domingo, 4 de dezembro de 2011

Brasil Caixa 2

O Natal está chegando e outra vez surge a polemica da decoração/iluminação da cidade do Recife. Isso tem sido um problema, a cada ano, porque rolam milhões de Reais e a coisa é sempre a desejar ou eivada de erros e, o pior, lamentáveis “assaltos” aos caixas da municipalidade. Já critiquei, mais de uma vez, essa coisa. Nunca me esqueço dos trapos azuis e encarnados – referindo-se ao folclore do pastoril – que, há alguns anos, penduraram nas árvores da Avenida Agamenon Magalhães (prinicipal da cidade) e pagaram milhões de Reais ao decorador. Cristo não perdoará nunca!
A decoração do ano passado até que mereceu elogios. Estava vistosa e provocava certo impacto visual. No bairro do Recife Antigo ficou correto e digno de admiração. Mas, o que se observa na decoração deste ano, inaugurada nos últimos dias de novembro, além de tímida, deixa muito a desejar. Faltam as guirlandas e arcos de luzes que caracterizam essas ornamentações em qualquer lugar do mundo. Falta quem – com bom gosto e conhecimento do ramo – faça um projeto digno do Recife. Eu era bem jovem e lembro-me da decoração natalina da cidade, na gestão de Augusto Lucena, que era um deslumbre. As pontes foram as vedetes, naquela época, o Capibaribe se enchia de luzes com imagens sugerindo os festejos. Havia competência na administração e menos desvios de verbas.
Minha indignação aumentou, esta semana, quando ouvi uma entrevista da vereadora Priscila Krause, vigilante segura dos desmandos petistas à frente da Prefeitura do Recife, denunciando a armação que está por trás dessa decoraçãozinha natalina de 2011: são R$ 5,0 Milhões! Pelo amor de Deus! Isto é um despautério! É uma grana preta para produzir adereços de reciclados. Uma fortuna – em vista do produto – tirada dos cofres municipais e que certamente farão falta a projetos de investimentos em beneficio da população recifense. De cara logo, ouvi da entrevistada que a metade dessa verba foi arrancada de uma orçada para beneficiar a comunidade de Beberibe (subúrbio recifense) com obras de melhorias urbanas. Ora, aqui prá nós, se assim for, é uma imoralidade. Tirar da verba destinada a melhorar a qualidade de vida da população para produzir penduricalhos natalinos – de gosto estético duvidoso – a titulo de decoração natalina da cidade é um absurdo. Uma cidade como o Recife, carente de melhorias em pavimentação, iluminação publica, esgotos sanitários, galerias pluviais, LIMPEZA, segurança entre outros itens, não pode desperdiçar verbas por menores que sejam. É revoltante.
Naturalmente que não precisa ser especialista, nem calculista, para perceber que aquilo que penduraram nas árvores da Agamenon não custaria essa soma de recursos. Fica claro que a história é a mesma de sempre: alguém vai embolsar a maior parte dessa grana e esse alguém já se sabe quem pode ser. É só lembrar que no próximo ano teremos eleições municipais e mata-se a charada, prontamente.
Infelizmente o nosso eleitor é míope, os nossos vereadores são impotentes nas suas ações e os nossos Tribunais de Contas não sabem conferir. Outro dia, alguém me disse que as tramóias são tão sistemáticas que não dá para conferir todas. Pobres de nós, os contribuintes. Haja impotência civil diante de tanta malandragem. As coisas fluem de maneira descarada e ironizando com quem tem noção da realidade.
Está aí mais uma prova do Brasil Caixa 2.

NOTA: Nada de ilustrações. Não vale á pena.

7 comentários:

Vitor Hugo disse...

Pois é amigo. E olha que já estamos no dia 5 de dezembro e a decoração de Natal só não está mais "pobre" devido à iniciativa dos cidadãos que buscam esmero na decoração de casas e prédios. Não fosse isso, teríamos que nos conformar com a decoração reciclada da Prefeitura do Recife! Espere aí, se a danada é reciclada, não devia ser mais barata???
Abraço, Vitor Hugo

Edvaldo Arlego disse...

Caro companheiro. Parabéns pela crítica construtiva quanto à decoração natalina do Recife. Concordo ainda quanto à belezxa que foi os Natais da era Augusto Lucena. O responsável pela decoração daquela época parece-me que foi um funcionário de teleteatro da TV Jornal. Abraços, Edvaldo Arlégo.

José Artur Paes disse...

Amigo Girley, quase deixando de ler o caderno de POLÍCIA, quero dizer, de POLÍTICA, por estas mazelas que você muito bem denunciou, e por outras tantas que não cabem no espaço do seu Blog. A última da RF ampliou a dor na alma da hora de quitar os impostos. Única vantagem: Os fiscais da RF roubaram antes dos políticos ladrões. De Gaulle "tava" certo: Le Bresil n´est pas un pays serieux !! José Artur Paes V. de Melo

Roberto Tenório disse...

Roberto escreveu: "Dr. Girley Brazileiro, também achei muito fraca as decorações do Recife... é uma pena."
Roberto Tenório

Jane Ayre, Poeta pintora de 7 disse...

Pois é companheiro, estamos no dia 5.12 e nada de visual reciclado e belo, nas praças e principais avenidas do nosso querido Recife, com tantos olhos anciosos e águas para refletir... Mesmo sem querer ser saudosista, tem-se que lamentar;
continue defendendo as cidades que admira.
Ladjane Conolly

Danyelle Monteiro disse...

Prezado professor,
É vergonhoso tamanho gasto público numa decoraçãozinha dessas, que sairia praticamente de graça... um verdadeiro descaso com o povo, tirar de comunidades carentes para isso... desse jeito é muito bom ser político, ele deveria ser notificado pelo Ministério Público, espero que o Tribunal de Contas caia em cima, afinal de contas, antes tarde do que nunca.
Grande abraço,
Danyelle Monteiro

Cristina Antero disse...

Prezado Girlei,

Só nos resta desejar que a luz divina, indiscriminada e gratuita do Natal clareie estas mentes de atitudes obscuras, pois, além de tudo o que foi dito na dimensão política, tirar recursos de necessidades básicas para outras finalidades viola o mais importante princípio cristão de compaixão e amor ao próximo. Como disse Jesus, perdoa, Senhor, eles não sabem o que fazem.

Abraços,

Cristina Antero