quinta-feira, 12 de junho de 2008

O PECADO DE SER NORDESTINO

É impossível ficar alheio aos recentes acontecimentos na esfera do futebol, envolvendo times de Pernambuco e do Sudeste. Uma disputa que foge do seu natural campo, isto é, o verde gramado e passa a rolar no chamado “tapetão” do tribunal de justiça desportiva, na mídia e na rua.
O que estão fazendo com o Náutico é uma vergonha nacional. Não se admite que um jogador inexpressivo, de um time carioca, somente porque vem do que eles chamam de Sul Maravilha, chegue aqui, desrespeite jogadores adversários, público e autoridade policial e queira sair como vitima.
É inadmissível, também, que uma imprensa parcial, de veículos de comunicação poderosos e de penetração nacional, fique pugnando em favor de times visivelmente incompetentes, somente porque são times paulistas ou cariocas.
Francamente, é levar o preconceito contra nordestino às raias da loucura.
Brincam com uma massa de brasileiros, torcedores fanáticos, que, movidos pela emoção da disputa, perdem o controle e são capazes de cometer qualquer tipo de crime contra o próximo ou à sociedade como um todo, resultando em prejuízos não, apenas, ao adversário próximo, mas à Nação, é claro!
Fiquei sabendo de casos, nesses últimos oito dias, com pernambucanos que foram hostilizados e, até, prejudicados profissionalmente, em São Paulo, em decorrência do recente episódio do Estádio dos Aflitos e diante da possibilidade de vitória do Sport Clube do Recife, diante do Corinthians, na final da Taça Brasil.
Indiscutivelmente, estamos diante de uma campanha orquestrada, sobretudo, pela imprensa do Sudeste, contra dois times do Nordeste, precisamente de Pernambuco, que vêm fazendo brilhantes campanhas, nos campeonatos nacionais, coisa que – na míope opinião sulista – jamais poderia acontecer. É doloroso... e, o pior é que, nessa onda, terminam por incriminar torcedores, clubes, sociedade e governos. Quanta estupidez.
É uma lástima quer isso venha persistindo num Brasil do século 21! É uma lástima que a Nação Brasileira permita tamanha barbaridade. Somos um povo, abençoado por Deus, vivendo num “continente”, rico e grandioso, unido por um único idioma, que facilita a comunicação interna (sendo usado indevidamente, por muitos, é verdade), com uma riqueza cultural invejável e apaixonante, uma história limpa e sem traumas, um quadro natural exuberante, um povo dócil e, sobretudo, alegre pela própria natureza.
Enfim, este é um país no qual a amizade e cooperação, entre as regiões e estados, devia ser melhor cultivada e, inclusive, capitalizada politicamente.
Nesses momentos de estresse e de disputa – entre irmãos – surgem, logo, vozes defendendo a independência do Nordeste. Ou seja, apontam para um movimento separatista, sem chances, acredito sempre, mas que arranham a alma nacional.
Interrompi a redação destes comentário, momentos antes da partida decisiva entre Sport e Corinthians, na Ilha do Retiro, noite de ontem. Sou rubro-negro, daquele grupo moderado, que valoriza a disputa, sem paixão exacerbada. Pronto para ganhar e aceitando a derrota, quando do apito final. Recebi um ingresso-convite para assistir de camarote a partida, mas, passei adiante, face às ameaças dos corintianos, feitas pela televisão, de quebrar, matar e morrer, se não entrassem no estádio. Eram integrantes de uma tal de Torcida Fiel. Os ingressos estavam esgotados, muita gente do lado de fora e forte esquema policial em ação. Em situações dessa natureza estarei sempre fora. Resolvi assistir ao jogo, pela TV.
Diante do televisor, indignei-me com os comentaristas esportivos do Sul, de uma poderosa emissora, incensando o time paulista e dando como certa a vitória. Tenho a impressão que um comunicador de massa deve ser, antes de tudo imparcial, equilibrado e elegante. Não foi o que vi. O sujeito fazia aquilo sem sentir! Alienado totalmente! Era revoltante assistir tudo aquilo. Meu filho cortou o som do televisor e colocou o da rádio local, para que pudéssemos ter mais conforto. O mesmo se deu no intervalo do jogo, quando os pernambucanos já ganhavam o jogo, por 2 X 0. Eles estavam incrédulos e visivelmente esperançosos.
Ao final do embate, com a vitória retumbante do Sport Clube do Recife, arrebatando a cobiçada Taça, vibrei e emocionei-me com a alegria dos meus filhos, também rubro-negros, um ao meu lado e outro no estádio. Mas, não deixei de escutar os comentários pálidos, feitos pelos mesmos comentaristas esportivos sulistas, sob impacto da derrota, nunca antes admitida e dura de ser engolida.
Imagino que, nas próximas horas, irão surgir criticas à arbitragem, sugestão de que o Sport, ganhou roubando, que os jogadores do Corinthians entraram em campo inseguros por estar em Pernambuco, entre outros argumentos. Serão, caso ocorram, desculpas de derrotados.
O time pernambucano ganhou com galhardia, fez uma campanha irretocável, colocou o coração nas chuteiras, provou que a raça do Leão do Norte está mais viva do que nunca. Provou que é brasileiro e, por isso, bom de bola.
Tomara que nossos irmãos paulistas e cariocas tomem isto como lição e entendam que, o fato de ser nordestino não se constitui num pecado.
Na verdade, a vitória do Sport deve ser vista como uma vitória do Nordeste, e lembrar que sem ele o Brasil não seria brasileiro.
Chega de preconceito! Viva o Nordeste e viva o Brasil, unido e coeso.

Nota: a foto foi obtida na Globo.com

Esta crônica dedico ao meu filho José Antonio Brazileiro, rubro-negro de corpo, tripas e alma, que nestas horas está gozando a alegria de campeão e me exigindo seguir, junto com ele, o time, na jornada da Libertadores, numa partida - dado como certa, por ele - na Bomboneira, em Buenos Aires, contra o Boca Juniors. Tomara...

21 comentários:

Corumbah disse...

Girley:
Postei um comentário mas acho que ele se perdeu. Não vou escrever tudo o que já escrevi mas receba meus parabéns pelo seu blog. Eu escreveria quase isso se não tivesse me prometido não escrever sobre política, futebol e religião.
Só para acrescentar, diria que a culpa não é do povo e, sim, dessa mídia nojenta que vive insuflando os torcedores e a opinião pública a seu bel-prazer. Fiquem com suas torcidas organizadas e sua "imprensa" nojenta que nós ficamos com o título.
Saudações rubro-negras!
Corumbá

Evandro Azevedo disse...

Sensacional! Saudações rubro-negras.
Evandro Azevedo

André Mozetic disse...

Amigo Girley ,parabéns pelo texto e sensibilidade .

Certamente reflete o pensamento de pessoas como nós que por opção de nossa atividade ,trabalhamos intensivamente para encurtar as distancias de nosso grande Brasil.
Já basta de preconceitos ,precisamos sim é de um presidente ,já que o Brasil está acéfalo ,pseudo liderado por falsos operários e sociólogos ,dos quais a palavra produção não consta em seus dicionários .
Quanto ao Sport ,muito merecido,pela raça e determinação e de certa forma lava a alma nordestina!
Forte abraço
André Mozetic

Evandro Azevedo disse...

Girley
Sensacional! Saudações rubro-negras.
Evandro Azevedo

Anônimo disse...

Olá Dr Girley
Fico em dúvida se no nordeste temos governantes francos e medrosos que nos faz acreditar a cada mala direta com fotos , comentarios na câmara e decisões que muitas vezes não sabemos para quer e e porque....ou se nós é que somos fracos . Como pode uma torcida parar a avenida boa viagem protestando pelo aumento dos ingressos na ilha( quando em são paulo a torcida do sport teve ireito apenas a 800 ingrssos ), e nada foi feito . O que aconteceria se a torcida do sport interditasse a av: paulista ??? com certeza muitos iriam presos .Doutor Girley nao sou do sport ,sou alvirubra com muito orgulho ,não só porque um dia fui hexa mas pela herança dos meus . Mas como dizia a música cantada por Elba Ramalho "já que existe no sul é conceito que o nordeste é ruim seco e ingrato já que existe a separação de fato é preciso torna - la de direito .... Imagine o Brasil ser dividido e o nordeste ficar independente .." Seria com certeza uma bela e grande conquuista.Começariamos do zero e um grande pais renasceria .

Ana Paula Goes .

Um Grande abraço .

Antonio Lucas disse...

Estimado amigo Girley:
Embora seja eu um tricolor, fiquei contente com a lição dada aos sulistas.
Concordo plenamente com as suas colocações e declaro-me um revoltado com o tratamento que vem sendo dado aos nordestinos, especialmente em Sao Paulo onde grupos organizados vêm agredindo fisicamente pessoas oriundas dessa nossa Região,sem que qualquer autoridade aja para dar um fim a isso.
Parabenizo-o pela conquista da taça e que a raça e o desempenho
do Sport sirvam de exemplo a muitas entidades carentes dessas qualidades.
Um farterno abraço de
Antonio Lucas

Anônimo disse...

Somente posso dizer: É ISSO MESMO, PARABÉNS!

E como Pernambucano completar:
SAUDAÇÕES AUVI-RUBRAS.
Ricardo do Rêgo Barros
JR Produções

Rodrigo Leal disse...

Girley, desta vez os "vigias da grande área" do Corinthians não puderem evitar a derrota paulista que nos consagrou, novamente, campeões do Brasil!

Um grande abraço,

Rodrigo Leal

Marcos Aurélio disse...

Girley, parabéns pela conquista rubro-negra. Espero que sirva de incentivo ao Náutico, afinal, ainda restam quatro vagas.

Saudações alvirrubras.

Marcos Aurélio

P. S.
Eita! Ia esquecendo de dizer que peguei carona no Blog e atravessei o atlântico, fui até Portugal e Itália. Obrigadinho, arrivederci.

Graça Maria disse...

Querido amigo e cunhado Girley,
Sobre o seu Blog, fiquei encantada - mas não admirada -, pois, saindo de sua cabeça, todas aquelas informações , que são algumas vezes ,esquecidas por uns ,e outras vezes , desconhecidas para outros. São lugares da nossa História, revividos por vc. Aquele viajante que por onde passa ,busca cada pedacinho do (s) século(s) . É como estar presente àquele tempo, em pleno mundo atual, em plena e total tecnologia .Relembrando um passado que não vivenciou; muito embora, por conhecer tudo aquilo e por ser um conhecedor da cultura geral, torna-se ainda mais, plenamente gratificante. Ressaltando que não poderia deixar de ser vc mesmo, uma das pessoas mais capacitadas,a transmitir tais experiências, com eloquência e tanto carisma.Muito bom mesmo,excelente. Parabéns pelos textos tão bem escritos e elaborados.
Quanto a nossa vitória rubro-negra....Grande vitória!!! Somos vitoriosos,não importa se nordestino. Mostramos a força e as garras do nosso leão. Aqui em casa somos tres leoas nordestinas ,também guerreiras.
O preconceito muitas vezes pode ser visto como despeito , depende do âgulo de visão
Bjão,cunhado querido, adoro vc.
Graça Maria
PS.: mandei p/José Luis, em P0rtugal.

Anibal Rolemberg disse...

Prezado Girley
Comentario sensacional ! Estou ao lado do Nautico ,que esta´pagando pela falta deeducação de umprofisional de futebol, despreparado e que não sabe perder.O nordeste e´celeiro de craques !
Um forte abraço
Anibal Rolemberg

Ana Maria Menezes disse...

Girley amigo, sabe o que? Eu acho que se tivéssmos um movimento separatista, ou como diz você uma "independencia do Nordeste" iríamos até melhorar de status social. Passaríamos a ser visto como os "Quebequenses" do Brasil. Você já imaginou a vaidade de poder ser comparado ao Canada? Um grande abraço
Ana Maria Menezes (Washington-USA)

Mauro Gomes disse...

Caro Girley,

Assim como a conquista do nosso Sport, o seu comentário vai ficar na história.

Anônimo disse...

Caro Girley, esse comentário deveria ir direto para todos os jornais, inclusive os do Sul, a fim de que esses repórteres pudesse aprender como se deve escrever claro, preciso e consiso sem perder a elegância. É uma pena que a Imprensa não dê espaço para textos de qualidade. Parabéns e meu afetuoso abraço de um rubro-negro de meia tijela, pois não vou o campo, não sou sócio e nem assisto pela Tv aos jogos do meu clube.

Anônimo disse...

Companheiro Girley, seu comentario é um grito de bravura, entendido não só pelo universo rubro-negro, mas, por todos nordestinos sãos de corpo e alma; os insanos estão fora. Parabens pela mensagen que espressa o amor a causa da unidade nacional. Parabens

Cássio disse...

Olá, Girley!
Bom saber que eu não o único a ter esse tipo de pensamento. Infelizmente, este é um tipo de preconceito que enfrentamos não somente no estádios, mas sim, em geral. Calamos as bocas dos sulistas metidos a donos do mundo. Parabéns pelo excelente comentário e, aproveitando o "embalo", quero dizer que também tenho um blog (talvez não seja muito voltado para o seu gosto) que retrata um pouco da cena musical britânica. Como sou muito fã desse tipo de música, não poderia deixar de criar um blog falando de tal estilo musical que eu adoro. Mas é justamente esse o objetivo de um blog: fazer e escrever o que gostamos e sentimos. O endereço é o www.britishpoint.blogspot.com. Sinta-se à vontade para visitá-lo. Enfim, deixo aqui um grande abraço e de toda família para você. Lembranças para todos.

Cássio Romero (filho de Wilma)

Conceição e Francisco Diniz disse...

Girley
Parabéns pelo seu artigo. Adoramos e concordamos com sua opinião.Basta de tanto preconceito. Temos mesmo é orgulho de ser nordestinos.
Um abraço e saudações rubro-negros
Conceição e Francisco Diniz

Rinalva Silveira disse...

Amigo Girley:
Se o povo l� de "baixo" n�o sabe nem que Pernambuco fica no nordeste?! Esperar ent�o o que deles?
O importante mesmo � que o Sport venceu. N�o tor�o por nenhum time, mas em se tratando da busca de um titulo que engrandecer� o nosso Estado, entro na torcida p`ra valer. Na minha opini�o faltou Ariano Suassuna cantando o Hino de Pernambuco. A� sim, seria imortal, imortal.
Beijos,

Antônio disse...

Caro Girley: retornando de Maragogi, somente agora envio minha opinião. Seu texto sobre o episódio está irrepreensível. Tenho sempre afirmado e reitero para seu blog: a explicação é simples, uma equação, nada mais: O Nordeste está para São Paulo e para o Sul Maravilha, assim como o Brasil está para os Estados Unidos: quintal, quintal e nada mais... - Abraços, Antônio Azevedo

Anônimo disse...

Girley, fiquei exatamente como você durante o jogo, indignada com o comentarista que mudei de emissora. Você expressou nosso sentimento da melhor maneira. Você é D+.
Um abraço, Clecia

Anibal Rolemberg disse...

Obrigado por publicar minha opinião sobre seu belo trabalho ,destacando o Campeão Rubro Negro ,viva o Sport , viva Pernambuco, viva o Nordeste , viva meu amigo Girley! Um forte abraço .
Anibal Rolemberg