segunda-feira, 31 de outubro de 2011

SABOR A TANGO

O pano sobe, a platéia se acomoda e um quinteto de cordas e bandoneon galvaniza, com um tango tradicional, o grande salão do Palazzo Rossini, na Calle Perón. Sabor a Tango é o titulo da cena-show que se segue. Dançarinos se envolvem em verdadeiros enroscados de pernas e braços, corpo inteiro, sugerindo atitudes libidinosas, somente possíveis quando bailando um tango. É um clima de puro frisson. Muito próprio para aquele gênero de música. Na verdade, quando bem executado, o tango traduz sensualidade, paixão, melancolia, exala cheiro de amor e sabor de volúpia. Por vezes, também pode "carregar nas tintas" com tons de ódio ou perfídia. É incrível como a coisa, que filtra pelos poros do interprete, se entranha nas mentes dos espectadores mais sensíveis. Haja emoção... Estou voltando de uma nova visita a Buenos Aires, que é um dos meus destinos favoritos. Desembarcar ali é sempre prazeroso. A cidade parece, mesmo, estar sempre a minha espera. Temos uma relação de intimidade antiga. A primeira vez foi nos tempos de juventude, depois de uma decepção amorosa. Naquela ocasião, os bons ares portenhos envolveram-me na forma de uma brisa amena de primavera, como a de agora, acalmando meu jovem e inquieto espírito ainda apaixonado. Voltei recuperado, prometendo retornar outras vezes. Assim ocorreu. Vi a cidade mudar e se modernizar. Vi governos arcaicos e oligárquicos, passeatas e revoltas, ditadura, pós-guerra e moedas diversas. Vi redemocratização e hiperinflação. Vi um povo sofrendo e mantendo a fleuma de uma sociedade acostumada ao fausto. O portenho é garboso e orgulhoso dos seus valores.
No show do Palazzo Rossini, na noite do sábado (22.10.2011), abri os arquivos da minha memória e relembrei momentos inesquecíveis. Saudosismo? Talvez! Como “recordar é viver”, recordei vivendo.
Na visita da semana passada, fugi do chamado micro-centro e hospedei-me num hotel em Puerto Madero, região da Costanera Sur, onde uma nova Buenos Aires se desenvolve e faz-nos respirar uma agradável onda de modernidade. Largas avenidas, passeios espaçosos e o binômio água/vegetação a emoldurar uma cidade estruturada à moda européia do inicio do século 20. Restaurantes de vanguarda, hotéis de luxo, centros comerciais e empresariais brotaram ao longo desses últimos vinte anos e hoje fazem a festa do visitante, entremeados de velhos guindastes do antigo porto, transformados em peças de museu a céu aberto.
A Argentina vem mudando e, aos poucos, se reorganiza para ocupar seu tradicional lugar de destaque nos quadros políticos, sociais e econômicos da América do Sul.
A propósito, cheguei a Buenos Aires ao final da campanha política para as eleições que ocorreram no domingo (23). Cristina Kirchner foi reeleita presidente da Republica. Uma vitória considerada inusitada, com percentual acima dos 53%, esmagando uma oposição visivelmente desorganizada, com vários candidatos e votações atomizadas, sem a menor chance de somar, o que quer que seja, para o atual quadro político do país.
Tentando mergulhar no clima das eleições, provoquei taxistas, balconistas, garçons e engraxate. Descobri um eleitorado dividido e com certa dose de perplexidade. Há muita insatisfação com a inflação em alta – gira em torno de 25% ao ano – e a conseqüente alta no custo de vida. Descobri também que a candidata Cristina Kirchner aproveitou bastante, segundo os meus interlocutores, a condição de viúva no poder. Nas minhas especulações, entendi que a viuvez parece ser uma condição que sugere compaixão na visão do argentino comum. E, quando capitalizado politicamente, é “mão na roda”. Tem sabor de tango!
Circulei bastante, durante o dia da eleição, a cata de testemunhar a festa nas ruas. Para minha surpresa, nenhum sinal de votação. Parecia um dia qualquer, um domingo como os de sempre. Na mais perfeita ordem, os eleitores foram aos comícios (assim são chamadas as secções eleitorais) e depois se entregaram ao lazer. A Lei Seca foi desobedecida nos quatros cantos de Buenos Aires. Tomei uns tantos Malbecs com meus amigos, sem qualquer percalço. Nada de manifestação pró ou contra A ou B. Nenhum papel de propaganda. Santinhos? Boca de urna? Nem pensar! Acho que soariam como coisas estranhas e sem sentido. Absolutamente nada. Uma coisa, digamos, sem graça, se comparada com um dia de eleições no Brasil. O comércio aberto e faturando sem parar. Fiquei em dúvidas se era, ou não, dia de eleições. Aqui ou acolá, muito poucas vezes, encontrei um sóbrio sinal, num cartaz ou grafitagem. Da oposição nem sinal. “Ah! A vitória de Cristina, antes da hora, tirou o entusiasmo da campanha e do eleitor!” Explicou o garçon do restaurante, garantindo não haver votado nela. No final da noite do dia 23 a Plaza de Mayo se encheu de eleitores, para comemorar. Se houve tango, não vi, mas vi outros ritmos latinos. Pela TV vi a vitoriosa Senhora Kirchner, de luto fechado, ensaiando seus passos no balcão da Casa Rosada, que agora está sempre feericamente iluminada, de cor rósea.
Antes do pano baixar, no Palazzo Rossini, deliciei-me com as composições de famosos como Hector Varela, Jorge Valdez e do magistral Astor Piazzola, entre outros. Ah! Não faltou o já tradicional “No llores por mi Argentina” tributo à Evita Perón. Muito sabor a tango.




Nota: Fotos da autoria do Blogueiro.

Se quiser saber mais sobre o Palazzo Rosini, clique em: www.saboratango.com.ar

9 comentários:

Hugão disse...

Belo e apaixonante texto, Don GIrley. Meua abraço. Hugo

MARIO E CIDA CUNHA disse...

Girley Amigo, que bela descrição de um tango fluente, estive em Buenos Aires em 1974 e agora estou de volta entre 26/11 a 01/12 você acendeu mais ainda nossa expectativa reservei uma noite no La Ventana com show e jantar não sei ainda se encontrarei um Dom Valentim lacrado para bebericar de cucharita i.e. com saboreio e prazer.
Este blog veio como um antepasto de minha viagem. Obrigado

Celso Cavalcanti disse...

Caro Girley,
Estou em viagem na China e gostaria de informar-lhe que não consigo acessar o seu blog, logo, concluo
que você foi alçado à categoria de ameaça à segurança nacional, tal qual o Dalai Lama.
Não é pouca coisa não.....
Um abraço,
Celso Cavalcanti

José Artur Paes disse...

Amigo, um dia vou aprender a mexer nesses blogs... depois posto um comentário lá.
Mas, caramba, estou repassando para Dona Célia pois, como sabes, íamos a Buenos e motivo de força nos fez adiar... Esse seu texto reativou toda a tesão !!!
Abração, J. ARTUR

Joe disse...

Caro Girley
Por aqui esteve um grupo de tango que se apresentou no St Isabel. Muitas e boas lembranças vieram a mente no belo e bem feito espetáculo.
Com seu relato volto a ter los buenos recuerdos das tres vezes que estive em B.As. Sem falar nos nossos bons amigos e amigas argentinos que temos.
Me despertou a vontade de voltar.
Um abraço. Joe

Dulce Diniz Nadruz disse...

Amigo Girley
Gostei muito de seu blog.Realmente esta sua ida à Buenos Aires foi diferente,principalmente no lugar
em que se hospedou.A s duas últimas vezes,em lá estive,os hotéis deixavam a desejar.Um hotel mais
moderno,faz uma grande diferença.Aquela região do Puerto Madeiro é muito simpática e cheia de coi-
sas novas.Na verdade,aproveitamos muito pouco dali.Achei interessante o ambiente das últimas elei-
ções,mais calmo,e completamente diferente da nossa,onde transformamos tudo em carnaval.Pois é
a viuva se posando de vítima,ganhou todas.Desejo que faça um bom Governo.Para vc amigo,um gran-
de abraço e continue nos deleitando,com o seu blog informativo,esclarecedor e de bom humor.
Dulce Diniz Nadruz

Danyelle Monteiro disse...

Prezado professor Girley,

Inspirada pela poesia de suas histórias, alternando entre tangos e o nosso velho forrozinho pé-de-serra, procuro viver cada vez melhor no agora, como bem nos lembra o Eckartole em seu "O poder do agora"... carp diem!

Grande abraço,
Danyelle Monteiro

Jorge Morandi disse...

Caro Girley:

Me alegro mucho que su estadía en Buenos Aires haya sido placentera y que haya renovado su viejo idilio con esa ciudad, que por lo visto, siempre le espera y le quiere bien.

Sólo lamento no haber podido "bajar" desde Tucumán para tener uno más de los tantos y afectuosos encuentros que hemos tenido en tantos años de amistad compartida.

Parabens por la maravilhosa descripción del espectáculo tanguero del Palacio Rossini.

Por último, una acotación: Cristina no ganó porque explotó su condición de viuda, ni cosa ninguna. Ganó porque es una excelente gobernante que terminó con los antiguos vicios de la política neoliberal e impulsó un modelo económico solidario, inclusivo que por primera vez en más de 40 años puso sus ojos en la población más vulnerable de este país. Y por si fuera poco.... todo eso en un marco de crecimiento y progreso económico y social en TODOS los sectores de la economía (Grandes empresas industriales, PyMES de todos los sectores productivos, trabajadores, estudiantes, desocupados y ... ¡oiga bien!... hasta los sectores del campo vinculados con la agroexportación) ¿qué más se puede pedir?.

¡VAMOS CRISTINA TODAVÍA!

Abrazo amigo

Josane Mary disse...

Bom-dia, Girley!
Tenho sempre lido os interessantes e belos posts, mas nem sempre os comento. No entando, neste, não resisti pois gosto demais de tango:
"É incrível como a coisa, que filtra pelos poros do interprete, se entranha nas mentes dos espectadores mais sensíveis. Haja emoção..."

Parabéns, Girley!
Saudações Literárias e abraços daqui da Holanda!
Josane Mary