acompanhando, sem a neurose do abre e fecha.

A questão de Olinda é, realmente, séria e merecedora dos seus comentários. Há falta de banheiros públicos, os quais, quando existem, são mais fétidos que as ruas estreitas. Um horror!

Parabéns, homem.

Geraldo Pereira

Antonio Azevedo disse...

Caro Girley: Depois de passar uns dias longe dos ruídos carnavalescos, retorno ao dia-a-dia do trabalho, aqui na Alepe. Continua nessa linha de ação no blog, versátil, com assuntos importantissimos como esse dos "mijões" de Olinda, fato na verdade, ocorrido em toda parte nesse nosso país. No caso do Recife, seguramente houve atitude muito errada da Prefeitura financiar desfile de escolas de samba no Rio, hoje visto com um enorme fiasco. Para isso há, sobra dinheiro, mas para saúde pública, a coisa muda. Sua sugestão é oportuna, alto sentido social e a Prefeitura poderia muito bem esquecer essa bobagem de gastar tanto dinheiro com escola de samba, especialmente depois das graves denúncias em envolvimento de certos "carnavalescos" no narcotráfigo e fazer para o Recife, equipamentos como o sugerido no seu comentário. - Saúde, Antônio Azevedo.