sábado, 9 de outubro de 2010

Tiririca da Vida

Antigamente era bem comum se dizer que um sujeito colérico, raivoso ou revoltado estava tiririca. Confira num dicionário. A partir de domingo passado, porém, as coisas mudaram e tiririca passou a ser sinônimo de Deputado. Não é engraçado? Acho que, de agora em diante, uma pessoa não fica mais “tiririca da vida” e sim “deputado da vida”, acompanhando a modernidade do Brasil. Pensando bem, e desse modo, por exemplo, quando há dois meses eu fui covardemente assaltado a mão aramada, levaram-me a carteira com documentos, cartões de crédito e dinheiro, além do meu celular, eu fiquei d-e-p-u-t-a-d-o da vida. É uma senhora mudança de forma. Imagine que tem muito mais charme dizer “minha mulher está deputada comigo porque não lhe dei um vestido novo”. Não é mesmo?
Mas, meus amigos, quem anda tiririca, de domingo para cá, sou eu, com essa desmoralização da democracia brasileira, já tão carente de consolidação..
É simplesmente revoltante ver um cidadão, no nível do palhaço Tiririca arrebatar 1,3 milhão de votos de eleitores, certamente, alienados ou ingênuos. Coisa de paulista ignorante mesmo, que não tem noção adequada do que seja eleger um bom representante para o Congresso Nacional. Aliás, isto é fato recorrente em São Paulo. Foi assim que, no passado, votaram no rinoceronte

Cacareco, nos Malufs e Clodovis da vida. Ou seja, votar num Tiririca, sob alegação de estar dando um voto de protesto, é a coisa mais simples para eles. Quanta ingenuidade... Ah! O pior é que tem gente que garante o voto quando ele se apresentar como candidato a Presidente da República. Valha-nos Deus! Tem até fotos alusivas a essa barbaridade. Aí, sim, chegaríamos ao caos caótico. Acho que nosso povo está cansado das promessas mirabolantes e enganosas, sendo levados a zombar da seriedade.

Alienados, ingênuos, ignorantes ou coisa parecida, porque não tiveram o cuidado de analisar o que vem por trás dessa manobra espúria. Uma autêntica malandragem. Não sabem eles que ao elegerem um ignorante, talvez analfabeto, como é o caso de Tiririca, estão contribuindo para o sucesso de uma estratégia política estúpida - falha de um sistema eivado de equívocos - de arrastar, via coeficiente eleitoral de um partido nanico, elementos nocivos à sociedade que representa e à Nação, para atuarem na Câmara Federal. O partido do deputado eleito, Tiririca, e seus coligados estão deitando e rolando na montanha de votos que o palhaço recebeu nas urnas. Junto com ele serão empossados mais dois ou três parasitas, autores da mutreta e com tremendas FICHAS SUJAS. A revista Veja dissecou a coisa, de forma bem didática. Formarão um novo bloco parlamentar em Brasília, que poderia se chamar de Os Titiricas e, com certeza, integrando o chamado Baixo Clero, isto é, grupo de deputados sem grandes prestígios e pouco atuantes, entre outras cositas más.
Agora, me diga mesmo, é ou não é necessária uma reforma política urgente neste país. De Gaulle, lá por cima, onde atualmente circula, deve ter dado boas gargalhadas e ratificado sua máxima de que “o Brasil não é um país serio”, ao ver o povão paulista tiriricando. Não é revoltante? Eu pelo menos não tolero mais tanta bandalheira. Aliás, ando tiririca da vida, com essa situação. Mas, atenção, na acepção antiga.

NOTA 1: Foto colhida no Google Imagens

NOTA 2: O Blogueiro fará uma pausa nas próximas duas semanas, em virtude de uma viagem a China. No retorno trará noticias e impressões do que verá no Oriente.

Um comentário:

Edvaldo Arlego disse...

Caro Girley. Parabéns pela abordagem política e pela maneira elegante e bem humorada de conduzir o texto. Entretanto, entendo que Tiririca não tem nada a ver com o assunto. Aliás, acho que você concorda. São os aproveitadores do sistema de eleição que se beneficiarão.
Quanto à eleição de um palhaço, vale destacar uma frase atribuída a Charles Chaplin, mas que de fato foi dita por Fred, o saltimbanco que se fazia "cavalo" para o famoso palhaço Carequinha platéia delirar de alegria. "Se você tivesse acreditado na minha brincadeira de dizer verdades, teria ouvido verdades queteimo em dizer brincando. Falei muitas vezes como palhaço, mas nunca desacreditei da sinceridade da platéia que sorria". Essa frase está na última página do meu primeiro livro, "Diálogos no Picadeiro da Vida", hoje na sua quadragésima terceira edição, com mais de 120.000 exemlares vendidos. Na realidade o que Tiririca salientou foi o quanto é falho o sistema de eleição no Brasil e o quanto estão despreparados os eleitores. Acredito que, se ele for honesto, poderá fazer um papel bem melhor que um "doutor" desonesto. Afinal, o exemplo temos em mão. Tivemos Imperadores, Nobres, Engenheiros, Advogados, Economistas, Médicos, Generais, Marechais, e tantos outros, porém nenhum deles, no exercício da Presidência da República, conseguiu a projeção externa que o Brasil tem, nem o padrão de vida que os brasileiros desfreutam nos dias de hoje. E o responsável por esse feito é um hoje nordestino, como Tiririca, gracejador como o novo deputado paulistano e quase analfabeto. Afinal, para se conhecer um homem é preciso que se lhe dê dinheiro, poder e alcool, pois só assim ele se revela. Abraços, Arlégo.