sexta-feira, 15 de julho de 2016

Circulando em Portugal

Cartão Postal da Universidade de Coimbra. Patio Central.
...aí, resolvemos deixar o carro ( locado em Lisboa) na garagem do hotel e chamamos um taxi. Com um motorista local seria mais fácil alcançar, a tempo, os pontos mais importantes a visitar em Coimbra. Veio, então, José Fidalgo, dirigindo uma Mercedes Benz meio rodada e que nos conduziu por onde desejávamos circular, culminando com uma parada no célebre pátio da Universidade mais tradicional de Portugal.
Após fotos aqui e acolá, com as poses que se tem direito, manifestamos o desejo de comer um bom leitão à bairrada (coisa parecida com o pururuca dos mineiros) muito popular nos arredores de Coimbra. Sair daquelas bandas sem saborear esta especialidade da cozinha local é o mesmo que não passar por lá. Nosso chofer fidalgo, no nome e no trato, empolgou-se e saiu estrada afora na busca de um determinado e famoso restaurante, desmanchando-se em salamaleques.  Rodamos mais do que o que desejávamos escutando as histórias daquele falante patrício. Às vezes coisas incompreensíveis, dado ao fato de que o sotaque do norte português é mais enrrrrolado do que noutras bandas. De fato, fomos levados a uma casa aonde turista seguramente não chega. Comemos como príncipes. Êiiiita, leitãozinho gostoso... Com o vinho da casa! Sem sentimento de culpa ou medo de cometer o pecado da gula, deixamos somente os ossinhos. Voltamos ao hotel com sono, mas, “batendo papo” com o leitãozinho. Uma vontade de voltar... Vide foto, a seguir, do nosso jantar. Nome do restaurante? Albatroz. Local exato: Fornos, à margem da rodovia IC2. Uma casa portuguesa, com certeza. Dormimos como nunca naquela noite.
Nosso leitão à moda da Bairrada
Dia seguinte, pé na estrada, digo, carro na estrada, e depois d´uma hora entramos na Cidade do Porto, que é sempre bom visitar. Diferentemente de Lisboa, a Metrópole, o Porto (Oporto) tem um ar mais europeu. Ali, foi onde as raízes portuguesas foram fincadas. Foi o Porto que deu o nome a Portugal, desde o ano 200 AC, quando se designava de Portus Cale, mais tarde capital do Condado Portucalense, de onde surgiu Portugal.
Banhada pelo rio Douro, que lhe confere um especial clima, a cidade é famosa pela sua produção vinícola, sendo o apreciado vinho do Porto sua maior expressão. Além disso, a cidade ostenta um dos mais famosos conjuntos arquitetônicos e históricos do país, regiamente preservados. Um passeio pelo centro histórico e, em particular, pela Ribeira do Douro é algo inesquecível para qualquer visitante. Não é à toa que por lá circulem verdadeiras “enxames” de turistas, sobretudo nessa época de alta estação, a busca de admirar aquele conjunto de históricos palácios e casas seculares. Como se fosse pouco, em meio a essas belas construções, o visitante pode fazer uma pausa refrescante, nas lojinhas de artesanatos, bares e restaurantes ali postos. Haja prazer.
Ponte Luis I, Cartão Postal da Cidade do Porto
Agora, pausa boa também é embarcar num dos antigos barquinhos que antes transportavam os tonéis de vinho para expedições aos mercados consumidores e que hoje servem de deleite aos turistas em minicruzeiros pelo rio.  Jamais perdemos essa chance. Apreciar a cidade desde uma dessas embarcações é divisar a cidade por uma perspectiva distinta e privilegiada. E, tem mais, se o barco partir da Ribeira da Vila Nova de Gaia, na margem oposta do rio, defronte do Porto, é ainda melhor. Antes do passeio fluvial, vale à pena “bater pernas” por aquela ribeira e curtir muito os bares e restaurantes locais (comer um chouriço flambado na chama da bagaceira com vinho da casa, na calçada da Taberninha do Manel é uma grande pedida) e visitar uma das inúmeras Caves de Vinho do Porto. Cuidado para não sair bêbado. E se beber não dirija. A coisa lá é também rigorosa.

A Dolce Vita às margens do Douro, na Vila Nova de Gaia 
Temos a sorte de contar com amigos no Porto e que nos acolhem com prazer. Graças a eles visitamos lugares seletos e fora do circuito turístico. Inêz  e Carlos Mota – ela pernambucana, amiga de infância, ele português – nos receberam de modo gentilíssimo. Somos gratos pelo chá das cinco na tradicional Confeitaria Majestic, eleita uma das dez mais belas do Mundo, no coração da vibrante Rua Santa Catarina e, em seguida, bem perto, visitarmos o Grande Hotel do Porto, no qual a Família Real Brasileira se hospedou, quando banidos do Brasil, em 1899. Aliás, lá mesmo faleceu a Imperatriz Thereza Christina de Bourbon, consorte de D. Pedro II do Brasil, em 28/12/1889. Ou seja, logo após o inicio do exílio. Sei não, mas, pode ter sido de depressão, que à época devia ser denominada de tristeza, pela perda da boa vida nos trópicos cariocas...  O Hotel se orgulha dessa passagem e mantém no seu grande salão as fotos da passagem da Família Real de Pindorama. Em seguida, os amigos Carlos e Inez nos levaram ao Café e Restaurante O Guarany, numa das esquinas da Avenida dos Aliados e em frente a uma grande Praça, onde D. Pedro IV (Pedro I do Brasil) pontifica numa estátua monumental, montado num belo alazão e voltado para seu querido Brasil. No Guarany, além de bom vinho, saboreia-se, entre outras delícias, uma especialidade local denominada de Francesinha. É uma versão lusitana do famoso Croque-Monsieur parisiense. Tudo isto, apreciando um recital de fados, ao autentico estilo do país. Uma beleza. Cantamos juntos a famosa canção “uma casa portuguesa, com certeza”. E isto, meu Deus, não tem preço. Nem com Mastercard!
Mas, nossos amigos acharam pouco e, noite seguinte, nos levaram para comer um bacalhau à moda local e num restaurante, também, fora do circuito turístico. Fomos ao Ponte do Freixo, no qual fomos recebidos com especiais atenções dados nossos cicerones. Ninguém me pergunte o endereço. O local é remoto até para os locais, creio eu. Mas, a comida... É de comer ajoelhado agradecendo ao Santo Antonio e a Nossa Senhora de Fátima. Viva Portugal. Voltaremos, viu?

Quer saber mais sobre esta viagem, acesse o canal de Youtube de Tico Brazileiro, meu filho, clicando: https://www.youtube.com/user/ticoso

NOTA: Fotos da autoria do Blogueiro               


4 comentários:

J.Artur disse...

Meu amigo Girley. Não que os outros escritos teus não mereçam lidas seguidas, mas este tem um condimento especial: A saudade das andanças minhas com Célia por Portus Cale. Para mim inadmissível ir à Europa e não dar uma passada caprichada pela terra de Cabral. Seu descritivo explodiu os neurônios do Zé aqui, pela excitação da memória. E estou devendo a mim mesmo voltar lá, porque das vezes anteriores não fomos ao Porto. Burramente. Parabéns e continue a nos levar "por mares nunca dantes navegados". Abraço.

Rodrigo Oliveira disse...

Amigo, meus parabéns. Excelente postagem. Fique certo que não viajarei mais sem antes abusar da sua consultoria, de preferência tomando um bom vinho do Porto consigo. Um fraternal abraço.
Rodrigo Oliveira

Thereza e Umberto Leal disse...

Girley amigo, vimos com alegria o seu blog de Portugal, as saudades são infinitas, a sua maneira de escrever, nos transportou para lá, revendo alguns lugares que estivemos e outros que não conhecemos mas que um dia quem sabe iremos conhecer. Adoramos também o blog de Tiro que não o conhecemos pessoalmente, porém vimos que é um belo rapaz amigo dos país e tudo que ele mostrou foi maravilhoso, abraços dos amigos Thereza e Umberto Leal.

Manuel Tomaz disse...

Muitos turistas brasileiros visitam Portugal, mas não o conhecem. Pela sua descrição, vejo que aproveitaram bem nessa viagem Lisboa, Coimbra, Leitão na Bairrada, passeio no Douro, o Porto tradicional...
Uma lição de como aproveitar o tempo de estadia por Terras Lusas.