quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Planeta China

Há dias nos quais tenho alguma dificuldade para encontrar um assunto para o bate-papo semanal neste espaço do Blog do GB. Esta semana, porém, tenho uma lista interminável de temas para trabalhar. Tenho assuntos para hoje e para as próximas postagens. Difícil mesmo é saber por onde começar. A razão é simples: estive visitando a China, por dez dias, tendo regressado no domingo passado.
Além de não saber exatamente por onde começar, falta-me um adjetivo adequado e capaz de expressar meu encanto e minha surpresa por esse país oriental. Fantástico poderia ser um deles. Mas, ainda acho pouco. Retumbante, é forte mas, talvez se ajuste. Voltei fissurado. Aquilo lá é tão pouco comum que um caboco nordestino, como eu, se abestalha e não sabe para que lado olhar. É monumental, pronto!
Tudo isto, quando eu menos esperava e achava que já conhecia tudo de mais belo que havia sobre a face da terra. Qual nada! A sensação foi de que fui parar num “planeta” diferente: pujante, esplendoroso, tradicional e, ao mesmo tempo, moderníssimo. A China me arrebatou
Mais incrível, ainda, é lembrar que se trata de um país de regime comunista e poder central forte e atuando. Não dá pra entender como conseguem administrar aquela coisa. A ficha ainda não caiu. Sinto-me meio zonzo, até agora, pelo excesso de novas e surpreendentes informações que acumulei. Bom, na verdade estou falando de uma das mais antigas civilizações com existência continua. Na Wikipédia descobri que “o ano 221 AC é referido como sendo o momento em que a China foi unificada na forma de um grande reino ou império”, graças às imposições da Dinastia Qin, com uma escrita comum e uma filosofia baseada no confucionismo.
Ao longo da sua formação, contudo, o país passou pelas mãos de mais de dez dinastias, entre as quais a Zhou, a Tang e Yuan. É uma história de mais de dez séculos. Observem que na China foram inventados o papel, a imprensa, a pólvora, que são coisinhas corriqueiras nos nossos dias, mas que, à época, revolucionaram o mundo. Além disso, os chineses são, há séculos, seculorum, exímios artistas na música, pintura, teatro e cerâmica. O que vi recentemente, in loco, são provas concretas desses talentos. Chega a ser emocionante se postar diante de tanta beleza.
Essa história e civilização, contudo, registra muitos pontos negativos: a maioria da nação vivia oprimida e muitas vezes escravizada. Muita fome e miséria. O regime imperial tratava o povo com mão de ferro, privilegiando alguns muito poucos com o conforto de viver como vassalos, em torno do Imperador, na Cidade Proibida, assim denominada por ser vedada à entrada do homem comum.
A situação se tornou insustentável e em 1911 ocorreu a queda do Império, sendo proclamada a República da China, sob a liderança de um certo Sun-Yatsen, nos seus primeiros anos. As disputas políticas da época levaram os chineses a uma sangrenta guerra civil entre os anos de 1945 e 1949, resultando na vitória do Partido Comunista Chinês que passou a governar sob a regência de Mao Tse-Tung, substituído, após a morte, em 1976, por Deng Xiaoping. Mao planejou a economia do país, redimiu o povão da situação opressiva e se transformou num ídolo nacional. Até hoje seu mausoléu com o corpo embalsamado é a maior atração para os chineses que visitam a Praça da Paz Celestial, em Pequim. Pude ver, semana passada, uma fila quilométrica de pessoas querendo ver de perto o "deus" Mao embalsamado numa redoma de vidro. Contaram-me que alguns ficam até oito horas nessa fila. Na ocasião que estive na Praça a temperatura girava em torno dos 3ºC. (Vide foto acima). É impressionante a idolatria dessa gente. Já Xiaoping foi o grande responsável pela abertura econômica do país, sem abandonar a rigidez política. Há, ainda, muitas restrições. O povo não goza da liberdade de expressão e a imprensa é controlada. Twitter, Google e Facebook, nem pensar. Este Blog, por exemplo, não pode ser aberto, por lá. Depois da abertura econômica a partir da década de 80, empresas estrangeiras puderam se instalar e o que mais vemos são as grifes mundiais dominando o mercado local.
O país é certamente o maior mercado mundial. Pense no que sejam 1,4 bilhão de pessoas para alimentar, vestir, educar, divertir, transportar e etc. A economia cresce em ritmo galopante, a uma media anual de quase 10%. O Produto Interno Bruto (PIB) atingiu em 2009 a espetacular marca dos 4,91 trilhões de dólares americanos. Eu disse trilhões! Recentemente a China ultrapassou a economia japonesa e é agora a segunda maior do mundo, ultrapassada apenas, e por enquanto, creio eu, pelos Estados Unidos.
Fora isto, a China de hoje é monumental em tudo que se possa imaginar. É onde existe o maior número de gruas em ação. É onde mais se constroem rodovias, pontes, viadutos e túneis, altíssimos edifícios, aeroportos – cada um mais belo do que o outro – e vai ter logo em breve a maior usina hidroelétrica do mundo com capacidade de quase quatro itaipus.
Eu visitei um “planeta” diferente, chamado China.
NOTA: As fotos são da autoria do Blogueiro

14 comentários:

Antonio Magalhães disse...

´\e o modelo que o PT sonha em implantar por aqui. Desempenho econômico e fim das liberdades democráticas, censura à imprensa, prisão de dissidentes. A China quando muito vale uma cusparada.

Mauro Gomes disse...

Caro amigo,

Lendo o seu texto dá uma vontade enorme de conhecer essa país milenar.

Mauro Gomes

Edvaldo Arlego disse...

Caro Girley. Só encontro uma explicação para tudo isso: SERIEDADE. ABRAÇOS Arlégo

Juan Antonio Flores disse...

Gracias por tu información y espero que estes muy bien.
Espero informa´ción de tu viaje a China,
Juan Antonio Flores (El Salvador)

Susana González disse...

Así me imaginaba tu blok, tan esplendido como la China que describes, yo también creo que su grandeza se debe a Mao, solo hay que oensar que vistio a la mitad de la población mundial, con vestidos iguales pero de que otra forma, los educo los hizo trabajar y el resultado es esté, si piensas la única forma de sacar a ese pueblo de la miseria en que vivían era así con esa disciplina, pero también creo que cada vez están más cerca de ser más libre, precisamente por sus avances, si me equivoco corrígeme. Otra cosa que es grandiosa la filosofía de Confucio y sus seguidores, logro darles tal sabiduría suficiente para levantarse de donde estaban, aunque creo que ahora no se los permiten, pero les labro el carácter.

Sigue describiéndonos lo que viste. Besos Sunana

Pedro Brasileiro confirmou e disse...

Tio,

Apesar de fazermos parte do mesmo bloco econômico dos países emergentes, nós não chegamos a um centésimo do respeito oriental. Lá, vemos uma política sincronizada,a qual apesar de termos conciência das falcatruas, o governo age com um maior respeito. Aqui, no entanto, começa com um papai noel como presidente, seguida por uma sapa falante como candidata e para finalizar, tam-tam-tam-tam, um palhaço na câmara federal. Ainda apostam que se a cabeluda for eleita, nosso país irá melhorar, devido ao grande apoio dos diversos segmentos do governo, realmente, agora não haverá a compra de pessoas, escondendo o dinheiro na cueca, e sim, a "troca" entre os "políticos" de um capital favorável ao lema: "Para o Brasil continuar mudando!"
Que mudança, hein!

Maria Isabel Badido disse...

Estimado Girley Antonio,
Ojala y estés súper bien, me da mucho gusto que hayas ido a China, te deseo que todo siga bien, y que bonito que compartas con tu familia todos estos viajes.
Saludos,
Maria Isabel Badido (Mexico),

Y bueno si tienes mucha información va enviando poco a poco para conocer toda tu experiencia…

Leony Muniz disse...

Carissimo

Hoje amanheci pensando quando você iria regressar dessa viagem maravilhosa pela China, e nos brindar com uma crônica. Chegou, como eu esperava, com os detalhes do seus olhos de ver e sentir. Parabéns, mais uma vez. Uma informação : antes de Mao, haviam 600 idiomas na China, e ele conseguiu unificar. Espero mais. Abraços, Leony Muniz

Flor Oquendo disse...

Maravillosa tu reseña sobre la China Girley !! Posiblemente vaya el próximo año ...... se está programando un concierto allá
Un gran abrazo,
Flor Oquendo (Venezuela)

Tereza Gadelha disse...

Girley
Todo encantamento eu não trocaria pela minha liberdade, tenho lido muito a literatura chineza ;
lhe recomendaria o livro A Montanha e o Rio, autor Da Chen.
Essa é apenas um dos livros que já lí
Tereza Gadêlha

Anônimo disse...

Caro Girley,
Muito interessante o seu relato, a China efetivamente é um grande laboratório para nós, brasileiros.
Abraços,
João Conte

João Conte disse...

Caro Girley,
A China é um fantástico laboratório, a céu aberto. Muito interessante o seu relato.
Abraços,
João Conte

Adjar Soares disse...

Caro amigo, sinto-me a vontade para comentar, pois estive durante 15 dias com você nessa viagem, no meu caso representando a CDL Caruaru, comcordo com suas colocações e observações e ao que me parece se temos muito a aprender com a cultura milenar da China teremos muito mais para aprender com o futuro que os chineses estão preparando para eles e para o mundo.
parabéns pelo blog.

Adjar Soares

Francy e Carlos Guttierrez disse...

Tive a impressão há onze anos atrás quando visitamos a China pela primeira vez que era, de fato monumental. Imagino já agora em setembro quando iremos pela segunda vez ao Planeta China, incluindo Macau e Hong Kong...
Tirando as coisas ruins dos sistemas de governos totalitários, a China tem histórias e permanece na História com seus belos monumentos e muito mais.
abs,