sábado, 20 de fevereiro de 2010

Respirando bons ares, em Buenos Aires

Voltar a Buenos Aires, a bela capital da Argentina, é sempre um prazer renovado. É isto que sinto após uma temporada, nesses últimos dez dias, praquelas bandas, junto com minha família. Um passeio a cinco e reunindo a tropa, quase toda. A familia que viaja unida, permanece unida!
Cada vez que ando por lá me convenço que não é à toa que o portenho se orgulha de dizer que vive na Paris da América do Sul. Não tem uma Torre Eiffel, é verdade. Mas, tem o emblemático Obelisco, no coração da cidade, diante do qual todo mundo para e posa para uma foto. Vide a do meu filho José Antonio, ao lado.
Realmente, o clima reinante, a dinâmica da vida bonaerense, a arquitetura da cidade, os cafés e bares, a sofisticação dos bons restaurantes, as vitrines, o metrô, os parques e avenidas, o formato do comércio e, enfim, o jeitão orgulhoso e garboso do povo, lembra em tudo a Paris que conheci há mais de trinta aninhos. Sim, porque a paisagem parisiense que vi, nos últimos anos, é bem diferente, dada à massa africana que por lá se instalou e vem provocando sérios prejuízos a cidade. Opinião pessoal, é claro. Mas, isto é tema para outra ocasião, porque hoje o assunto é Buenos Aires.
Neste verão a capital argentina estava mais quente do que o normal e isto levou o povo às ruas até altas horas, criando um ambiente de festa sem fim, reforçada pela presença de verdadeira invasão de brasileiros. Bares, praças e cafés fervilhavam de clientes e encontrar local para baixar era um desafio. As casas de shows, particularmente as de tango, andaram nesse período do carnaval, sem carnaval por lá, com as lotações esgotadas. Tentamos uma dessas, no sábado e, para minha surpresa, as reservas haviam sido encerradas na quinta-feira. Isto dá uma idéia, do que ocorria.
Contudo, como sou “macaco velho” naquela praça e assessorado por amigos nativos não ficamos sem ter o que fazer. Claro que em melhor qualidade e longe do circuito turístico. Fomos parar, naquele sábado, inicialmente em Palermo Hollywood – centro de diversões da moda – e depois num pólo de diversões agitado e, sobretudo bonito, na localidade de Las Cañitas, próximo ao famosíssimo Hipódromo de Palermo, de onde saímos às quatro da manhã. Gente bonita, muita champagne sendo consumida nas mesinhas e sofás, nas calçadas, e uma alegria sem limite. Vide fotos, a seguir.
Com dez dias de férias ficou fácil rever os principais pontos da cidade: Plaza de Mayo, Casa Rosada, Avenida de Mayo, Congreso, o imperdível Puerto Madero, a Calle Florida com suas vitrines tentadoras, o sofisticado bairro da Recoleta, o tradicional bairro de San Telmo, com sua estonteante feira dominical de antiguidades, La Boca e Caminito, as avenidas de Palermo, que merecem ser percorridas com vagar e olhos bem atentos aos palácios e palacetes, no melhor estilo francês, além do monumental parque. E ainda sobrou tempo para ir ao distante subúrbio do Delta do Tigre, cheio de atrações, entre os quais o belo passeio de bateau-mouche, que fizemos, como sempre fazemos, aonde? Em Paris, claro!
Claro que um dos pontos altos da nossa viagem foi nosso tour pelos belos restaurantes portenhos – o Real está valendo um pouco mais do que o dobro de cada Peso, o que facilitou nossa vida – para saborear a insuperável carne argentina, particularmente o famoso bife chorizo, regada aos Malbec somente produzidos pelas adegas argentinas. Meus dois filhos, verdadeiros touros, não deixaram escapar uma única vez. O sabor que eles saboreavam ficava estampado nos semblantes de prazer gustativo dos dois. Eu, que consumo pouca carne vermelha, nesses últimos tempos, me divertia ao contemplá-los naquelas quase orgias gastronômicas. Comeram como se, cada vez, fosse a última das últimas vezes na vida. Benzadeus!
Foram dez dias de bons ares e muito prazer em Buenos Aires. Uma viagem que, quando acaba, dá vontade de voltar. Voltaremos!
NOTA: Fotos do blogueiro

10 comentários:

Susana González disse...

Padre orgulloso, claro que tienes de que, son idénticos a ti, así es como te recuerdo. Tu descripción del viaje hace que uno lo viva de nuevo, también me gustaría volver, pero antes a Recifeeeeeeee. Besos

Susana González disse...

Padre orgulloso, claro que tienes de que, son idénticos a ti, pues así es como te recuerdo. Tu relato hace que uno viva el viaje, y dan ganas de regresar, pero antes voy a Recifeeeeeeee. Besos

Teresa Braga disse...

Caro Girley, você acabou de realizar o meu desejo sonhado e frustado para esse Carnaval que passou, pq desde o 2º semestre do ano passado que comecei a gestar essa idéia que vc e sua querida família executou agora. Mas quem sabe? talvez na semana santa? ou mesmo nas férias de julho. Na verdade um amigo meu falou tb que há museus, inclusive com a tela famosa de Tarsila do Amaral e uma imagem ou ícone da belíssima Virgem de Vladmir, na Catedral de Buenos Aires. mas suas dicas nesse bolg tb são muito boas e se eu for, o que farei pela 1ª vez, vou precisar de mais detalhes, certo?
Um abraço meu amigo da antiga e saudosa SUDENE
Teresa Braga

Paulo disse...

Bela descrição Girley,
Você realmente faz a gente viajar.
Gostei da idéia e quem sabe no próximo carnaval não estaremos lá?
Abraço,
Paulo Miranda

Maria Regina disse...

Olá Girley!
Feliz em receber notícias de vocês e da bela Argentina, que continua linda. Feliz em vê-los celebrando a vida.
Maria Regina Pinto Ferreira

Flor Oquendo (Caracas) disse...

Queridísimo Girley:
Muy bueno tu escrito y muy buenas también las fotos de tus 2
hijos !!
Yo estoy asistiendo a una Iglesia en Caracas que es dirigida por un Obispo y pastores brasileños. Voy los miércoles, viernes y domingos, es una Iglesia grande, confortable y espléndida. Hacen una maravillosa labor. Se reunió mucho dinero para hacer una Catedral y el gobierno de Venezuela le
quiere quitar el terreno ¿Que te parece?. No sé si sigues de cerca lo que está sucediendo en Venezuela y no sé a dónde vamos a parar!!.
Un beso para tí, Sonia y tus hijos
Flor

Katia disse...

Ai Girley, também amo esta cidade, fiquei morta de inveja mas, se Deus quiser retornarei logo logo a esta europa nossa vizinha.
Beijo em todos - Kátia

Manoel Quintas disse...

Caro Girley,
Obrigado por essa viagem, via blog, que você me proporcionou à maravilhosa Buenos Aires. Sua sensibilidade aliada à sua cultura e singular poder de observar permite aos seus leitores viajar com você através das letras, mas com a sensação de realidade.Daí eu poder dizer que na leitura pude ouvir os acordes de bandonions e violinos na execução de tangos tão comum na Florida e que o show "Senhor Tango"
emocionou-me até as lagrimas, tal a beleza do espetáculo. Por isso amigo, obrigado de novo e parabéns.
Manoel Quintas.

Ana Maria Menezes disse...

Girley também gosto de Buenos Aires e você a descreve como se estivessemos passeando no local. Meu Deus que dois "touros" lindos! Ana Maria Menezes

Maria do Socorro Kelly disse...

Querido amigo, v. fez mto. bem ! Também amo BS. , com imensa paixão. De vez em qdo. estou passeando e sempre me deslumbrando com essa magnífica cidade. Se tivesse o poderio econômico do Brasil....daria de 10 a zero ! E Puerto Madero, hein ? Q lindo, e como se come bem ! Muchas gracias . Abraço, Socorro Kelly.