terça-feira, 10 de maio de 2011

Caminhos tortuosos de Suape

Foi um dia daqueles que você tem a sensação de que a hora de voltar para casa não vai chegar nunca. Trabalhei o que pude...
Mas, não foi o trabalho que me esgotou, porque fazendo o que gosto, não fico cansado. Difícil mesmo, foi amargar horas e horas nos conturbados trânsitos da cidade e das estradas. Imagine que gastei uma hora para fazer um trajeto de, no máximo, quinze minutos, entre minha casa e o escritório. Nem fui almoçar em casa para não perder tempo. Inventei um almoço reunião, para adiantar as coisas. Mas, a tarde foi cruel. Tive que ir, com alguns empresários, a uma solenidade de abertura de um mega-evento técnico internacional, num resort de Porto de Galinhas.
Olhe, Seu minino, você nem pode imaginar o que aconteceu. Logo na saída da cidade, após o Aeroporto do Recife (que fica dentro da cidade) dei de cara com o maior engarrafamento. Ônibus, caminhões, carretas, carros, carrinhos e carrões empacados. Mais que depressa recomendamos ao motorista para arranjar um retorno e pegar a saída pela Reserva do Paiva. Conseguimos. Até lá, navegamos em imensos alagamentos e caímos em descumunais crateras, em Jaboatão dos Guararapes. Atingir o acesso à citada Reserva pareceu ser um alivio. Ali, só trafega quem paga pedágio. Saindo de lá, demos de cara com outra zona de buracos, lamaçais, alagamentos e coisas parecidas. Parecia que havia ocorrido um tsunami, que Deus nos livre! O caminho estava em petição de miséria, como diria minha finada mãe. Aos trancos, barrancos e solavancos, alcançamos a PE-60, rodovia que dá acesso ao Porto de Suape e aos balneários do litoral Sul. Embora não acreditássemos, já havíamos perdido mais de 90 minutos, no trânsito. Parecia mentira. Em CNTP (condições normais de temperatura e pressão) não teria sido mais de 30. Continuando e alcançando a entrada do Complexo Portuário, avistamos uma imensa carreta esborrachada (quer dizer: afundada, atolada, lascada...) num buraco imenso no centro de um canteiro de obras rodoviárias inacabadas. O sujeito deve ter perdido a direção e jogou aquele monstro veículo no buracaço que se abriu aos olhos dele. Imagino o susto dele e de quem apreciou. Dali em diante, o transito engrossou, novamente. Mas, para encurtar a história, chegamos ao destino depois de, aproximandamente, três horas de sacrifício. Teve autoridade estadual que chegou depois que a solenidade foi encerrada. E, eu achei foi pouco...
No recinto, repleto, inclusive, de técnicos estrangeiros, já se encontrava o Governador do Estado, que, por sorte e benesses do cargo – é justo – se deslocou do Palácio até Porto de Galinhas num veloz helicóptero. É justo, como frisei, mas é lamentável. Dessa vez, somente dessa, ele devia ter escolhido a via terrestre. Ele precisava ver a miséria que nós vimos. Imagino que ele vai ser poupado e vai terminar sem saber o estado do Estado (governo) e do Pernambuco que governa.
Terminada a solenidade – secundada pelo ameno e belo concerto dos Meninos do Coque – tratamos de bater retirada, o quanto antes, para nos livrarmos do transito.
Voltamos pelo caminho de dentro, PE-60 e periferia da cidade do Cabo de Santo Agostinho. Quando eu pensava que já havia visto o pior na ida, fiquei incrédulo e indignado ao ver que o trecho de rodovia que vai do Portal de Suape até o seu inicio na entrada da cidade do Cabo, era incomparavelmente desastroso. Simplesmente, deixou de existir. Trafegamos como se numa estrada carroçável, daquelas bem brabas, que afrouxa parafusos e porcas de carros, fura pneus, quebra suspensão, arranca escapamento e sai lascando tudo. Uma estrada do tipo "sonrisal", isto é, aquela que numa invernada chuvosa se dissolve de modo efervescente. Foi um sufoco atravessar aquele trecho. Por cima disso, um trânsito pesado, embora fosse mais de oito horas da noite. Gastamos mais duas horas de estrada! Isto é, também, Custo Brasil. Faça as contas: 1 + 3 + 2 = 6 horas perdidas. Pode uma coisa dessas?
Agora, me diga mesmo: como responder as indagações de um aspirante a investidor em Suape? Hoje mesmo, eu sei que uma Comitiva de italianos andou por lá, visitando e conhecendo o Estaleiro Atlântico Sul e as obras da Refinaria. Querem investir aqui, em parcerias com empresários locais. Faço idéia da decepção.
Empresário amigo, que fez o mesmo trajeto dessa tarde/noite, está preocupado com a visita que vai receber, na próxima quinta feira, de um industrial holandês, que pretende montar um negócio em Suape. Conhecendo a Holanda e sua invejável infra-estrutura, como eu conheço, não tive dúvidas e aconselhei-o colocar o visitante num helicóptero e levar até Suape, voando pelo litoral e escondendo a bagunça em terra.
Conclusão: não dá para trabalhar assim, não. Como promover um Pernambuco desestruturado logisticamente? O Porto de Suape é bom, mas tente chegar lá com tranqüilidade. São caminhos tortuosos.

14 comentários:

Anônimo disse...

Boa Noite Girley gostei muito da sua independencia, gostaria de sugerir um comentario sobre a verdade sobre o estaleiro atlantico sul, um estaleiro pernambucano que é comandado por cariocas, gauchos e catarinenses, que tem sua matriz no rio de janeiro e que essas mesmas pessoas estão levando a falencia, nao falo somente de diretoria , presidencia, mas principalmente dos encarregados gerentes, engenheiros, supervisores , que por 4 anos pelo menos uma parte deles fizeram o que estavam ao alcance para atrasar o cronograma e agora com o ultimato da transpetro para a entrega do primeiro navio, estao indo embora para o estaleiro gaucho,quem sera que ganhará os contratos do atlantico sul , caso a transpetro decrete uma quebra de contrato por atraso na entrega ? bem se quiser tenho muitas mais informações sobre o que esta acontecendo e q aconteceu no EAS

Antonio Azevedo disse...

Caro Girley bons dias....

Para ser objetivo e conciso: comentário, bom, perfeito, sem ranço, alertando e mostrando ao Governo do Estado a necessidade de uma decisão prioritária, urgente, inadiável. Utilizo habitualmente a via quando vou para Maragogi. Você foi direto, correto, não tem outra saída para o usuário senão evitar um enfarto... Nosso estimado Eduardo Campos, sem nenhum chaleirismo, uma revelação na área política e de gestão, não pode mais ficar inativo num trecho tão fundamental quanto o abordado no seu blog. Parabéns e mantenha essa linha, essa conduta. - Antônio Azevedo.

Girley Brazileiro disse...

Prezados Leitores,

POr principio não publico comentarios ANONIMOS. Acho, que quem os escreve não merecem minha atenção. Por que não se identificar? Medo? Falta de coragem de aparecer, ainda que num humilde Blog? Nada justifica.
Hoje, porém, abri uma excessão e publiquei este comentário acima, dada a sua importante denuncia. Lamento não saber quem seja o/a autor ou autora. E, pior, não sei como entrar em contato, como sugerido.
Para seu conhecimento e julgamento, prezado leitor/a.
Girley Brazileiro

Baiano da Nigéria disse...

Prezado Girley,
Sinto pelo que voce passou mas, quando vi o dia nascer daquele jeito chuvoso que estava, desisti ali mesmo de fazer o trajeto. E olhe que minha decisao tinha sido sair pela manha para poder participar do evento na parte da tarde!!! Francamente, mesmo em dias de sol, marcar evento em Suape esta me custando o dia inteiro!! Mesmo que seja pela manha, digamos, umas 10 horas, simplesmente nao da pra se marcar mais nada no dia; salvo voce queira passar vergonha de chegar atrasado ou nunca chegar!!!
Mas isso nao so ocorre ali, nosso novo cartao postal do desenvolvimento regional. Os projetos de mobilidade para a Copa do Mundo estao todos atrasados. Nao ha a menor seguranca que, mesmo saindo o papel, serao construidos seguindo modelos e padroes de qualidade que aguentem o evento pelo menos. Ontem foi noticiado que os equipamentos construidos para os Jogos Panamericanos do RJ nao atendem os padroes do COI e terao que ser feitos novos (ou refeitos) para os Jogos Olimpicos. O desperdicio evidencia que isso que ocorre aqui e uma endemia brasileira, Brasilia que o diga. Ela recebeu tijolos de aviao, lembra??
O pais precisa urgentemente ser administrado por alguem da iniciativa privada, quem sabe, um presidente de federacao industrial, ou um empresario de sucesso. Precisamos de uma reforma constitucional amputativa. Precisamos amputar todos os artigos que atrapalham o desenvolvimento nacional, a comecar pela estabilidade funcional que atravanca decisoes e sobrecarrega os funcionarios publicos serios desse pais. Esse foi so um exemplo de toda uma seara de mudancas necessarias e urgentes.
Bom, pra terminar, ao menos voce nao estava em Lagos (Nigeria) novamente!!!
Abracos Nigerianos...
Baiano da Nigéria

Adilson Carneiro disse...

PARABENS CARO GIRLEY
ESSA VERGONHA A IMPRENSA NÃO PUBLICA PORQUE O GOVERNO DERRAMA RIOS DE MONEY NAS EMPRESA E ABAFAM A SUJEIRA.
ESSE BLOG VAI LONGE. VAMOS FAZER O BLOG DA CORRUPSSAO. AS ESTRADAS SONRRISAL DECORREM DAS COMISSÕES QUE TEM QUE SER DADA PARA O GOVERNO ESTADUAL/FEDERAL/PARA O DEPUTADO QUE COLOCOU A EMENDA E O ENGENHEIRO TEM QUE DIMINUIR OS PADRÕES DE QUALIDADE, QUE L@D#@O NÃO TEM MORAL PARA FISCALIZAR.
ADILSON

Celso Cavalcanti disse...

Caro Girley,

Realmente fica difícil querer ser gente grande pensando e agindo como amadores. Não dá para aceitar este estado de coisas em Suape, assim como não dá para aceitar que só após a tragédia do ano passado e a desta semana, sejam tomadas as providências "urgentes" de construir algumas barragens que segundo os "técnicos" e "políticos" resolverão o problema das enchentes "supreendentes". Acredito que o prejuízo que a economia pernambucana sofreu desde o ano passado e agora há pouco (infelizmente o risco ainda não passou), supera o custo de construção destas barragens.
Acho que este tipo de administração pública lamentavelmente é um estado de espírito entranhado no nosso DNA, pois técnica existe, dinheiro após as tragédias e prejuízos "aparece", falta é responsabilidade. Se um gestor negligente fôsse responsabilizado civil e penalmente pelos danos materiais e pessoais que a sua inépcia causou, talvez as coisas mudassem. Não podemos posar de vítimas simplesmente temos nossa parte de culpa pois aceitamos tacitamente que "as coisas são assim mesmo" e nem sequer protestamos com o que fazem ou deixam de fazer com o nosso suado dinheiro.
Quanto à denúncia do anônimo, talvez seja melhor dar-lhe espaço, pois o mesmo pode ser alguém de dentro da empresa, que certamente sofreria represálias a curto prazo se identificado.
canti
Um abraço,

Celso Cavalcanti

apenasumaopiniao disse...

Pois é, amigo Girley. Passei dois meses na Califórnia e pude ver e percorrer um grande Estado com malhas rodoviárias fantásticas, mesmo com uma Usina Nuclear ameaçando o paraíso. A minha amiga Iris que tem uma casa em Maragogi e me pediu para ir lá ver como andam as obras, quando falei no CAOS das vias de acesso, ela ficou incrédula. Agora envio o seu blog com a verdade NUA e CRUA. Parabéns!!!!!! não podemos esconder o que está à vista... INA MELO

ORLANDO CHALEGRE disse...

Caro Girley:

Eis-me aqui outra vez, fazendo meus comentários sobre suas colocações. Posso mesmo imaginar o que vc viu e encarou. Basta ver a o palavriado que vc utilizou, pois pelo que lhe conheço, sua linguagem sempre foi de um diplomata, mas reconheço que perante tamanho descalabro não se pode usar outra linguagem senão a mais condizente com a realidade dos fatos. Mais uma vez parabéns meu amigo.

Orlando Chalegre

Corumbá disse...

Caro Girley:
Eu estava me preparando para escrever sobre o abandono da BR 232 e o descaso político com que vem sendo tratada essa importante via de escoamento de nossa produção do interior, mas você me convenceu que o descaso de nosso atual governo não é com relação ao governo anterior, é descaso com a população mesmo.
É uma pena, as rodovias do Estado estão se esfarelando e o investimento privado ficando sem futuro.
É uma pena ser pernambucano e assistir esse desprezo por nosso futuro.
Mas, em termos de descaso, você venceu, nosso "sonrisal" 232 ainda resiste e dá para andar, mesmo sendo tão maltratado!

Wilma disse...

Girley,

É mesmo lamentável a situação dos caminhos que nos leva até Suape.É
um descaso total e não sabemos como é possível tal descuido para com as estradas que nos leva ao polo de Suape, certamente um dos que mais cresce no País.
Na verdade o trânsito e as buraqueiras estão insuportáveis também dentro da nossa cidade.
Muito boa a sua postagem.

Abraços.

Wilma Reis.

Danielle Monteiro disse...

Boa noite professor,
Tirando o senhor desse percurso, eu acho é pouco também "seu menino"... pra mim isso é um dos problemas de governo, pois mostra que as regras do jogo estão erradas... todo mundo quer tudo funcionando perfeitamente, mas quem quer investir? Porque os custos da infraestrutura necessária hoje na Região metropolitana do Recife são altos e se todo mundo se fingir de morto ficarão ainda maiores.
É investidor, tome incentivo fiscal, terreno, etc., mas fazer o cara cumprir sua responsabilidade socioambiental... gera meia dúzia de postos de trabalho e se acha que fez sua parte... deveria ser da seguinte forma, Pernambuco tá bombando, 10 empresários querem vir, então cada um terá que colaborar com uma parte dos custos para por exemplo construir um anel viário... tá achando ruim, tem outro Estado e ou país que dê uma rentabilidade maior com custo menor? Duvido... Pernambuco é a bola da vez e tem que se aproveitar disso para conseguir os recursos necessários para esses investimentos... a sociedade já paga muito caro, cada vez mais os impostos aumentam e a qualidade de tudo cai... chegou a hora de distinguirmos crescimento de desenvolvimento econômico e todos contribuírem, não há mais como só a sociedade arcar com todos os custos, chegamos no ponto limite. De que adianta o PIB estadual crescer tanto e nossa qualidade de vida piorar???
Abraço,
Danyelle Monteiro

Geraldo Casado disse...

MEU CARO GIRLEY,
APÓS LER O SEU BLOG, CONFESSO QUE FIQUEI
ARRASADO, ESTENUADO, CANSADO.- DEIXEI O COMPUTADOR E FUI BEBER AGUA.- QUE VIAGEMZINHA.- UM ABRAÇO.- GERALDO CASADO.-

Laércio Gomes disse...

Até hoje é assim. Seu protesto, amigo, nunca esteve tão atualizado. Sou professor da rede estadual, e numa reunião com o gestor da Regional Metronorte, prof Sinésio Monteiro, lacaio do governador, questionei: Se a Fiat vai montar os carros, quem vai garantir as estradas(já que boa parte da malha rodoviária é de governos passados)? O homem se espoletou! Daí vc conclui. São uns cínicos. Desenvolvimentismo de merda!

Laércio Gomes disse...

Só para lembrar um detalhe: Arraes, com uma arrecadação de R$ 180.000.000,00 mensais, construiu a primeira etapa da PE-15, até Ouro Preto; Jarbas, com a privatização da Celpe(cerca de 2 bilhões de reais), concluiu a obra, triplicando a rodovia até Igarassu, e ainda modernizou a BR 232(a arrecadação era de 500 milhões). Eduardo Campos(com 1,3 bilhão-mês) sequer tapa os buracos. P q, eu cidadão, vou cobrar contrapartida empresarial para o desastroso projeto de Suape? Tirem suas conclusões.