domingo, 26 de setembro de 2010

CARGA PESADA

Eu havia feito o propósito de não falar de eleições, políticos e candidatos, por sentir um desgaste muito grande ocupando meu tempo com essa palhaçada que, mais uma vez, se espalhou no país. Mas, é impossível ficar mudo diante de tantas barbaridades. Pelo menos para mim, que sou, no final das contas, um animal racional e com fortes sentimentos políticos. Seria negar minha natureza. Violentar-me-ia.
Meu voto será consciente em três de outubro e estou seguro disso. O mesmo não penso sobre a maioria dos brasileiros. Dá pena de ver a alienação da pobre gente do meu país. Tiro pela secretária doméstica que tenho na minha casa. Esta manhã ela confessou que está achando muito difícil para votar neste ano. “Tem que marcar cinco números, Doutor. É isso mesmo? Não botaram número demais, dessa vez? E o Senhor já viu que tem um que é bem grandão...” Isto para uma pobre coitada, analfabeta, que vive aqui na minha casa, escutando tudo que se fala e vendo o guia eleitoral gratuito. No dia da eleição ela vai à seção eleitoral, desenha o nome dela e entra na cabine eleitoral indevassável. Lá dentro, muito ancha, marca qualquer coisa e no final diz orgulhosa que votou em Lula. Coitada nem sabe que ele não é candidato. Pode ser um voto perdido. Imagino, também, os tristes (ou felizes, quem sabe?) que são eleitores nas brenhas do sertão nordestino ou perdidos na Amazônia. Voltam para casa dizendo que votou em Getúlio Vargas. Acredite que tem. Não é piada e quem me falou isto foi um conhecido amazonense. Claro que tem alguém digitando um voto ao seu bel prazer e interesse, no lugar do alienado portador de uma titulo eleitoral, se aproveitando da ignorância do eleitor. É muita patifaria. Ou melhor, um processo eleitoral inadequado ao país.
Outra coisa me deixa profundamente irritado, neste cenário, é ouvir as promessas desses cínicos candidatos, repetindo as mesmas promessas dos candidatos das eleições passadas. Aliás, pensando bem, acho que, à luz das promessas atuais, seja qual for o eleito, o Brasil vai cair em boas mãos. As promessas são parecidí-i-i-i-i-íssimas. Já notaram? Até Marina, mesmo com a verdura que vende, não deixa de bater nas teclas comuns. Quero ver cumpri-las. É tudo conversa mole, minha gente. Tolo é quem vai atrás dessas baboseiras eleitorais.
As mais “divertidas” são as promessas da reforma fiscal e reforma política. Faz-me rir. Vou morrer e não vejo essas promessas serem cumpridas. E, olha, que são as mais velhas e a mais necessárias para o bem da nação. Eu disse nação! A candidata do Lula bate no peito e diz solenemente “EU (ela adora usar a primeira pessoa) prometo fazer uma reforma tributária, porque não dá mais para continuar com uma carga tão pesada”. Tenho a sensação de assistir a um programa de humor. Negro, é claro.
Neste fim de semana, que termina hoje, fui à bela Maceió, capital de Alagoas. (Foto a seguir) Cumpri dois compromissos sociais, marcados por dois casamentos. Nessas comemorações o mais comum é que – com um uísque a mais – os convivas logo se exaltem e começem a “fazer campanha”. Saí convencido e decepcionado, claro, de que muitos alagoanos perderam a memória e vão eleger Fernando Collor de Mello, governador do estado. Pode uma coisa dessas? É impressionante. Agora, tem uma coisa, a maioria das vezes o argumento mais forte é de que Lula e seus comparsas deixaram Collor no “chinelo”. Que o ex-presidente alagoano não soube fazer a coisa bem-feita e roubou pouco. É doloroso ouvir estas coisas. Resta saber se estão dando outra chance ao collorido para ele retornar e fazer uma “administração” bem-feita. Não vou negar que me ri a valer dessa alienação coletiva. Bom, as festas de bodas, das quais participei, ficaram bem divertidas.
Se a reforma tributária é necessária, a política é fundamental. Acho que antes da tributária deve vir a política. É preciso mais seriedade dos nossos legisladores para entender o que fazer na hora de detonar o Custo Brasil. D. Dilma tem razão quando diz que a carga é pesada. Difilcil é ter certeza de que ela tenha consciencia desse peso.
NOTA: Fotos do Google imagens

6 comentários:

Arlego disse...

Caro Girley. Considerando o tema, desta fez não farei qualquer comentário a respeito. Até porque, o erotismo não é assunto do meu interesse. Se o companheiro não sabia, as relações entre políticos e eleitores é erótica por natureza, pois é sempre um querendo F... o outro... E o pior é que o eleitor é sempre quem se lasca. Abraços, Arlégo.

Anônimo disse...

Gi,
Eu estou desolada com a letargia, ignorancia, cretinice e tudo mais no genero, dos nossos compatriotas. Esta ausencia de valores está me deixando ensandecida. Já imaginou amigo que seu blog corre o risco de ser censurado futuramente por estes cretinos sem escrúpulo. Vamos virar uma Venezuela. E quando os oportunistas de plantão neste governo passarem a sentir as consequencias, o mal ja esta feito.
Estou apelando para a Providencia Divina. Sera q. Deus é brasileiro?
abs. lulu

Danyella Monteiro disse...

Boa tarde Sr. Girley,
Adorei sua crônica e ri bastante também; adorei a “verdura” de Marina e também assisto o programa eleitoral no intuito de dar boas risadas, pois de fato, as propostas são praticamente iguais...
Sobram propostas e problemas, mas falta comprometimento, ética, enfim, vou parar por aqui.
Daria até para me conformar de certa forma, se constatasse que o povo tem memória fraca, mas o que não dá para engolir é saber que lembram exatamente de quem são certos políticos e mesmo assim apóiam, como o Collor por exemplo.
No mais, foi ótimo ler um texto simples, direto, com sotaque nordestino, sem as meia dúzias de palavras que muitos intelectuais utilizam para parecerem mais inteligentes, porque antes de ser Recifense e Pernambucana, sou Nordestina.
Abraço e até a próxima crônica,
Danyelle Monteiro

E. Arlego disse...

Caro Girley. Considerando o tema, desta fez não farei qualquer comentário a respeito. Até porque, o erotismo não é assunto do meu interesse. Se o companheiro não sabia, as relações entre políticos e eleitores é erótica por natureza, pois é sempre um querento F... o outro... E o pior é que o eleitor é sempre quem se lasca. Abraços, Arlégo.

Pedro Pinto Ferreira Brasileiro disse...

Caro tio Girley,

Lula bate no peito, com orgulho, exaltando que a nossa República Federativa Brasileira possui uma das maiores cargas tributárias de todo o mundo. O pobre, perdido no meio de tantas corrupções, leva as mãos ao ar e grita: LULA, LULA e LULA, sem ter a noção do que esse termo representa. Em controvérsia, baseado no texto do seu blog, Dilma grita a Deus e ao mundo a redução dos impostos. Mais uma vez: LULA, LULA e LULA. Ademais, nosso querido humilde presidente vive cantado, no trio elétrico da Ivete Sangalo, o Bolsa ESMOLA, o qual oferece a cada filho um valor desprezível em relação às despesas imensuráveis trazidas com o parto, e o PAC, que é o problema acelerado circular, em síntese, ficamos bestializados, rodando sem parar com tantos problemas. Mesmo assim, nossa caríssima Dilma promete o PAC 2, um ótimo veículo de atração eleitoral, daqui a quatro anos vem o PAC 3 e se tivermos sorte, evoluiremos ao famoso jogo PAC-MAN.
Acho que há alguma teoria petista em que a política é vista como um circo. Tiririca com certeza devia corroborar comigo, se ele soubesse o significado desse verbo.
Hajam vista a minha indisponibilidade temporal, não posso ficar "elogiando" muito nossos companheiros descendentes do meu amadíssimo chará D. Pedro I, o qual nos libertou de Portugal, bradando o inesquecível lema citado nos livros de história: INDEPENDÊNCIA OU MORTE!!! Ora pois, pois, fomos obrigados a aumentar nossa dívida com a Inglaterra para termos o reconhecimento da independência dos "portugas". Contudo, se tratando de temas atuais, posso lhe dizer com toda a convicção, o que me foi dito por um taxista argentino em outras palavras: o nosso quarteto fantástico sul-americano é composto por Hugo Chavéz, grande ditador da cocaína...digo da Venezuela, nossa querida amiga Kristina Kirchner, uma pessoa cuja função é fazer besteira e calar aos jornais, nosso compadre Evo Morales e suas sacolas de maconha e para finalizar, diria que encerraríamos com nosso amiguinho LULA-LA e vossa excelentíssima caipirinha, mas c..o...m...o e...u s...o...u t...e...i...m...o...s...o eu vou acabar com a nossa coleguinha Dilma Rousseff, desfilando nas avenidas do Recife em inúmeros cartazes, nos quais aparece com um topete formado com 90% de gel e o restante com algum cabelo, não sei se a ela é pertencente. Além disso, com um seríssimo problema no pescoço, porque não tem UMA foto que ela não saia com a coluna vertebral reta. Acho que quando tiram a foto dela, dizem que vão colocar no perfil do orkut dessa beldade brasileira com a finalidade de se obter um certo grau de inclinação da sua cabecinha.
Um abraço,
Pedro Pinto Ferreira Brasileiro.

Anônimo disse...

Olha Dr. Girley, acho que foi assim que sua "pobre coitada, analfabeta secretária doméstica" - palavras suas - se referiu ao ilustre blogueiro: o senhor é BIZARRO para não dizer outra coisa, pois os adjetivos, lendo as baboseiras que o ilustre escreve são muitos; acredite! Fico pensando,em horas osiosas,claro, pois ler o seu blog só nos momentos que buscamos a cultura mais inútil que a web pode nos ofertar, o que se passa na cabeça de pseudos intelectuais assim como você para falar de política e com um texto de uma pobreza deplorável, quando diz: " MEU VOTO SERÁ CONSCIENTE EM TRÊS DE OUTUBRO..."; kkkk, só rindo mesmo...Tem uma frase que vem a minha mente nessa hora: "quem te conhece que te compre". Política é coisa séria, política honesta,claro, aquela feita sem visar o próprio proveito, que poucos podem falar e com certeza você não faz parte desta minoria. Para ilustre blogueiro não ficar fantasiando coisas digo-lhe que não sou petista, lulista tampouco dilmista, mas como estava com tempo e paciência resolvi falar um pouco sobre suas linhas... Com toda certeza, o maior alienação desse texto vem daquele que vos escreve...