terça-feira, 4 de julho de 2017

Confissão de Tristeza

Sou dessas pessoas que quando abraça um ideal de trabalho faz de um tudo para realizá-lo. Postar artigos no Blog, por exemplo, tem sido minha “cachaça” semanal. Quando não é possível no fim de semana, sai no mais tardar no inicio da semana. Contudo, há ocasiões em que a coisa fica tão difícil que é dureza produzir alguma coisa. Esta semana foi assim. Tratar desses perrengues políticos, que me vêm ocorrendo, já está cansando. Chega, mesmo, a provocar desânimo. Não que faltem outras pautas adjacentes, mas, cadê o estimulo para abordar certos aspectos dessa parafernália nacional? Além do que, encher a paciência dos leitores freqüentes não é do meu interesse. Para eles, já basta a dose cavalar da mídia aberta. Não tem quem suporte mais. Essa arenga entre os três poderes já passa dos limites toleráveis.
O pior, contudo, é que, saindo do domínio da política, tudo mais, ainda que muitas vezes interessantes abordar, virou coisa corriqueira. Banal. São temas que fazem parte do dia-a-dia nacional e quase sempre passam despercebidos. Coisas graves como assaltos, roubos, assassinatos, balas perdidas, violência contra a mulher, sequestros, desastres, drogas, menores em situação de risco, fome, seca, inundações, entre outros, seriam assuntos a serem abordados. Difícil, porém, é me entregar à produção de relatar ou tecer opiniões sobre alguma dessas matérias. Pensando bem, o bom mesmo seria dar um giro por ai e voltar contado sobre o que vi. Falar de viagens dá sempre uma audiência alta.
De todo modo e como o tempo não para, pinço um tema especialmente chocante ocorrido nesta semana: uma senhora grávida, em compras num mercado de Duque de Caxias, no Rio de Janeiro, foi atingida no abdômen por uma bala perdida, em meio a um tiroteio entre traficantes e a polícia. Levada às pressas para um pronto socorro, deu à luz a uma criança do sexo masculino, que infelizmente foi, também, atingido pela bala na coluna vertebral e na cabeça. Examinando o recém-nascido, constatou-se que a grave lesão o deixou paraplégico. Que horror! Que infelicidade para uma mãe que esperava – cheia de esperança e satisfação – a chegada do herdeiro. Que desdita desse futuro cidadão que pagou alto preço antes mesmo de vir ao mundo, neste Brasil violento e inseguro dos nossos dias.  
Episódios como o dessa Senhora e seu filho somente escancaram a imagem gerada pela energia negativa e o desgoverno que reina neste Brasil de hoje. O cidadão antes mesmo de nascer já é dramaticamente marcado pela violência do meio. Para muitos pode ser uma coisa crível, mas, sem sombra de dúvidas, é degradante e doloroso. Triste é ver que, enquanto isto, as autoridades da República travam uma guerrinha suja, comendo-se uns aos outros, para se sustentarem no poder, abandonando a Nação, que afunda cada vez mais na orfandade. Já se mata muito mais neste país do que nos atentados perpetrados por terroristas, no resto do mundo. E esse mesmo mundo olha abismado para este Brasil se esvaindo.
E a população, já bem desarticulada, assiste, à margem de tudo e de modo perplexo, sem saber como se portar. Ninguém mais vai às ruas para protestar, ninguém promove panelaços e o futuro é cada vez mais incerto. Letargia geral. O que fazer? Aparentemente, ninguém sabe. Resta apenas esperar em cada amanhecer um novo episódio doloroso que termina ficando por isso mesmo.
Acorda povo brasileiro! Lembra-te que sempre fostes forte e nunca fugistes a luta.
E diante deste quadro, confesso minha tristeza.         


11 comentários:

Edna Claudino Diniz disse...

Amigo, retratas neste texto o sentimento de muitos... A falta de esperança é tanta que as palavras somem para comentar!
Que Deus tenha piedade de nós, e não desista de ser brasileiro, como muitos estão fazendo!!!!

restony ribeiro disse...

Meu nobre amigo Blogueiro, se mantenha firme na caneta ou no teclado, entre uma amenidade e uma realidade mas marcando posição com suas reflexões lúcidas e atuais, não vamos desistir da cidadania mesmo num mar de absurdos e idiossincrasias. Um forte abraço

JR Produções disse...

Bravo, bravo, bravo
Parabéns, pois compartilho do mesmo sentimento!

valerio guidotti disse...

Amigo Girley ,concordo com tudo ,e resolvi também não emitir opinião ,no máximo ,vou curtir e a última opinião é: estamos num meio de uma briga de Gangs ,uma no poder e outra , querendo o poder e braços fortes e mão amiga Nada .



Adierson Azevedo disse...

Amigo Girley,

Mais um excelente post saído de uma das cabeças mais privilegiadas que Pernambuco e o Brasil produziram em todos os tempos. Meu amigo, só sinto que seja mesmo desanimador o Brasil e tudo que nele há para se comentar.
Os perrengues político-sociais, já tenho estado afônico, de tanto falar e escrever, acontecem porque os "áulicos" do poder e da elite política, correm feito loucos do Voto Distrital e da liberdade cambial total, como ocorre no Panamá, no Ecuador, no Suriname, entre outros lugares maiores e menores.
Neste país, criaram reservas de monopólio e de mercado para tudo. O governo é dono ou concede funcionamento para mais da metade da Economia nacional. O subsolo, num arroubo constitucional ridículo, não pertence ao "dono" da superfície e, sim, ao governo travestido de nação. Ainda existem os preços administrados em concessões que o setor público não consegue cuidar o fazer melhor.
Diante de tantos maus exemplos de domínio, resta a você e a mim, o desânimo. O Brasil que, certamente, amamos, é uma peça de ficção. Ele não existe ou acabou antes de começar.

Abraços,
Adierson

Tobias Silva. disse...

A tristeza é muito grande! O brasileiro cansou.
Tobias Silva

Claudio Targino. disse...

Muito bom.
Você que tem o nome de brasileiro não suporta mais, calcule a quem não tem.
Claudio Targino

Robson Sandro disse...

Uma tristeza realmente amigo. Fico também perplexo com o que estamos vivendo. Abraços.
Robson Sandro

Raida Branco disse...

Amigo querido faço das suas palavras a minha realmente estamos vivendo um momento muito triste. Continue escrevendo que nos dá sempre notícias interessantes e realistas. 😘🙏
Raida Branco

Ernani Brasil disse...

Esse período que vive o Brasil, é extremamente necessário que ocorra, pois é apenas o início de um processo de depuração da nossa sociedade.

Cristina Carvalho disse...

Amigo Girley, compartilho da sua tristeza diante do quadro político que estamos vivendo no Brasil: a briga de egos inflamados e do quanto pior melhor anunciado pela "presidenta" ao sair do governo. Concordo que nenhum deles faz esforço para minorar a situação. Ao contrário, colocam mais lenha na fogueira que está cada dia mais alta e viva. É uma tristeza assistir esse filme diário e ver que estamos "quase sem saída". Gostei do seu escrito, como sempre. Abraços !!!🌻
Cristina Carvalho