terça-feira, 13 de outubro de 2015

Itália Maravilhosa

Nossa recente ida a Europa foi além de Portugal. Na verdade o destino final foi a Itália onde tivemos um compromisso profissional/empresarial, na cidade de Bérgamo, localizada pouco ao norte de Milão, por onde entramos.
Compromisso cumprido e bem sucedido, eis que tivemos a chance de explorar a cidade e a região de entorno. Bérgamo é uma cidade fora do circuito turístico e isto já sabíamos.  Poucos são os brasileiros que andam por lá. Para os italianos é uma cidade industrial, o que nos levou a acreditar que viveríamos uma semana numa cidade cinzenta, pesadona, com um povo fechadão ou coisa assim. Mas, que nada! Uma boa surpresa nos aguardava! Ao invés disso, encontramos uma cidade alegre, arejada, belas avenidas arborizadas, arquitetura imponente e, por fim, um sítio histórico de rara beleza. Daqueles que todo turista antenado e exigente deseja encontrar, principalmente na Itália. Vide foto a seguir. Muitas industrias é verdade. Mas fora do perímetro urbano e, sobretudo, às margens da autoestrada que corta a região da Lombardia. Estou falando de uma região rica e sustentação econômica da Itália.
Em Bérgamo, além de um comércio significativo e uma gente cativante, come-se muito bem, a preços comedidos e uma culinária sofisticada. Na cidade alta e de caráter medieval – em meio às construções e ruínas romanas – tivemos a oportunidade de provar a típica cozinha montanhesa. A região da Lombardia está nas encostas dos Alpes. Os arredores são de encantadoras paisagens de montanhas e lagos, entre os quais o de Como e o de Garda. E na vizinha Suíça (colada à Lombardia) o lago de Lugano, com a bela cidade do mesmo nome, por onde também andamos.
Andar pela Europa, ou por qualquer país daquele continente, conta-se com a vantagem de ter tudo de bom e atrativo muito próximo e de fácil alcance. Cidades fantásticas, transportes fáceis e rápidos, preços justos, autoestradas seguras e impecáveis, resultando num tremendo beneficio ao turista. De onde estávamos na Itália foi fácil chegar a trepidante Milão, à Verona de Romeu e Julieta, às bem comportadas Bolonha e Ferrara e a sempre fascinante Veneza. Isso sem falar nas pequenas cidades intermediárias pelas quais passamos, entre as quais Consândalo (entre Bolonha e Ferrara), onde fomos recebidos por amigos italianos de nobre estirpe e grandes anfitriões. Nesse lugarejo participamos de uma festa popular, em praça pública, tipo quermesse de interior nordestino, com bingo, bandinha local, leilão e comidas típicas. Senti-me em Fazenda Nova de antigamente. No final da noite uma queima de fogos fez chover estrelas brilhantes nos céus do lugarejo levando ao delírio os espectadores, entre os quais dois brasileiros perdidos na roça italiana. Sinceramente, não tem dinheiro que pague uma experiência dessas. Nem com Mastercard!
Verona, por  onde  passeamos, é uma joia preciosa situada na Região do Vêneto. Segundo a história foi fundada pelos Celtas, virou colônia romana com o nome de Augusta (certamente em homenagem ao Imperador Augusto). Também foi sede de ducados durante a existência do Reino da Lombardia. Lá nasceu Paulo Veronese, grande pintor italiano. Sentar num dos restaurantes da Piazza Erbe (foto a seguir) e tomar um bom vinho italiano, paga qualquer viagem.

Com essa rica história Verona conseguiu guardar preciosidades arquitetônicas e, por isso, é patrimônio da humanidade. Duas grandes atrações de Verona são: a primeira é a Arena (Anfiteatro Romano), muito parecida com o Coliseu de Roma, preservada desde os tempos dos romanos e palco permanente de grandes produções de óperas famosas. (Foto a seguir).


A outra grande atração são as ditas casas de Julieta e Romeu, devidas ao clássico romance de  William Shakespeare. Na verdade, as duas casas são locais que a cidade de Verona criou e idealizou como tendo sido cenário do drama dos dois jovens apaixonados criados pelo escritor inglês, depois que a obra virou um filme, em 1936. Pura fantasia e estratégia de marketing turístico. 
Verdadeiras “enxames”de turistas percorrem as ruas estreitas de Verona – ressalte-se que repletas de belíssimas vitrines de grifes famosas – rumo à casa de Julieta e depois a de Romeu, esta menos popular. A suposta sacada de onde Julieta ouvia os versos e canções apaixonadas de Romeu é o melhor cenário para uma foto à posteridade. Foto acima.
A estátua,  em bronze, de Julieta no jardim interno da suposta casa dos Capuleto (a família de Julieta) tem o desgaste de tantas mãos de turistas afagando os peitos da estátua, quer dizer, de Julieta. Foto ao Lado
Mas, é impossível relatar no pequeno espaço do Blog as nossas recentes experiências na Itália Maravilhosa, numa única postagem. Vou deixar mais um pouco para uma próxima edição.  


NOTAS:
1. Nossos especiais agradecimentos ao casal Simone e Rudy Barbaro (ela é pernambucana) que vivem em Consándalo, pelas atenções e acolhida inesquecível, na Região da Emilia-Romagna e do Vêneto.
2. Fotos obtidas no Google Imagens.
3. O Blogueiro viajou integrando uma Missão Empresarial de empresários pernambucanos ligados ao Setor Metalmecânico e representando o Sindicato das Indústrias Metalúrgicas Mecânicas e de Material Elétrico de Pernambuco - SIMMEPE.  






5 comentários:

Cristina Rescigno disse...

Girley, não conheço Milão nem Lugano, mas adorei Veneza, Verona Amalfi, Sorrento, Roma, Padova...enfim, concordo com você.... Cada cidade grande ou pequena, possui um charme, graça, beleza tão peculiar, que é quase impossível não se apaixonar pela Itália! Eu em particular, sou suspeita, pois tenho a cidadania mas me atrevo a dizer, que é um dos países mais belo do mundo!
Cristina Rescigno

Elda Galvão Diniz disse...

Você conta todas as suas experiências nas suas viagens de uma forma bem explicada, que o leitor penetra na explanação, como um acompanhante do historiador. Gosto de ler você! Simples e objetivo.
Elda Galvão Diniz

Simone Amorim disse...

Adorei o post. Obrigada a vocês Girley Brazileiro pela maravilhosa visita.
Simo Amorim

Ina Melo disse...

Voltarei sempre se puder para Veneza!!!!!!!!!!!
Ina Melo

Antonio Carlos Neves disse...

Fui junto.
Antonio Carlos Neves